Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Mãe luta e consegue escapar de sequestro, em Balneário Camboriú
Divulgação
O carro do sequestro caiu na vala e foi recuperado

Segunda, 12/8/2019 12:52.

Uma mulher foi rendida por três homens ao estacionar seu carro, um Hyundai/Santa Fe, na tarde de sexta-feira (9), na Rua 2.050, no centro de Balneário Camboriú. Com ela estava sua filha, uma criança. Ela reagiu, lutou e conseguiu sair do carro, fugindo de um possível sequestro. Os ladrões levaram o carro, que foi recuperado em Camboriú.

Os homens fugiram pela Terceira Avenida, em direção à BR-101 sentido Itajaí, mas abandonaram o veículo na altura do Bairro Várzea do Ranchinho, já em Camboriú, nas proximidades do posto Irmãos da Estrada, porque caíram em vala. Um bombeiro de folga presenciou a cena e conseguiu deter um dos envolvidos, um adolescente de 17 anos. A PM chegou a fazer rondas com o helicóptero Águia, mas os outros dois ladrões não foram localizados.

Reagir ou não reagir?

O policial militar Denício Rosa conversou com o Página 3 sobre o caso e contou que a mulher conseguiu se debater e fugiu com a filha, não ficando em momento algum no carro junto com o trio de ladrões. Ele salienta que a questão de reagir em um crime como o de roubo vai muito do instinto da pessoa, mas afirma que pode ser perigoso.

“Tem que avaliar, porque o recomendado é não reagir, mas não serve para uma mãe com uma criança dentro do carro. É óbvio que você vai reagir. Foi um ato heroico, de mãe. Ela tinha que tirar a menina dali, é um ato de vida ou morte, ela não vai deixar os criminosos levar a menina. Não se enquadra nela a recomendação de não reagir, penso assim”, explica.

Porém, Denício lembra que a regra sempre será não reagir por questões de que o bem material é possível ser recuperado, e a vida não.

“Ao reagir a um crime você está arriscando demais, porque o criminoso não está nem aí para a tua vida. Ele quer levar o que ele quer e deu, ele quer dinheiro, o bem para ele é melhor. Mesmo assim, pra ela não se enquadra essa regra, ela é mãe e estava com a filha dentro do carro”, acrescenta. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Mãe luta e consegue escapar de sequestro, em Balneário Camboriú

Divulgação
O carro do sequestro caiu na vala e foi recuperado
O carro do sequestro caiu na vala e foi recuperado

Publicidade

Segunda, 12/8/2019 12:52.

Uma mulher foi rendida por três homens ao estacionar seu carro, um Hyundai/Santa Fe, na tarde de sexta-feira (9), na Rua 2.050, no centro de Balneário Camboriú. Com ela estava sua filha, uma criança. Ela reagiu, lutou e conseguiu sair do carro, fugindo de um possível sequestro. Os ladrões levaram o carro, que foi recuperado em Camboriú.

Os homens fugiram pela Terceira Avenida, em direção à BR-101 sentido Itajaí, mas abandonaram o veículo na altura do Bairro Várzea do Ranchinho, já em Camboriú, nas proximidades do posto Irmãos da Estrada, porque caíram em vala. Um bombeiro de folga presenciou a cena e conseguiu deter um dos envolvidos, um adolescente de 17 anos. A PM chegou a fazer rondas com o helicóptero Águia, mas os outros dois ladrões não foram localizados.

Reagir ou não reagir?

O policial militar Denício Rosa conversou com o Página 3 sobre o caso e contou que a mulher conseguiu se debater e fugiu com a filha, não ficando em momento algum no carro junto com o trio de ladrões. Ele salienta que a questão de reagir em um crime como o de roubo vai muito do instinto da pessoa, mas afirma que pode ser perigoso.

“Tem que avaliar, porque o recomendado é não reagir, mas não serve para uma mãe com uma criança dentro do carro. É óbvio que você vai reagir. Foi um ato heroico, de mãe. Ela tinha que tirar a menina dali, é um ato de vida ou morte, ela não vai deixar os criminosos levar a menina. Não se enquadra nela a recomendação de não reagir, penso assim”, explica.

Porém, Denício lembra que a regra sempre será não reagir por questões de que o bem material é possível ser recuperado, e a vida não.

“Ao reagir a um crime você está arriscando demais, porque o criminoso não está nem aí para a tua vida. Ele quer levar o que ele quer e deu, ele quer dinheiro, o bem para ele é melhor. Mesmo assim, pra ela não se enquadra essa regra, ela é mãe e estava com a filha dentro do carro”, acrescenta. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade