Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Em carta advogado que matou mulher alega surto psicótico

Quinta, 4/4/2019 4:56.

O advogado Paulo de Carvalho Souza, 42, que matou na quinta-feira a também advogada Lucimara Stasiak, 30 anos, e se entregou ontem após ficar cercado pela polícia durante 24 horas, escreveu uma carta onde alega ter agido sob surto psicótico.

Nessa carta ele confirma a desconfiança inicial da polícia que o crime teria ocorrido na quinta-feira.

Logo após o início do cerco policial o advogado ligou para a PM indagando o motivo de uma guarnição ter ido até seu apartamento na rua 3150.

Em novo contato, este feito pela PM, o homicida ao ser indagado sobre a companheira disse que ela estava bem, em Blumenau.

Questionado em nova ligação, admitiu que a companheira estava morta e passou a ameaçar suicídio, possivelmente para ganhar tempo e escapar do flagrante.

Ele não pode ser preso em flagrante por homicídio, mas o delegado o encarcerou por ocultação de cadáver.

O delegado arbitrou a fiança em R$ 50 mil e informou ao criminoso que irá pedir sua prisão preventiva. 

Um dos PMs que conduziu o homicida à delegacia testemunhou que o sujeito antes de se entregar quebrou uma lâmpada e comeu os cacos de vidro. Ele pode ter feito isso para forçar sua ida a um hospital e não para a cadeia.   

 

O homicida e sua vítima.
 

Veja o momento em que o delegado diz ao homicida que ele ficará preso

Veja o depoimento do PM que entregou o assassino na delegacia

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Em carta advogado que matou mulher alega surto psicótico

Publicidade

Quinta, 4/4/2019 4:56.

O advogado Paulo de Carvalho Souza, 42, que matou na quinta-feira a também advogada Lucimara Stasiak, 30 anos, e se entregou ontem após ficar cercado pela polícia durante 24 horas, escreveu uma carta onde alega ter agido sob surto psicótico.

Nessa carta ele confirma a desconfiança inicial da polícia que o crime teria ocorrido na quinta-feira.

Logo após o início do cerco policial o advogado ligou para a PM indagando o motivo de uma guarnição ter ido até seu apartamento na rua 3150.

Em novo contato, este feito pela PM, o homicida ao ser indagado sobre a companheira disse que ela estava bem, em Blumenau.

Questionado em nova ligação, admitiu que a companheira estava morta e passou a ameaçar suicídio, possivelmente para ganhar tempo e escapar do flagrante.

Ele não pode ser preso em flagrante por homicídio, mas o delegado o encarcerou por ocultação de cadáver.

O delegado arbitrou a fiança em R$ 50 mil e informou ao criminoso que irá pedir sua prisão preventiva. 

Um dos PMs que conduziu o homicida à delegacia testemunhou que o sujeito antes de se entregar quebrou uma lâmpada e comeu os cacos de vidro. Ele pode ter feito isso para forçar sua ida a um hospital e não para a cadeia.   

 

O homicida e sua vítima.
 

Veja o momento em que o delegado diz ao homicida que ele ficará preso

Veja o depoimento do PM que entregou o assassino na delegacia

Publicidade

Publicidade