Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Advogado diz que homicídio de idoso não teve a ver com política nem com dívida

Versão difere da registrada pela PM em Boletim de Ocorrência

Sábado, 30/11/2019 17:57.

Publicidade

O advogado Luiz Righetto que defende Fabio Leandro Schwindlein, 44 anos, acusado de matar na última quarta-feira Antônio Carlos Rodrigues Furtado, de 61 anos, disse hoje ao Página 3 que a briga não teve origem política e tampouco por causa de uma dívida, as duas versões divulgadas até o momento.

Segundo Righetto, a vítima incomodou diversas vezes seu cliente pedindo dinheiro o que levou a uma discussão seguida de agressão por parte da vítijma.

Fabio teria reagido, Antônio Carlos caiu no chão e teve um ataque cardíaco. “Foi legítima defesa” alegou Righetto.

O relato que a Polícia Militar distribuiu aos veículos de imprensa traz versão diversa da do advogado:

"Foi apurado por meio das testemunhas, B.S.R.R e J.O.R, que visualizaram da janela de seu estabelecimento comercial uma discussão entre a vítima do fato e F.L.S, 44 anos, autor do fato, o qual trabalha em um estacionamento em frente ao referido estabelecimento comercial.

As testemunhas B.S.R.R e J.O.R informaram que F.L.S estava muito alterado e proferindo palavras impróprias de cunho ofensivo à A.C.R.F.

Relataram que a vítima neste instante afastou-se de F.L.S, entretanto, a discussão continuou. A vítima foi para a calçada e em seguida, F.L.S iniciou com as agressões.

Após o ato, a vítima caiu no chão, e o autor continuou a agredí-lo. Em ato contínuo, a vítima levantou-se e pediu para cessar com a agressão, pedido este ignorado pelo autor do fato. Neste momento, a vítima caiu novamente no chão, desta vez, desacordado.

O autor F.L.S, relatou para guarnição que A.C.R.F. veio conversar com ele sobre política. Ambos se alteraram e as agressões iniciaram.

A viatura do SAMU também deslocou ao local e prestou atendimento a vítima que estava em parada cardíaca, entretanto, a vítima não resistiu e veio a óbito no local."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Advogado diz que homicídio de idoso não teve a ver com política nem com dívida

Versão difere da registrada pela PM em Boletim de Ocorrência

Publicidade

Sábado, 30/11/2019 17:57.

O advogado Luiz Righetto que defende Fabio Leandro Schwindlein, 44 anos, acusado de matar na última quarta-feira Antônio Carlos Rodrigues Furtado, de 61 anos, disse hoje ao Página 3 que a briga não teve origem política e tampouco por causa de uma dívida, as duas versões divulgadas até o momento.

Segundo Righetto, a vítima incomodou diversas vezes seu cliente pedindo dinheiro o que levou a uma discussão seguida de agressão por parte da vítijma.

Fabio teria reagido, Antônio Carlos caiu no chão e teve um ataque cardíaco. “Foi legítima defesa” alegou Righetto.

O relato que a Polícia Militar distribuiu aos veículos de imprensa traz versão diversa da do advogado:

"Foi apurado por meio das testemunhas, B.S.R.R e J.O.R, que visualizaram da janela de seu estabelecimento comercial uma discussão entre a vítima do fato e F.L.S, 44 anos, autor do fato, o qual trabalha em um estacionamento em frente ao referido estabelecimento comercial.

As testemunhas B.S.R.R e J.O.R informaram que F.L.S estava muito alterado e proferindo palavras impróprias de cunho ofensivo à A.C.R.F.

Relataram que a vítima neste instante afastou-se de F.L.S, entretanto, a discussão continuou. A vítima foi para a calçada e em seguida, F.L.S iniciou com as agressões.

Após o ato, a vítima caiu no chão, e o autor continuou a agredí-lo. Em ato contínuo, a vítima levantou-se e pediu para cessar com a agressão, pedido este ignorado pelo autor do fato. Neste momento, a vítima caiu novamente no chão, desta vez, desacordado.

O autor F.L.S, relatou para guarnição que A.C.R.F. veio conversar com ele sobre política. Ambos se alteraram e as agressões iniciaram.

A viatura do SAMU também deslocou ao local e prestou atendimento a vítima que estava em parada cardíaca, entretanto, a vítima não resistiu e veio a óbito no local."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade