Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Battisti admite pela 1ª vez atuação em assassinatos; Bolsonaro ataca esquerda
José Cruz/Agência Brasil.

Segunda, 25/3/2019 14:01.

CAROLINA LINHARES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O terrorista italiano Cesare Battisti, 64, extraditado à Itália em janeiro, admitiu em um depoimento à Justiça que foi responsável pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970 -quando militava no grupo Proletários Armados pelo Comunismo.

Foi a primeira vez que Battisti confessou os crimes pelos quais foi condenado à prisão perpétua na Itália.

No interrogatório, Battisti confessou que é responsável por quatro homicídios, três ferimentos graves e uma série de roubos. "Vou falar do que eu sou responsável e não vou falar de mais ninguém", disse o italiano segundo os meios de comunicação locais.

Battisti afirmou que, dos quatro assassinatos, foi o executor de dois. Ele ainda pediu desculpas às famílias das vítimas durante o interrogatório que durou nove horas.

Na década de 1980, o italiano fugiu do país, tendo vivido na França até 2004, quando veio ao Brasil.

Sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Battisti obteve status de refugiado político. O ex-presidente Michel Temer (MDB) decidiu extraditá-lo e obteve aval do STF (Supremo Tribunal Federal) em dezembro do ano passado.

O italiano, porém, fugiu mais uma vez, tendo sido encontrado em janeiro, na Bolívia, onde foi preso e extraditado para a Itália.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), que defendeu a extradição do italiano em sua campanha, afirmou nesta segunda-feira (25) pelas redes sociais que o Brasil não será mais "paraíso de bandidos". Ele também criticou a esquerda por ter abrigado o terrorista.

"Battisti, 'herói' da esquerda, que vivia colônia de férias no Brasil proporcionada e apoiada pelo governo do PT e suas linhas auxiliares (PSOL, PCdoB, MST), confessou pela primeira vez participação em quatro assassinatos quando integrou o grupo terrorista Proletários Armados pelo Comunismo", afirmou Bolsonaro.

"Por anos denunciei a proteção dada ao terrorista, aqui tratado como exilado político. Nas eleições, firmei o compromisso de mandá-lo de volta à Itália para que pagasse por seus crimes. A nova posição do Brasil é um recado ao mundo: não seremos mais o paraíso de bandidos!", completou.

Os assassinatos cometidos pelo PAC, grupo de luta armada de esquerda, sob responsabilidade de Battisti aconteceram entre 1977 e 1979.

Foram mortos o agente penitenciário Antonio Santoro, o joalheiro Pierluigi Torregiani, o açougueiro Lino Sabadin e o agente policial Andrea Campagna.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Economia

A queda no rendimento habitual gera um efeito negativo, em cascata, na economia.


Economia


Geral

Yoga, mantras, danças, vivências, terapias, massagem, oficinas, feirinha, almoço natural...


Economia

Secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida


Publicidade


Esportes


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral

 Evento objetiva fomentar o turismo através da observação de aves


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Battisti admite pela 1ª vez atuação em assassinatos; Bolsonaro ataca esquerda

José Cruz/Agência Brasil.

Publicidade

Segunda, 25/3/2019 14:01.

CAROLINA LINHARES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O terrorista italiano Cesare Battisti, 64, extraditado à Itália em janeiro, admitiu em um depoimento à Justiça que foi responsável pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970 -quando militava no grupo Proletários Armados pelo Comunismo.

Foi a primeira vez que Battisti confessou os crimes pelos quais foi condenado à prisão perpétua na Itália.

No interrogatório, Battisti confessou que é responsável por quatro homicídios, três ferimentos graves e uma série de roubos. "Vou falar do que eu sou responsável e não vou falar de mais ninguém", disse o italiano segundo os meios de comunicação locais.

Battisti afirmou que, dos quatro assassinatos, foi o executor de dois. Ele ainda pediu desculpas às famílias das vítimas durante o interrogatório que durou nove horas.

Na década de 1980, o italiano fugiu do país, tendo vivido na França até 2004, quando veio ao Brasil.

Sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Battisti obteve status de refugiado político. O ex-presidente Michel Temer (MDB) decidiu extraditá-lo e obteve aval do STF (Supremo Tribunal Federal) em dezembro do ano passado.

O italiano, porém, fugiu mais uma vez, tendo sido encontrado em janeiro, na Bolívia, onde foi preso e extraditado para a Itália.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), que defendeu a extradição do italiano em sua campanha, afirmou nesta segunda-feira (25) pelas redes sociais que o Brasil não será mais "paraíso de bandidos". Ele também criticou a esquerda por ter abrigado o terrorista.

"Battisti, 'herói' da esquerda, que vivia colônia de férias no Brasil proporcionada e apoiada pelo governo do PT e suas linhas auxiliares (PSOL, PCdoB, MST), confessou pela primeira vez participação em quatro assassinatos quando integrou o grupo terrorista Proletários Armados pelo Comunismo", afirmou Bolsonaro.

"Por anos denunciei a proteção dada ao terrorista, aqui tratado como exilado político. Nas eleições, firmei o compromisso de mandá-lo de volta à Itália para que pagasse por seus crimes. A nova posição do Brasil é um recado ao mundo: não seremos mais o paraíso de bandidos!", completou.

Os assassinatos cometidos pelo PAC, grupo de luta armada de esquerda, sob responsabilidade de Battisti aconteceram entre 1977 e 1979.

Foram mortos o agente penitenciário Antonio Santoro, o joalheiro Pierluigi Torregiani, o açougueiro Lino Sabadin e o agente policial Andrea Campagna.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade