Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
Operação Verão: fiz um botox e não gostei do resultado, posso processar o profissional que aplicou?

Por Guilherme Juk Cattani

Segunda, 20/1/2020 13:07.

Publicidade

Por Guilherme Juk Cattani

“É sempre importante diferenciar a insatisfação do erro profissional”, alerta o advogado e especialista em Direito Médico Hospitalar, Guilherme Juk Cattani. Isso porque nem sempre quando o resultado de um procedimento estético não atinge as expectativas do cliente, significa que foi um erro do profissional de saúde.

Em tempos de culto máximo à beleza, em que a hiper realidade das redes sociais pode nos confundir com padrões inalcançáveis, deve ser dever do médico, dentista ou do biomédico informar com clareza e transparência os riscos e os limites de cada procedimento.

No botox não é diferente, de modo que cada um tem uma característica única e isso deve ser levado em conta sempre.

“Se os profissionais não utilizarem da melhor técnica; se forem descuidados; deixarem de informar com clareza; se não forem capacitados o suficiente para executar serviços que ofertam no mercado e problemas forem gerados a partir destas situações, esses profissionais podem ser plenamente processados e devem ser punidos”, garante o especialista.

Mas Dr. Guilherme alerta. “Entretanto, para que não tornemos as profissões de saúde e de estética alvos de toda e qualquer insatisfação, devemos ser cautelosos e analisar cada caso de acordo com as suas peculiaridades”.

Guilherme Juk Cattani é advogado, especialista em Direito de Saúde e Hospitalar; Direito Tributário; e mestrando em Gestão de Políticas Públicas.


Ficou com alguma dúvida relacionada ao assunto? Envie para online@pagina3.com.br?


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Operação Verão: fiz um botox e não gostei do resultado, posso processar o profissional que aplicou?

Por Guilherme Juk Cattani

Publicidade

Segunda, 20/1/2020 13:07.

Por Guilherme Juk Cattani

“É sempre importante diferenciar a insatisfação do erro profissional”, alerta o advogado e especialista em Direito Médico Hospitalar, Guilherme Juk Cattani. Isso porque nem sempre quando o resultado de um procedimento estético não atinge as expectativas do cliente, significa que foi um erro do profissional de saúde.

Em tempos de culto máximo à beleza, em que a hiper realidade das redes sociais pode nos confundir com padrões inalcançáveis, deve ser dever do médico, dentista ou do biomédico informar com clareza e transparência os riscos e os limites de cada procedimento.

No botox não é diferente, de modo que cada um tem uma característica única e isso deve ser levado em conta sempre.

“Se os profissionais não utilizarem da melhor técnica; se forem descuidados; deixarem de informar com clareza; se não forem capacitados o suficiente para executar serviços que ofertam no mercado e problemas forem gerados a partir destas situações, esses profissionais podem ser plenamente processados e devem ser punidos”, garante o especialista.

Mas Dr. Guilherme alerta. “Entretanto, para que não tornemos as profissões de saúde e de estética alvos de toda e qualquer insatisfação, devemos ser cautelosos e analisar cada caso de acordo com as suas peculiaridades”.

Guilherme Juk Cattani é advogado, especialista em Direito de Saúde e Hospitalar; Direito Tributário; e mestrando em Gestão de Políticas Públicas.


Ficou com alguma dúvida relacionada ao assunto? Envie para online@pagina3.com.br?


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade