Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
“Me senti muito honrado com o convite, Balneário é a minha terra”, diz novo delegado regional

Quarta, 2/9/2020 18:32.
Divulgação
Giancarlo Rossini

Publicidade

O novo delegado regional da Polícia Civil de Balneário Camboriú, Giancarlo Rossini assumiu o cargo no último dia 17, substituindo Fábio Osório que desde 2019 estava à frente da função. A reportagem do Página 3 conversou com o novo delegado que atua na instituição desde 1996.

“Balneário é a minha terra”

Até então Rossini atuava na Polícia Civil de Itajaí (2018-2020), mas antes disso trabalhou por seis anos em Itapema (2012-2018). Começou a sua carreira em 1996, em Blumenau. Ele já havia trabalhado em Balneário Camboriú, no cargo extinto de investigador policial. Ele conta que havia outras funções na época, e que hoje há somente três cargos: agente policial, escrivão e delegado.

“Me senti muito honrado com o convite, Balneário é a minha terra. Sou natural de Itajaí, mas sempre morei aqui, minha família também. É um desafio diferente, ser delegado regional, mas estou muito feliz. Meu plano é dar sequência ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelos delegados Fábio e David Queiroz (que ocupava o cargo antes de Fábio Osório), que fizeram excelentes gestões”, explica.

Projetos em andamento

O delegado salienta que há projetos em andamento das gestões passadas, citando a construção da nova Central de Plantão Policial, na Rua Inglaterra. O projeto será realizado com verba de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), mas ainda não há data certa para ele sair do papel. Quando acontecer, o antigo prédio será demolido. Porém, há reformas emergenciais que precisam ser feitas na atual estrutura.

“O ciclone-bomba destelhou uma parte do prédio, e como não sabemos quando o novo será construído, precisamos reformar o atual, pois os agentes precisam de condições para trabalhar. Como está hoje não dá para ficar”, afirma.

Também há tratativa para reformar a delegacia de Tijucas – que integra a regional de Balneário Camboriú, e o delegado cita as obras que foram realizadas na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Balneário, entregues ainda na gestão do delegado Osório.

“O cargo de delegado regional também engloba administrar as prestações de serviços, como emissão de documentos, licenciamentos e transferências de veículos, emissão de CNH. Também sou responsável pela administração de todas as delegacias e do setor de investigação criminal, a DIC. Exige um grande suporte”, pontua.

Integração com as forças da segurança continuará

Questionado sobre a integração com as demais forças da segurança da cidade, como Polícia Militar, Guarda Municipal, Instituto Geral de Perícias (IGP) e Corpo de Bombeiros, o delegado analisa que internamente há separação por organização, mas vê que para a população a segurança pública é um todo.

“Por isso, precisamos atuar de forma harmônica. Com certeza temos que manter o trabalho em conjunto, com o objetivo de aumentar a sensação de segurança, e expressá-la de forma efetiva. A troca de informações entre nós, PM e Guarda Municipal é essencial para a continuidade do trabalho”, afirma.

Boa parte dos crimes têm ligação com o tráfico

Rossini opina que a criminalidade vem crescendo como um todo, não só na região de Balneário como a nível nacional, citando as facções.

“O tráfico é um crime que precisa muito ser combatido. Os pequenos furtos acontecem principalmente pela necessidade do usuário em satisfazer seu vício. Os menores infratores também furtam e roubam e até traficam para trocar por certa quantia de drogas. Há grandes roubos de grupos criminosos que financiam o tráfico, porque querem dinheiro para comprar e então vender as drogas”, explica, afirmando que ‘no Brasil todo o movimento sempre está ao redor do tráfico, que é o negócio mais lucrativo hoje’.

O delegado também lembra que há outras ocorrências que precisam diminuir em Balneário, como a violência contra a mulher.

“Certamente atuaremos na repressão contra a violência doméstica. Todos os crimes são importantes e merecem atenção, como o estelionato. No litoral é muito comum o golpe do falso aluguel, principalmente na véspera do verão. Em Itajaí havia um problema sério também de furtos de fiação elétrica, houve final de semana com 15km de fios furtados da Celesc ou da prefeitura”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação
Giancarlo Rossini
Giancarlo Rossini

“Me senti muito honrado com o convite, Balneário é a minha terra”, diz novo delegado regional

Publicidade

Quarta, 2/9/2020 18:32.

O novo delegado regional da Polícia Civil de Balneário Camboriú, Giancarlo Rossini assumiu o cargo no último dia 17, substituindo Fábio Osório que desde 2019 estava à frente da função. A reportagem do Página 3 conversou com o novo delegado que atua na instituição desde 1996.

“Balneário é a minha terra”

Até então Rossini atuava na Polícia Civil de Itajaí (2018-2020), mas antes disso trabalhou por seis anos em Itapema (2012-2018). Começou a sua carreira em 1996, em Blumenau. Ele já havia trabalhado em Balneário Camboriú, no cargo extinto de investigador policial. Ele conta que havia outras funções na época, e que hoje há somente três cargos: agente policial, escrivão e delegado.

“Me senti muito honrado com o convite, Balneário é a minha terra. Sou natural de Itajaí, mas sempre morei aqui, minha família também. É um desafio diferente, ser delegado regional, mas estou muito feliz. Meu plano é dar sequência ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelos delegados Fábio e David Queiroz (que ocupava o cargo antes de Fábio Osório), que fizeram excelentes gestões”, explica.

Projetos em andamento

O delegado salienta que há projetos em andamento das gestões passadas, citando a construção da nova Central de Plantão Policial, na Rua Inglaterra. O projeto será realizado com verba de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), mas ainda não há data certa para ele sair do papel. Quando acontecer, o antigo prédio será demolido. Porém, há reformas emergenciais que precisam ser feitas na atual estrutura.

“O ciclone-bomba destelhou uma parte do prédio, e como não sabemos quando o novo será construído, precisamos reformar o atual, pois os agentes precisam de condições para trabalhar. Como está hoje não dá para ficar”, afirma.

Também há tratativa para reformar a delegacia de Tijucas – que integra a regional de Balneário Camboriú, e o delegado cita as obras que foram realizadas na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Balneário, entregues ainda na gestão do delegado Osório.

“O cargo de delegado regional também engloba administrar as prestações de serviços, como emissão de documentos, licenciamentos e transferências de veículos, emissão de CNH. Também sou responsável pela administração de todas as delegacias e do setor de investigação criminal, a DIC. Exige um grande suporte”, pontua.

Integração com as forças da segurança continuará

Questionado sobre a integração com as demais forças da segurança da cidade, como Polícia Militar, Guarda Municipal, Instituto Geral de Perícias (IGP) e Corpo de Bombeiros, o delegado analisa que internamente há separação por organização, mas vê que para a população a segurança pública é um todo.

“Por isso, precisamos atuar de forma harmônica. Com certeza temos que manter o trabalho em conjunto, com o objetivo de aumentar a sensação de segurança, e expressá-la de forma efetiva. A troca de informações entre nós, PM e Guarda Municipal é essencial para a continuidade do trabalho”, afirma.

Boa parte dos crimes têm ligação com o tráfico

Rossini opina que a criminalidade vem crescendo como um todo, não só na região de Balneário como a nível nacional, citando as facções.

“O tráfico é um crime que precisa muito ser combatido. Os pequenos furtos acontecem principalmente pela necessidade do usuário em satisfazer seu vício. Os menores infratores também furtam e roubam e até traficam para trocar por certa quantia de drogas. Há grandes roubos de grupos criminosos que financiam o tráfico, porque querem dinheiro para comprar e então vender as drogas”, explica, afirmando que ‘no Brasil todo o movimento sempre está ao redor do tráfico, que é o negócio mais lucrativo hoje’.

O delegado também lembra que há outras ocorrências que precisam diminuir em Balneário, como a violência contra a mulher.

“Certamente atuaremos na repressão contra a violência doméstica. Todos os crimes são importantes e merecem atenção, como o estelionato. No litoral é muito comum o golpe do falso aluguel, principalmente na véspera do verão. Em Itajaí havia um problema sério também de furtos de fiação elétrica, houve final de semana com 15km de fios furtados da Celesc ou da prefeitura”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade