Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
“O contribuinte de Balneário Camboriú está há um ano sem respostas”, por Lucas Gotardo

Quarta, 11/3/2020 9:52.

Publicidade

No dia 28 de fevereiro, a administração de Balneário Camboriú completou um ano ignorando o direito do contribuinte de Balneário Camboriú a ter acesso à informação sobre as promessas de campanha. Há um ano eu propus uma fiscalização, através de pedidos de informação específicos sobre o plano de governo.

Nesta ação eu fui apenas o porta-voz, cumprindo uma das prerrogativas do cargo de vereador eleito, pago e cobrado constantemente pela população. Porém, sabia das consequências que enfrentaria quando dei início a uma fiscalização tão espinhosa, afinal, eu mesmo fui um dos que defendeu o programa de governo das Novas Ideias.

Porém, como parlamentar mais jovem desta legislatura, prometi ser transparente e com o compromisso pessoal de não ir contra os meus princípios. E isso inclui não me calar.

Aproveito para reiterar aqui a importância do Pedido de Informação, um instrumento legal, previsto na Lei Orgânica. Essa lei funciona como uma espécie de constituição do município e estabelece regras, seguidamente negligenciadas pelo Poder Executivo, em um silêncio perturbador e criminoso.

Numa tentativa de desconstrução orquestrada, minha postura foi atacada de diversas formas. Fui criticado em artigos imparciais, vídeos de mau gosto e cheguei a ser chamado de traidor por alguns fanáticos. Deveria então eu apenas ficar calado, mesmo com um governo que ignora seus vereadores e por consequência, ignora seu próprio povo?

Enfrentamos um movimento perigoso. Não foram apenas os pedidos de informação do plano de governo, que não tiveram respostas. E não foram apenas os meus requerimentos que não tiveram retorno do Executivo. O modus operandi da administração municipal de ignorar e tentar desqualificar o trabalho de quem a questiona, coloca em xeque e exterioriza a complexa relação entre os poderes.

No entanto, tenho convicção, que está com os dias contados a relação promíscua estabelecida entre poderes por meio de troca de apoio por cargos. As pessoas estão atentas e críticas.

Quem ficar parado no tempo, agarrado às práticas da velha política ou melhor, da política ruim, enfrentará numa hora ou outra, as consequências internas e externas de tratar o contribuinte como um simples meio para projetos de carreirismo político.

Eu, por outro lado, continuo na contramão do cabresto e sigo aguardando as respostas para compartilhá-las.


Por Lucas Gotardo, vereador de Balneário Camboriú


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

“O contribuinte de Balneário Camboriú está há um ano sem respostas”, por Lucas Gotardo

Publicidade

Quarta, 11/3/2020 9:52.

No dia 28 de fevereiro, a administração de Balneário Camboriú completou um ano ignorando o direito do contribuinte de Balneário Camboriú a ter acesso à informação sobre as promessas de campanha. Há um ano eu propus uma fiscalização, através de pedidos de informação específicos sobre o plano de governo.

Nesta ação eu fui apenas o porta-voz, cumprindo uma das prerrogativas do cargo de vereador eleito, pago e cobrado constantemente pela população. Porém, sabia das consequências que enfrentaria quando dei início a uma fiscalização tão espinhosa, afinal, eu mesmo fui um dos que defendeu o programa de governo das Novas Ideias.

Porém, como parlamentar mais jovem desta legislatura, prometi ser transparente e com o compromisso pessoal de não ir contra os meus princípios. E isso inclui não me calar.

Aproveito para reiterar aqui a importância do Pedido de Informação, um instrumento legal, previsto na Lei Orgânica. Essa lei funciona como uma espécie de constituição do município e estabelece regras, seguidamente negligenciadas pelo Poder Executivo, em um silêncio perturbador e criminoso.

Numa tentativa de desconstrução orquestrada, minha postura foi atacada de diversas formas. Fui criticado em artigos imparciais, vídeos de mau gosto e cheguei a ser chamado de traidor por alguns fanáticos. Deveria então eu apenas ficar calado, mesmo com um governo que ignora seus vereadores e por consequência, ignora seu próprio povo?

Enfrentamos um movimento perigoso. Não foram apenas os pedidos de informação do plano de governo, que não tiveram respostas. E não foram apenas os meus requerimentos que não tiveram retorno do Executivo. O modus operandi da administração municipal de ignorar e tentar desqualificar o trabalho de quem a questiona, coloca em xeque e exterioriza a complexa relação entre os poderes.

No entanto, tenho convicção, que está com os dias contados a relação promíscua estabelecida entre poderes por meio de troca de apoio por cargos. As pessoas estão atentas e críticas.

Quem ficar parado no tempo, agarrado às práticas da velha política ou melhor, da política ruim, enfrentará numa hora ou outra, as consequências internas e externas de tratar o contribuinte como um simples meio para projetos de carreirismo político.

Eu, por outro lado, continuo na contramão do cabresto e sigo aguardando as respostas para compartilhá-las.


Por Lucas Gotardo, vereador de Balneário Camboriú


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade