Jornal Página 3

Antes dos Jogos, Nuzman regularizou R$ 3,8 milhões por meio de lei de repatriação
Moreno Bastos/EBC.

Sexta, 6/10/2017 7:23.

ITALO NOGUEIRA E SÉRGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Dois anos antes do início dos Jogos Olímpicos, Carlos Arthur Nuzman regularizou R$ 3,8 milhões ocultados das autoridades fiscais brasileiras no exterior.

O cartola aderiu ao programa de regularização de ativos no exterior. Ela tem sido criticada por abrir brecha para a legalização de dinheiro com origem ilegal.

No seu Imposto de Renda de 2015 , o dirigente informou que era dono de cem ações de uma companhia sediada nas Ilhas Virgens Britânicas.
Segundo o documento, a empresa era proprietária de um apartamento em Nova York e tinha patrimônio líquido de US$ 1,4 milhão (cerca de R$ 4,5 milhões atuais).

No documento, o dirigente não deixa claro se era dono do apartamento em Manhattan. Outros investigados na Operação Lava Jato usaram a mesma estratégia para legalizar bens no exterior, como os empresários Marco Antônio de Luca, Jacob Barata e o doleiro Renato Chebar. Ele afirmou em delação premiada ser "laranja" de Sérgio Cabral, ex-governador do Rio.

BARRAS DE OURO

Nuzman também ocultou das autoridades federais 16 barras de ouro mantidas num cofre na Suíça. Elas valem R$ 1,5 milhão e só foram declaradas à Receita Federal -por meio de uma declaração de retificação- após Nuzman ser intimado a depor na Operação "Unfair Play", em setembro.

Relatório da Receita mostra também que o patrimônio de Nuzman dobrou entre 2013 e 2014, início do ciclo olímpico dos Jogos no Rio.

Os dados revelam que o dirigente disse à Receita ter R$ 8,4 milhões em bens em 2014, o dobro dos R$ 4,2 milhões declarados no ano anterior. Em 2015, Nuzman informou às autoridades ter R$ 9,1 milhões em patrimônio, que foi reduzido ano passado para R$ 7,3 milhões -sem considerar R$ 1,8 milhão adicionados na declaração retificada.

A Procuradoria afirma que as declarações de imposto de renda de Nuzman não registram remuneração do comitê organizador da Olimpíada.

O dirigente justifica o crescimento patrimonial apenas com recebimentos de pessoas físicas e do exterior, sem outras informações.

"Enquanto atletas olímpicos buscavam a sua medalha de ouro, dirigentes guardavam suas barras de ouro na Suíça", disse a procuradora Fabiana Schneider.

A alteração na declaração às autoridades fiscais foi interpretada como uma tentativa de obstruir as investigações.

"Toda a receita dele está compatível com seus ganhos, declarada no seu imposto de renda. Essa é uma discussão de mérito, que pouco tem a ver com uma prisão sem a formalização de um processo", disse Nélio Machado, advogado de Nuzman. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade