Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Paratleta de Balneário Camboriú denuncia furto de cadeira de rodas

“Não é só uma cadeira de rodas, são as minhas pernas, o meu material de trabalho ..."

Quarta, 9/9/2020 12:14.
Divulgação

Publicidade

O paratleta de Balneário Camboriú, Ezequiel da Luz Geraldo, 36 anos, teve a sua cadeira de rodas furtada na manhã de terça-feira (8) na frente de sua casa, na Rua Dom Henrique, 1.120, no Bairro Iate Clube. O suspeito é um catador de recicláveis, que teria sido orientado que a cadeira pertencia a Ezequiel, mas mesmo assim levou o item.

Ezequiel, que é integrante do Instituto Catarinense de Esportes para Deficientes (ICED), conversou com o Página 3 e relatou que o crime aconteceu por volta das 8h30 de terça-feira, quando ele saiu com o seu carro para levar a avó de suas filhas ao trabalho – o que ele faz diariamente. “Quando eu voltei, a cadeira não estava mais onde eu havia deixado. Assim que parei o carro, o meu vizinho da casa da frente me falou que viu um rapaz colocando ela dentro de uma Ford/F-4000, com carroceria estendida, e que cata recicláveis. Meu vizinho disse que gritou para não levarem a cadeira, dizendo que era ‘dos meninos da cadeira de roda’, porque eu tenho um irmão que também é cadeirante, e a gente sempre deixa no mesmo lugar, na frente de casa”, diz.

O paratleta, que pratica handebol e natação, destaca que a situação é inusitada; ele, que é cadeirante há 16 anos, afirma nunca ter ouvido falar de um furto de cadeira de rodas.

“Não é só uma cadeira de rodas, são as minhas pernas, o meu material de trabalho, meu equipamento de treino, porque sou paratleta do ICED. Uso muito a cadeira, é minha amiga inseparável”, acrescenta.

Ezequiel espalhou alguns cartazes procurando pela cadeira, que na parte de trás tem o seu nome (ATLETA EZEQUIEL) junto com a academia que o patrocina, a MFC, que tem a logo na cor laranja.

“Se você souber alguma informação ou até mesmo se foi a pessoa que pegou a cadeira, eu quero dizer que está fazendo muita falta, faz parte do meu corpo e eu preciso dela”, completa.

Informações sobre a cadeira de rodas podem ser repassadas direto para Ezequiel (WhatsApp: (47) 9.9983-2403) ou para a Polícia Militar – 190.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação

Paratleta de Balneário Camboriú denuncia furto de cadeira de rodas

“Não é só uma cadeira de rodas, são as minhas pernas, o meu material de trabalho ..."

Publicidade

Quarta, 9/9/2020 12:14.

O paratleta de Balneário Camboriú, Ezequiel da Luz Geraldo, 36 anos, teve a sua cadeira de rodas furtada na manhã de terça-feira (8) na frente de sua casa, na Rua Dom Henrique, 1.120, no Bairro Iate Clube. O suspeito é um catador de recicláveis, que teria sido orientado que a cadeira pertencia a Ezequiel, mas mesmo assim levou o item.

Ezequiel, que é integrante do Instituto Catarinense de Esportes para Deficientes (ICED), conversou com o Página 3 e relatou que o crime aconteceu por volta das 8h30 de terça-feira, quando ele saiu com o seu carro para levar a avó de suas filhas ao trabalho – o que ele faz diariamente. “Quando eu voltei, a cadeira não estava mais onde eu havia deixado. Assim que parei o carro, o meu vizinho da casa da frente me falou que viu um rapaz colocando ela dentro de uma Ford/F-4000, com carroceria estendida, e que cata recicláveis. Meu vizinho disse que gritou para não levarem a cadeira, dizendo que era ‘dos meninos da cadeira de roda’, porque eu tenho um irmão que também é cadeirante, e a gente sempre deixa no mesmo lugar, na frente de casa”, diz.

O paratleta, que pratica handebol e natação, destaca que a situação é inusitada; ele, que é cadeirante há 16 anos, afirma nunca ter ouvido falar de um furto de cadeira de rodas.

“Não é só uma cadeira de rodas, são as minhas pernas, o meu material de trabalho, meu equipamento de treino, porque sou paratleta do ICED. Uso muito a cadeira, é minha amiga inseparável”, acrescenta.

Ezequiel espalhou alguns cartazes procurando pela cadeira, que na parte de trás tem o seu nome (ATLETA EZEQUIEL) junto com a academia que o patrocina, a MFC, que tem a logo na cor laranja.

“Se você souber alguma informação ou até mesmo se foi a pessoa que pegou a cadeira, eu quero dizer que está fazendo muita falta, faz parte do meu corpo e eu preciso dela”, completa.

Informações sobre a cadeira de rodas podem ser repassadas direto para Ezequiel (WhatsApp: (47) 9.9983-2403) ou para a Polícia Militar – 190.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade