Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Meio Ambiente
Extra, extra! Após 22 anos Lagoa de Taquaras dá sinais de que foi despoluída

Sete análises feitas desde outubro indicam que duas décadas de poluição ficaram para trás

Terça, 7/1/2020 9:25.
Divulgação

Publicidade

As sete últimas análises de laboratório, feitas desde o começo de outubro, indicam que depois de mais de 22 anos a Lagoa de Taquaras parece estar despoluída, resultado do trabalho neste sentido iniciado em 2018 pelo ex-secretário do meio ambiente Ike Gevaerd e pelo pessoal da Emasa.

A lagoa poluída contaminava o mar naquele local. O primeiro laudo produzido pela Fatma, em 1988, mostra essa poluição que perdurou por mais de duas décadas.


A ideia de credenciar as praias ao longo da Interpraias para obtenção do certificado ambiental Bandeira Azul esbarrou, no caso de Taquaras, com a poluição da lagoa, o que levou a administração municipal a organizar um projeto para sua despoluição.

A precária estação de tratamento de esgoto do bairro -que ajudava a poluir a lagoa- foi desativada, a rede ampliada e se conectou à estação geral de tratamento da cidade, localizada no Nova Esperança.

Em dezembro de 2018 o programa Se Liga na Rede, da Emasa, vistoriou 122 casas no entorno da lagoa, das quais 78 tinham algum tipo de problema com esgoto.

Em dezembro de 2019, após um ano de fiscalização e orientação aos moradores, nova vistoria foi realizada em 263 residências e apenas 18 tinham algum tipo de problema.

Com essas iniciativas bem sucedidas a poluição da lagoa reverteu o que leva a crer que em breve Taquaras poderá se igualar ao Estaleiro e ao Estaleirinho e obter a Bandeira Azul.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação

Extra, extra! Após 22 anos Lagoa de Taquaras dá sinais de que foi despoluída

Sete análises feitas desde outubro indicam que duas décadas de poluição ficaram para trás

Publicidade

Terça, 7/1/2020 9:25.

As sete últimas análises de laboratório, feitas desde o começo de outubro, indicam que depois de mais de 22 anos a Lagoa de Taquaras parece estar despoluída, resultado do trabalho neste sentido iniciado em 2018 pelo ex-secretário do meio ambiente Ike Gevaerd e pelo pessoal da Emasa.

A lagoa poluída contaminava o mar naquele local. O primeiro laudo produzido pela Fatma, em 1988, mostra essa poluição que perdurou por mais de duas décadas.


A ideia de credenciar as praias ao longo da Interpraias para obtenção do certificado ambiental Bandeira Azul esbarrou, no caso de Taquaras, com a poluição da lagoa, o que levou a administração municipal a organizar um projeto para sua despoluição.

A precária estação de tratamento de esgoto do bairro -que ajudava a poluir a lagoa- foi desativada, a rede ampliada e se conectou à estação geral de tratamento da cidade, localizada no Nova Esperança.

Em dezembro de 2018 o programa Se Liga na Rede, da Emasa, vistoriou 122 casas no entorno da lagoa, das quais 78 tinham algum tipo de problema com esgoto.

Em dezembro de 2019, após um ano de fiscalização e orientação aos moradores, nova vistoria foi realizada em 263 residências e apenas 18 tinham algum tipo de problema.

Com essas iniciativas bem sucedidas a poluição da lagoa reverteu o que leva a crer que em breve Taquaras poderá se igualar ao Estaleiro e ao Estaleirinho e obter a Bandeira Azul.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade