Jornal Página 3

Isenção fiscal a três unidades da JBS em MG ultrapassa R$ 300 milhões

Sexta, 16/6/2017 5:23.

CAROLINA LINHARES
BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Benefícios fiscais concedidos a somente três unidades da JBS em Minas Gerais entre 2011 e 2020 ultrapassam R$ 300 milhões de acordo com estudo obtido pela Folha de S.Paulo. A isenção de impostos no Estado pode estar ligada ao pagamento de propina, segundo apontou a delação de um executivo da empresa.

Uma estimativa do Sindifisco-MG (Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais) mostra que o regime tributário diferenciado nessas três unidades somou um total de R$ 56,6 milhões em isenções no ano de 2014.

O delator Ricardo Saud, diretor da JBS, afirmou que o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) prometeu, em 2014, liberar o pagamento de aproximadamente R$ 30 milhões de créditos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da empresa em troca de doações na campanha presidencial daquele ano.

Os créditos de ICMS são valores do imposto pagos a mais pela empresa e que devem ser restituídos pelo Estado.

"Temos lá hoje de cara R$ 12,6 milhões de créditos de ICMS só da JBS Couro. E tínhamos mais alguma coisa lá em torno de R$ 20 milhões da JBS para ser liberado, além dos incentivos que nós precisávamos", diz Saud em sua delação. A empresa reouve o valor em compensações tributárias na compra de caminhões.

Em 2014, a JBS foi a maior doadora da campanha de Aécio ao Planalto, com repasses registrados de R$ 30,4 milhões. De acordo com a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o senador, outros R$ 60 milhões foram pagos ao tucano de forma indevida naquele ano.

O impacto gerado na arrecadação de Minas por essas três unidades da JBS (uma em Ribeirão das Neves e outra em Iturama, além de unidade da Seara em Ribeirão das Neves) alcança os R$ 332,9 milhões, já que os benefícios vigoraram entre três e dez anos. No caso da Seara, o regime diferenciado vale até 2020.

Os dados apontam ainda 107 benefícios fiscais concedidos a cerca de 30 unidades de empresas da holding J&F que recolhem impostos no Estado entre 2008 e 2020 -45 deles continuam vigentes no governo atual, de Fernando Pimentel (PT).

São unidades da própria JBS e também da Seara, Itambé, Vigor, Danúbio e Flora.

O Sindifisco-MG alerta para a concessão de benefícios fiscais no Estado sem que haja retorno para a sociedade e sem transparência sobre as empresas beneficiadas. Em 2016, o Orçamento previu isenções no valor de R$ 12,7 bilhões.

Um inquérito de 2012 ainda em andamento no Ministério Público de Minas Gerais investiga supostas irregularidades na Secretaria de Estado da Fazenda e lista a relação de empresas com regime tributário diferenciado.

O órgão informou que não há novas investigações sobre benefícios fiscais iniciadas a partir das suspeitas levantadas pela delação da JBS.

Mas afirmou que o MP faz parte do Cira (Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos), criado em 2007 combater sonegação e fraudes fiscais em Minas Gerais. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade