Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Delação liga mais nomes à morte do engenheiro Sérgio Renato
Night e Cia.
Verinha pode não ser a mandante.

Terça, 6/11/2018 17:39.

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - A reportagem do Página 3 apurou que em depoimento ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), um dos acusados de envolvimento na morte do engenheiro Sérgio Renato Silva delatou outras pessoas que estariam acima da despachante Vera Lúcia da Luz, a “Verinha, até então apontada como líder da trama criminosa.

Teriam sido delatados de envolvimento pelo menos um construtor, que se beneficiou com a fraude de um projeto, um político da região que ocupa cargo eletivo e um parente dele.

Sérgio Renato, responsável pela aprovação de projetos na prefeitura de Balneário Camboriú até o final de 2016, foi morto em fevereiro de 2017 ao investigar a falsificação da sua assinatura em documentos de edifícios despachados em repartições públicas por “Verinha”.

Segundo foi possível apurar, a delação ainda não está homologada pelo juízo.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Delação liga mais nomes à morte do engenheiro Sérgio Renato

Night e Cia.
Verinha pode não ser a mandante.
Verinha pode não ser a mandante.
Terça, 6/11/2018 17:39.

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - A reportagem do Página 3 apurou que em depoimento ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), um dos acusados de envolvimento na morte do engenheiro Sérgio Renato Silva delatou outras pessoas que estariam acima da despachante Vera Lúcia da Luz, a “Verinha, até então apontada como líder da trama criminosa.

Teriam sido delatados de envolvimento pelo menos um construtor, que se beneficiou com a fraude de um projeto, um político da região que ocupa cargo eletivo e um parente dele.

Sérgio Renato, responsável pela aprovação de projetos na prefeitura de Balneário Camboriú até o final de 2016, foi morto em fevereiro de 2017 ao investigar a falsificação da sua assinatura em documentos de edifícios despachados em repartições públicas por “Verinha”.

Segundo foi possível apurar, a delação ainda não está homologada pelo juízo.

Publicidade

Publicidade