- Publicidade -
- Publicidade -
18.6 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Lojistas da região não querem feiras de varejo no Centro de Eventos porque prejudicam o comércio local

Um grupo de lojistas de Balneário Camboriú, Itapema e Camboriú, reuniu-se com o prefeito Fabrício Oliveira, nesta terça-feira (16), para pedir que as feiras de varejo sejam proibidas no Centro de Eventos Júlio Tedesco.

Segundo eles, a medida tem impacto direto sobre os lojistas da região.

O prefeito lembrou aos lojistas que no termo de concessão de uso do Centro de Eventos tem um artigo que veda a realização de feiras que prejudiquem os comerciantes de Balneário Camboriú e cidades vizinhas.

- Publicidade -

“Feiras para o consumidor final, como vem acontecendo, prejudicam o lojista que está aqui o ano. Além disso, o Centro de Eventos foi feito através da geração de impostos arrecadados em nossa cidade e hoje não podem vir lojas de outras cidades concorrer com os lojistas da região”, disse Adriano Molleri (Conceito Molleri Móveis).

Ele e o lojista Fernando Rocha (Móveis Rocha de Camboriú) tomaram a iniciativa de reunir representantes de vários setores para participar da reunião com o prefeito.

Claiton Cezar Pereira, trabalha há 30 anos na Sara Móveis, é gerente administrativo e disse que as feiras que acontecem no Centro de Eventos direcionadas aos lojistas são de extrema importância.

“O que estamos reivindicando é que estas feiras não atendam o consumidor final, porque isso não traz lucratividade, nem arrecadação ao município e prejudicam muito o comércio local, que paga aluguel, funcionários e gera impostos. É uma luta contra as feiras que estão no Centro de Eventos que abrem e atendem o consumidor final, seja do setor moveleiro, de roupas, calçados e outros”, afirmou.

Jefferson Gaidzinski, lojista e vice-presidente da CDL de Itapema, disse que essas feiras além de prejudicar o comércio local, ainda geram outros problemas.

“Ainda deixam como ônus situações em que as pessoas compram e depois não recebem e não têm onde reclamar”, disse.

Ele resume detalhando que a iniciativa de proibir essas feiras de varejo é para fortalecer o comércio da região.

- Publicidade -

Laurindo Ramos (empresa Villaro) falou que os empresários presentes saíram da reunião bastante otimistas, principalmente porque o prefeito disse que nos próximos dias ocorrerá uma nova reunião com a diretoria do Centro de Eventos e os legisladores locais.

“O objetivo desse encontro será encontrar as melhores soluções para garantir que tais eventos não ocorram na cidade, evitando assim prejuízos adicionais ao comércio já estabelecido na região. Porque não é justo que lojistas de outros municípios que não têm alvará de localização, venham aqui vender o mesmo produto que eu vendo, mas sem emitir nota fiscal etc. Não queremos que essas feiras de calçados, móveis, pisos etc…venham para cá e tomem o lugar da gente que paga imposto. As feiras devem ser feitas pelas fábricas, pelos produtores para os lojistas, que vão lá, conhecer as tendência, novidades, mas o que está acontecendo é a venda direta de fábrica para o consumidor final”, declarou.

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Balneário Camboriú foi convidada, mas não participou. Segundo a assessoria, não tem posicionamento sobre o assunto.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -