Jornal Página 3

Espanha aceita extraditar padrasto acusado de matar menino Joaquim

Quinta, 10/8/2017 16:31.

MARCELO TOLEDO
RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - Três meses e meio após ser preso em Barcelona, o técnico em informática Guilherme Raymo Longo, acusado de matar seu enteado, Joaquim Ponte Marques, 3, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), será extraditado para o Brasil.

A decisão atende pedido feito pelo governo brasileiro em maio, mês seguinte à detenção de Longo na Espanha.

O menino desapareceu de casa, em Ribeirão, em 5 de novembro de 2013, e seu corpo foi encontrado cinco dias depois, no rio Pardo, em Barretos (a 423 km de São Paulo).

Para a Promotoria, Longo matou o enteado, que era diabético, com uma alta dosagem de insulina, dentro da casa da família, no Jardim Independência.

Após a morte de Joaquim, ainda segundo o Ministério Público, o padrasto jogou o corpo no córrego Tanquinho, localizado a cerca de 200 m de onde moravam e, de lá, ele teria sido levado até o ribeirão Preto, afluente do rio Pardo.

Não há prazo para a decisão, comunicada à 2ª Vara do Júri e Execuções Criminais de Ribeirão Preto, ser cumprida.

A expectativa é que ele seja levado até o final do ano para a penitenciária de Tremembé, onde estava detido preventivamente até sua defesa obter um habeas corpus, em fevereiro do ano passado. A defesa alegou excesso de prazo de prisão sem julgamento.

Longo passou a ser considerado foragido em setembro do ano passado, depois de confessar em uma entrevista à TV ter matado o enteado.
Após a entrevista, o pai do garoto, Arthur Paes, espalhou outdoors em busca de seu paradeiro em quatro cidades do interior de São Paulo.

SEM PROVAS

A defesa de Longo alega que a Promotoria não tem provas que liguem o padrasto à morte de Joaquim e já pediu exame nas vísceras do menino para comprovar se havia superdosagem de insulina.

Para especialistas, a insulina é metabolizada rapidamente pelo organismo e seria difícil a perícia identificar superdosagem da substância no corpo do garoto.

Exames feitos pelo IML (Instituto Médico Legal) descartaram que o menino tenha morrido afogado, pois não havia água em seus pulmões.

Longo foi denunciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Já a mãe de Joaquim, Natália Ponte, foi denunciada por suposta omissão.

Ela mora em São Joaquim da Barra, na região de Ribeirão Preto, com os pais e um filho, fruto do relacionamento com o técnico em informática. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade