Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Negócios
Cinco meses após IPO, PagSeguro lança nova oferta de ações em NY

Terça, 19/6/2018 11:02.

Publicidade

DANIELLE BRANT
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Cinco meses após fazer o maior IPO [oferta pública inicial de ações] de uma empresa brasileira nos Estados Unidos, o PagSeguro -sistema de pagamentos de compras que pertence ao UOL, do Grupo Folha- anunciou nesta segunda-feira (18) nova emissão para levantar até US$ 1,1 bilhão (R$ 4,1 bilhões).

Segundo prospecto protocolado na SEC (Securities Exchange Commission, regulador do mercado de capitais americano), serão lançadas 33 milhões de ações, sendo 11,55 milhões de papéis novos e 21,45 milhões de ações detidas pelo UOL, em uma oferta secundária.

O preço estimado por cada papel é de US$ 33,35 -nesta segunda, fechou a US$ 32,10. Com isso, o PagSeguro poderá levantar até US$ 1,1 bilhão.

Segundo a agência Reuters, Goldman Sachs e o Morgan Stanley consultaram o mercado nesta segunda-feira sobre a oferta. Serão três dias de apresentação da proposta a investidores -período superior aos dois dias exigidos pelas regras da SEC para empresas que estão listadas há menos de um ano.

No primeiro trimestre, o PagSeguro teve lucro líquido de R$ 148,5 milhões, ante R$ 60,6 milhões no mesmo período do ano passado.

A receita da empresa até março somou R$ 928 milhões, contra R$ 448,5 milhões no primeiro trimestre de 2017.

O prospecto indica que os recursos levantados serão investidos em novas tecnologias para dar suporte à rede de pagamentos digitais.

Após o negócio, a participação do UOL no negócio cairia para 52,2%. Mas a empresa manterá 91,6% dos papéis com direito a voto.

Na estreia na Bolsa de Nova York, em 24 de janeiro deste ano, as ações da PagSeguro dispararam 36%.

A oferta levantou pelo menos US$ 2,3 bilhões (R$ 7,3 bilhões, na cotação desta quarta-feira). Foi a maior realizada por um grupo estrangeiro em Wall Street desde o gigante chinês do comércio online Alibaba, que levantou US$ 25 bilhões (cerca de R$ 79 bilhões) em 2014.

Entre os grupos latino-americanos, foi a maior oferta desde os US$ 4 bilhões (R$ 15 bilhões no câmbio atual) da divisão mexicana do Santander, em 2012.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Cinco meses após IPO, PagSeguro lança nova oferta de ações em NY

Publicidade

Terça, 19/6/2018 11:02.

DANIELLE BRANT
NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Cinco meses após fazer o maior IPO [oferta pública inicial de ações] de uma empresa brasileira nos Estados Unidos, o PagSeguro -sistema de pagamentos de compras que pertence ao UOL, do Grupo Folha- anunciou nesta segunda-feira (18) nova emissão para levantar até US$ 1,1 bilhão (R$ 4,1 bilhões).

Segundo prospecto protocolado na SEC (Securities Exchange Commission, regulador do mercado de capitais americano), serão lançadas 33 milhões de ações, sendo 11,55 milhões de papéis novos e 21,45 milhões de ações detidas pelo UOL, em uma oferta secundária.

O preço estimado por cada papel é de US$ 33,35 -nesta segunda, fechou a US$ 32,10. Com isso, o PagSeguro poderá levantar até US$ 1,1 bilhão.

Segundo a agência Reuters, Goldman Sachs e o Morgan Stanley consultaram o mercado nesta segunda-feira sobre a oferta. Serão três dias de apresentação da proposta a investidores -período superior aos dois dias exigidos pelas regras da SEC para empresas que estão listadas há menos de um ano.

No primeiro trimestre, o PagSeguro teve lucro líquido de R$ 148,5 milhões, ante R$ 60,6 milhões no mesmo período do ano passado.

A receita da empresa até março somou R$ 928 milhões, contra R$ 448,5 milhões no primeiro trimestre de 2017.

O prospecto indica que os recursos levantados serão investidos em novas tecnologias para dar suporte à rede de pagamentos digitais.

Após o negócio, a participação do UOL no negócio cairia para 52,2%. Mas a empresa manterá 91,6% dos papéis com direito a voto.

Na estreia na Bolsa de Nova York, em 24 de janeiro deste ano, as ações da PagSeguro dispararam 36%.

A oferta levantou pelo menos US$ 2,3 bilhões (R$ 7,3 bilhões, na cotação desta quarta-feira). Foi a maior realizada por um grupo estrangeiro em Wall Street desde o gigante chinês do comércio online Alibaba, que levantou US$ 25 bilhões (cerca de R$ 79 bilhões) em 2014.

Entre os grupos latino-americanos, foi a maior oferta desde os US$ 4 bilhões (R$ 15 bilhões no câmbio atual) da divisão mexicana do Santander, em 2012.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade