Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Operação em Goiás mira ex-governador tucano e acha mala com RS 800 mil
EBC.

Quinta, 28/3/2019 12:01.

MARCELO TOLEDO
RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - Cinco pessoas foram presas temporariamente pela Polícia Federal nesta quinta-feira (28) numa operação em Goiás contra supostas fraudes em licitações e desvios de verbas da Saneago (Companhia de Saneamento de Goiás). Uma mala com cerca de R$ 800 mil foi apreendida na casa de um dos presos.

O ex-governador de Goiás José Eliton (PSDB) é um dos alvos dos oito mandados de busca e apreensão da Operação Decantação 2.
Segundo a Polícia Federal, as irregularidades foram cometidas por dirigentes da empresa de saneamento, empresários e agentes públicos entre 2012 e 2016.

Os mandados de prisão e de busca foram expedidos pela 11ª Vara Federal de Goiás. Foram presos Luiz Alberto de Oliveira (ex-chefe de gabinete), Gisella Silva de Oliveira Albuquerque (filha de Oliveira), Eduardo Pereira da Costa, Nilvane Tomás de Sousa Costa (ambos empresários) e Robson Borges Salazar (ex-diretor da Saneago).

A mala com R$ 800 mil estava na casa de Gisella. Mais R$ 1 milhão foi achado no carro de seu pai.

Além das prisões, a Justiça também determinou o bloqueio de 65 imóveis, avaliados em R$ 35 milhões.

A ação desta quinta-feira é reflexo de outra, de 2016, que descobriu desvio de R$ 4,5 milhões na companhia de saneamento, com indícios de direcionamento de licitação.

Ainda de acordo com a investigação, parte dos valores pagos no contrato eram enviados à chefia de gabinete do então governador, Marconi Perillo.

Já Eliton, segundo a Polícia Federal, teria usado, por diversas vezes, um avião que pertencia a uma das empresas beneficiadas pelos contratos.

Os envolvidos responderão pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção passiva e ativa, fraudes em processos licitatórios e lavagem de dinheiro.

A operação foi batizada de Decantação por ser o processo que separa elementos durante o tratamento da água. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Economia

A queda no rendimento habitual gera um efeito negativo, em cascata, na economia.


Economia


Geral

Yoga, mantras, danças, vivências, terapias, massagem, oficinas, feirinha, almoço natural...


Economia

Secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida


Publicidade


Esportes


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral

 Evento objetiva fomentar o turismo através da observação de aves


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Operação em Goiás mira ex-governador tucano e acha mala com RS 800 mil

EBC.

Publicidade

Quinta, 28/3/2019 12:01.

MARCELO TOLEDO
RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - Cinco pessoas foram presas temporariamente pela Polícia Federal nesta quinta-feira (28) numa operação em Goiás contra supostas fraudes em licitações e desvios de verbas da Saneago (Companhia de Saneamento de Goiás). Uma mala com cerca de R$ 800 mil foi apreendida na casa de um dos presos.

O ex-governador de Goiás José Eliton (PSDB) é um dos alvos dos oito mandados de busca e apreensão da Operação Decantação 2.
Segundo a Polícia Federal, as irregularidades foram cometidas por dirigentes da empresa de saneamento, empresários e agentes públicos entre 2012 e 2016.

Os mandados de prisão e de busca foram expedidos pela 11ª Vara Federal de Goiás. Foram presos Luiz Alberto de Oliveira (ex-chefe de gabinete), Gisella Silva de Oliveira Albuquerque (filha de Oliveira), Eduardo Pereira da Costa, Nilvane Tomás de Sousa Costa (ambos empresários) e Robson Borges Salazar (ex-diretor da Saneago).

A mala com R$ 800 mil estava na casa de Gisella. Mais R$ 1 milhão foi achado no carro de seu pai.

Além das prisões, a Justiça também determinou o bloqueio de 65 imóveis, avaliados em R$ 35 milhões.

A ação desta quinta-feira é reflexo de outra, de 2016, que descobriu desvio de R$ 4,5 milhões na companhia de saneamento, com indícios de direcionamento de licitação.

Ainda de acordo com a investigação, parte dos valores pagos no contrato eram enviados à chefia de gabinete do então governador, Marconi Perillo.

Já Eliton, segundo a Polícia Federal, teria usado, por diversas vezes, um avião que pertencia a uma das empresas beneficiadas pelos contratos.

Os envolvidos responderão pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção passiva e ativa, fraudes em processos licitatórios e lavagem de dinheiro.

A operação foi batizada de Decantação por ser o processo que separa elementos durante o tratamento da água. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade