Jornal Página 3

OPERAÇÃO-UNFAIR PLAY - Patrimônio de Nuzman dobrou antes dos Jogos e inclui barras de ouro

Quinta, 5/10/2017 9:43.

ITALO NOGUEIRA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Relatório da Receita Federal mostra que o patrimônio do presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Carlos Arthur Nuzman, dobrou entre 2013 e 2014, início do ciclo olímpico dos Jogos no Rio. O dirigente, preso na manhã desta quinta-feira (5), é investigado por pagamento de propina para obter votos para o Rio na escolha da sede da Olimpíada de 2016.

Os dados mostram que o dirigente disse à Receita ter R$ 8,4 milhões em bens em 2014, o dobro dos R$ 4,2 milhões declarados no ano anterior. Em 2015, Nuzman informou às autoridades ter R$ 9,1 milhão em patrimônio, e reduzido no ano passado para R$ 7,3 milhões.

O salto de 2013 a 2014 foi justificado, em quase sua totalidade, com ações de companhia sediada nas Ilhas Virgens Britânicas.

A Procuradoria afirma que as declarações de imposto de renda de Nuzman não registram remuneração do comitê organizador da Olimpíada.

O dirigente justifica o crescimento patrimonial a recebimentos de pessoas físicas e do exterior, sem maiores informações.

O Ministério Público Federal diz também que o dirigente fez uma retificação de seu imposto de renda após a deflagração da Operação Unfair Play. Neste ato, declarou ter 16 barras de ouro, de 1 kg cada, depositadas num cofre na Suíça no valor de R$ 1,5 milhão. Também informou à Receita os R$ 480 mil em espécie encontrados na sua casa, em cinco moedas diferentes.

A alteração na declaração às autoridades fiscais foram interpretadas como uma tentativa de obstruir as investigações.

PRISÃO

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quinta-feira Nuzman, e Leonardo Gryner, seu braço direito no comitê organizador da Rio-16. Os dois são suspeitos de atuarem na compra de votos para a escolha da cidade para sediar os Jogos.

A operação é um desdobramento da Operação "Unfair Play", que investiga a compra do voto de Lamine Diack por US$ 2 milhões. O empresário Arthur César Soares de Menezes, foragido há um mês, foi o responsável por pagar a quantia semanas antes da escolha, em outubro de 2009, em Copenhague, de acordo com as investigações.

E-mails indicam, na interpretação da Procuradoria, que um valor mais alto foi pago meses após a escolha da cidade como sede dos Jogos. 


Publicidade


Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
Geral

Começou na segunda-feira e segue até quarta-feira 


Cultura

Edital vai distribuir R$ 920 mil para projetos culturais


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Comercial

Promoções Rosar Alimentos para esta semana