Jornal Página 3

Afastado, Aécio manterá parte do salário de senador

Quinta, 15/6/2017 6:46.

TALITA FERNANDES
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) teve seu nome excluído do painel de votação do Senado e deixará de receber parte do salário a que teria direito no cargo.

Dos R$ 33.763 pagos mensalmente a senadores, ele manterá um terço (R$ 11.264). O restante, vinculado à assiduidade, não será pago.

Segundo o Senado, o registro de presença de Aécio está bloqueado desde 18 de maio, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) ordenou o afastamento do senador. Cada dia de falta representa um desconto de R$ 1.500.

Ele também perdeu direito ao carro particular.

Na sessão desta quarta (14), o tucano não constava mais do quadro de parlamentares aptos a votar. Segundo a assessoria, o nome foi retirado na noite de terça.

"Queria deixar bem claro que a Mesa não descumpriu a decisão da Suprema Corte", disse o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), ao encerrar a sessão na manhã desta quarta.

O presidente do Senado também se encontrou com o ministro Marco Aurélio Mello, que assumiu a relatoria do caso de Aécio no STF relacionado às delações da JBS.

"O senador foi suspenso das funções legislativas. As instituições estão funcionando como convém e há independência e harmonia entre o Poder Legislativo e o Judiciário", afirmou.

Sobre o suplente assumir a vaga de Aécio, o ministro disse que "o afastamento deve alcançar 120 dias".

O gesto de Eunício ocorreu após a Folha de S.Paulo revelar, na segunda (12), que o Senado ignorou decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), de afastar Aécio Neves.

Em recuo, nesta quarta o presidente do Senado repetiu, em ofício ao STF, as informações sobre o afastamento. Ao longo da semana ele disse que aguardava novos esclarecimentos do STF.

Até esta terça, o nome do tucano permanecia no painel de votação e na lista de senadores em exercício. Seu gabinete tem funcionado normalmente. Se o tucano comparecesse a uma sessão, poderia votar, disseram técnicos.

ODEBRECHT

O ministro Ricardo Lewandowski foi sorteado nesta quarta para relatar um dos cinco inquéritos para investigar Aécio em decorrência da delação da Odebrecht.

A relatoria estava com Edson Fachin, que pediu a troca porque os fatos não têm relação com a Petrobras.

Os investigadores apuram eventuais crimes de corrupção, além de lavagem de dinheiro, na campanha de 2014. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade