Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Projeto das bicicletas e skates foi plagiado de outra cidade
Praça de Varginha. mostrando o E.T. de Varginha, personagem notório da história daquela cidade.

Quarta, 20/2/2013 9:11.

Apesar do repúdio da maioria das pessoas na audiência pública que discutiu o projeto que propõe penalizar ciclistas, skatistas etc, ontem na Câmara, o autor da proposta Nilson Probst se recusa a retirá-lo, mas aceita emendas.
 

 

A reportagem apurou que o projeto é plágio foi copiado na integra, praticamente letra por letra, de lei semelhante que existe no município de Varginha (MG).

 

O vereador Probst aparentemente não sentiu constrangimento em plagiar lei de outro município com realidade bem diferente da Balneário Camboriú. Por exemplo, Varginha tem mais de 95% do seu relevo ondulado ou montanhoso, enquanto que Balneário Camboriú é quase que totalmente plano.

 

 

Texto da lei de Varginha
(http://www.gcm.varginha.mg.gov.br/legislacao/leis/8379-transito-e-uso-de-bicicletas-skates-triciclos-patinetes-patins-e-similares-lei-no-4692.html)

LEI Nº 4.692
DISPÕE SOBRE O TRÂNSITO E USO DE BICICLETAS, SKATES, TRICICLOS, PATINETES, PATINS E SIMILARES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

O Povo do Município de Varginha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei,
Art. 1º O trânsito e o uso de bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares nas vias públicas do Município de Varginha, abertas à circulação, reger-se-ão por esta Lei.
Parágrafo único. Entende-se por vias públicas as ruas, avenidas, praças, estradas, caminhos ou passagens de domínio público.
Art. 2º Fica expressamente proibida a circulação de bicicletas, skate, triciclos, patinetes, patins e similares sobre calçadas, praças, passeios, canteiros e áreas ajardinadas, excetuando-se os equipamentos de uso de pessoas portadoras de necessidades especiais.
Parágrafo único. Fica permitido, em caráter de exceção, o uso de bicicletas de pequeno porte, nas praças e áreas ajardinadas com o objetivo de desenvolver a recreação infantil, assim como, a não aplicabilidade da proibição estipulada no caput deste artigo quando tratar-se de usuário que seja criança que não coloque em risco a integridade física dos usuários dos referidos espaços nem esteja causando prejuízo ao patrimônio público.
Art. 3º O trânsito de bicicletas, nas vias públicas, obedecerá as seguintes regras gerais:
I – a circulação far-se-á sempre do lado direito da via, admitidas às excessões devidamente justificadas e sinalizadas;
II – o ciclista deverá conduzir sua bicicleta com a atenção e os cuidados indispensáveis à segurança do trânsito e conduzi-la pela direita da pista junto à guia da calçada (meio fio) ou acostamento, mantendo-se em fila única, quando em grupo, mesmo que houver faixa especial à elas destinadas;
III – diante de escolas, logradouros estreitos, local de embarque e desembarque, ou onde haja grande movimentação de pedestres, deverá o ciclista transitar em velocidade compatível com a segurança;
IV – obedecer à sinalização;
V – guardar distância de segurança da bicicleta e do veículo que seguir imediatamente em frente.
Parágrafo único. O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direito e deveres.
Art. 4º É proibido a todo condutor de bicicleta:
I – desobedecer ao sinal fechado ou parada obrigatória, prosseguindo na marcha;
II – transitar pela contramão de direção e em passeios, bem como, no interior de praças e jardins;
III – forçar passagem entre veículos que, transitando em sentidos opostos, estejam na iminência de passar um pelo outro;
IV – transitar em sentido oposto ao estabelecido para via, desde que devidamente sinalizada;
V – disputar corrida por espírito de Emulação;
VI – transitar com bicicleta em mau estado de conservação e segurança;
VII – conduzir a sua bicicleta a pé ou sobre ela, em estado de embriaguez.
Art. 5º A inobservância de qualquer preceito estabelecido nesta Lei, será considerado como infração, sujeitando o infrator as seguintes penalidades:
I – advertência;
II – apreensão da bicicleta, skate, triciclo, patinete, patins ou similar;
III – multa.
§ 1º A aplicação das penalidades previstas nesta Lei não exonera o infrator das sanções civis e penais cabíveis.
§ 2º A advertência será aplicada verbalmente pela autoridade competente quando em face das circunstâncias entender involuntária e sem gravidade a infração.
Art. 6º Fica a Administração Pública Municipal de Varginha autorizada a fazer as apreensões, no caso de transgressão à presente Lei, recolhendo as bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares para local próprio que definirá, ficando a mesma responsável por sua guarda e liberação.
Parágrafo único. As bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares apreendidos serão identificados e relacionados em guia própria, cuja cópia será fornecida ao infrator.
Art. 7º A liberação dos objetos apreendidos far-se-á mediante o pagamento de multa de R$ 38,00 (trinta e oito reais), dobrada no caso de reincidências.
§ 1º O valor arrecadado com as multas pagas pelos infratores do disposto nesta Lei será destinado à Autarquia Municipal “Guarda Municipal de Varginha”.
§ 2º O infrator terá prazo de 30 (trinta) dias para pagamento da multa, a ser efetuada na agência bancária indicada pelo órgão arrecadador, sob pena de perdimento do objeto apreendido.
§ 3º O valor da multa base deverá ser corrido anualmente pelo índice oficial de correção adotado pela Administração Municipal.
Art. 8º A fiscalização e a aplicação das penalidades previstas nesta Lei serão de competência dos integrantes da Guarda Municipal de Varginha.
Art. 9º Fica o Chefe do Poder Executivo Municipal autorizado, caso necessário, a celebrar convênio de mútua colaboração com as Polícias Civil e Militar do Estado de Minas Gerais para o fiel cumprimento desta Lei.
Art. 10. As despesas oriundas da execução desta Lei correrão à conta de dotações orçamentárias próprias, consignadas nos orçamentos anuais do Município.
Art. 11. As matérias não disciplinadas nesta Lei serão objetos de regulamentação, através de Decreto do Chefe do Executivo Municipal.
Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, especialmente a Lei Municipal nº 4.028/2004.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução desta Lei pertencer, que a cumpram e a façam cumprir, tão inteiramente como nela se contém.
Prefeitura do Município de Varginha, 17 de outubro de 2007; 125º da Emancipação Político-Administrativa do Município.

MAURO TADEU TEIXEIRA
PREFEITO MUNICIPAL

PAULA ANDRÉA DIRENE RIBEIRO
SECRETÁRIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO


 

Projeto do vereador Probst

Dispõe sobre o trânsito e usos de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares, e dá outras providencias.

Art. 1°. O trânsito e o uso de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares nas vias públicas do Município de Balneário Camboriú, abertas a circulação, reger-se-ão por esta lei.

Parágrafo único: Entende-se por vias públicas, as ruas, avenidas, estradas, praças, caminhos ou passagens de domínio público.

Art. 2°. Fica expressamente proibida a circulação de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares sobre calçadas, praças, passeios, canteiros e áreas ajardinadas, excetuando-se os equipamentos de uso de pessoas portadoras de necessidades especiais.

Parágrafo único: Fica permitido, em caráter de exceção, o uso de bicicletas de pequeno porte nas praças e áreas ajardinadas com o objetivo de desenvolver a recreação infantil, assim como a não aplicabilidade da proibição estipulada no “caput” deste artigo quando se tratar de usuário que seja criança que não coloque em risco a integridade física dos usuários dos referidos espaços, nem esteja causando prejuízo ao patrimônio público.

Art. 3°. O trânsito de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares nas vias públicas, obedecerá as seguintes regras:

I – o condutor de qualquer dos equipamentos constantes do artigo 1° desta lei, deverá conduzir o mesmo em área destinada ao seu trânsito, ou seja, em ciclovias;

II – o condutor deverá conduzir seu equipamento com a atenção e os cuidados indispensáveis a segurança do trânsito, e conduzi-lo, quando não houver ciclovia, pela direita da pista junto a guia da calçada ou acostamento, mantendo-se em fila única, quando em grupo, mesmo que haja faixa especial a elas destinadas.

III – diante de escolas, logradouros estreitos, local onde haja grande movimentação de pedestres, deverá o condutor transitar em velocidade compatível com a segurança.

IV – obedecer a sinalização;

V – guardar distância de segurança do veículo que seguir imediatamente a frente.

Parágrafo único: O condutor desmontado, com bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares, equipara-se a pedestre em direitos e deveres.

Art. 4°. É proibido a todo condutor destes equipamentos acima descritos:

I – desobedecer ao sinal fechado ou parada obrigatória;

II – transitar pela contra-mão de direção;

III – transitar fora da ciclovia quando houver trecho com esta finalidade;

IV – forçar passagem entre veículos que, transitando em sentidos opostos estejam na iminencia de passar um pelo outro;

V – transitar em sentido oposto ao estabelecido para a via, desde que devidamente sinalizada;

VI – transitar fazendo manobras nas vias públicas.

Art. 5°. A inobservância de qualquer preceito estabelecido nesta Lei será considerado como infração, sujeitando o infrator as seguintes penalidades:

I – advertencia;

II – apreensão da bicicleta, skate, triciclo, patinete motorizado, patins e similares;

III – multa.

$ 1°. A aplicação das penalidades previstas nesta Lei não exonera o infrator das sanções civis e penais cabíveis.

$ 2°. A advertencia será aplicada verbalmente pela autoridade competente quando em face das circunstâncias entender involuntária e sem gravidade a infração.

Parágrafo único: O valor da multa será definido pelo Poder Executivo Municipal.

Art. 6°. Fica a Administração Pública Municipal autorizada a fazer as apreensões caso haja transgressão a presente Lei, recolhendo as bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares para o local próprio que definirá, ficando a mesma responsável por sua guarda e liberação.

Parágrafo único: As bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares apreendidos serão identificados e relacionados em guia própria, cuja cópia será fornecida ao infrator.

Art. 7°. A liberação dos objetos apreendidos far-se-ão mediante o pagamento de multa no valor a ser definido pelo Poder Executivo Municipal.

Parágrafo único: em caso de reincidencia, o valor da multa para liberação do objeto será o dobro do valor original.

Art. 8°. O infrator terá o prazo de 30 (trinta) dias para o pagamento da multa, a ser efetuada em agencia bancária indicada pelo órgão arrecadador, sob de perdimento do objeto apreendido.

Art. 9°. O valor arrecadado com as multas pagas pelos infratores será destinado a Secretaria de Gestão em Segurança e Incolumidade Pública Municipal, cujo valor deverá ser revertido para a compra de equipamentos e outros investimentos para os Agentes de Trânsito e Guardas Municipais.

Art. 10. A fiscalização e a aplicação das penalidades previstas nesta Lei serão de competencia dos Agentes de Trânsito bem como da Guarda Municipal de Balneário Camboriú.

Parágrafo único: Fica o chefe do Poder Executivo Municipal autorizado a celebrar convenio de mútua colaboração com as Polícias Civil e Militar do Estado de Santa Catarina para o fiel cumprimento desta Lei.

Art. 11. As matérias não disciplinadas nesta Lei serão objetos de regulamentação, através de Decreto do Chefe do Executivo Municipal.

Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

VEREADOR NILSON FREDERICO PROBST
BANCADA PMDB
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Projeto das bicicletas e skates foi plagiado de outra cidade

Praça de Varginha. mostrando o E.T. de Varginha, personagem notório da história daquela cidade.
Praça de Varginha. mostrando o E.T. de Varginha, personagem notório da história daquela cidade.

Publicidade

Quarta, 20/2/2013 9:11.

Apesar do repúdio da maioria das pessoas na audiência pública que discutiu o projeto que propõe penalizar ciclistas, skatistas etc, ontem na Câmara, o autor da proposta Nilson Probst se recusa a retirá-lo, mas aceita emendas.
 

 

A reportagem apurou que o projeto é plágio foi copiado na integra, praticamente letra por letra, de lei semelhante que existe no município de Varginha (MG).

 

O vereador Probst aparentemente não sentiu constrangimento em plagiar lei de outro município com realidade bem diferente da Balneário Camboriú. Por exemplo, Varginha tem mais de 95% do seu relevo ondulado ou montanhoso, enquanto que Balneário Camboriú é quase que totalmente plano.

 

 

Texto da lei de Varginha
(http://www.gcm.varginha.mg.gov.br/legislacao/leis/8379-transito-e-uso-de-bicicletas-skates-triciclos-patinetes-patins-e-similares-lei-no-4692.html)

LEI Nº 4.692
DISPÕE SOBRE O TRÂNSITO E USO DE BICICLETAS, SKATES, TRICICLOS, PATINETES, PATINS E SIMILARES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

O Povo do Município de Varginha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei,
Art. 1º O trânsito e o uso de bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares nas vias públicas do Município de Varginha, abertas à circulação, reger-se-ão por esta Lei.
Parágrafo único. Entende-se por vias públicas as ruas, avenidas, praças, estradas, caminhos ou passagens de domínio público.
Art. 2º Fica expressamente proibida a circulação de bicicletas, skate, triciclos, patinetes, patins e similares sobre calçadas, praças, passeios, canteiros e áreas ajardinadas, excetuando-se os equipamentos de uso de pessoas portadoras de necessidades especiais.
Parágrafo único. Fica permitido, em caráter de exceção, o uso de bicicletas de pequeno porte, nas praças e áreas ajardinadas com o objetivo de desenvolver a recreação infantil, assim como, a não aplicabilidade da proibição estipulada no caput deste artigo quando tratar-se de usuário que seja criança que não coloque em risco a integridade física dos usuários dos referidos espaços nem esteja causando prejuízo ao patrimônio público.
Art. 3º O trânsito de bicicletas, nas vias públicas, obedecerá as seguintes regras gerais:
I – a circulação far-se-á sempre do lado direito da via, admitidas às excessões devidamente justificadas e sinalizadas;
II – o ciclista deverá conduzir sua bicicleta com a atenção e os cuidados indispensáveis à segurança do trânsito e conduzi-la pela direita da pista junto à guia da calçada (meio fio) ou acostamento, mantendo-se em fila única, quando em grupo, mesmo que houver faixa especial à elas destinadas;
III – diante de escolas, logradouros estreitos, local de embarque e desembarque, ou onde haja grande movimentação de pedestres, deverá o ciclista transitar em velocidade compatível com a segurança;
IV – obedecer à sinalização;
V – guardar distância de segurança da bicicleta e do veículo que seguir imediatamente em frente.
Parágrafo único. O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direito e deveres.
Art. 4º É proibido a todo condutor de bicicleta:
I – desobedecer ao sinal fechado ou parada obrigatória, prosseguindo na marcha;
II – transitar pela contramão de direção e em passeios, bem como, no interior de praças e jardins;
III – forçar passagem entre veículos que, transitando em sentidos opostos, estejam na iminência de passar um pelo outro;
IV – transitar em sentido oposto ao estabelecido para via, desde que devidamente sinalizada;
V – disputar corrida por espírito de Emulação;
VI – transitar com bicicleta em mau estado de conservação e segurança;
VII – conduzir a sua bicicleta a pé ou sobre ela, em estado de embriaguez.
Art. 5º A inobservância de qualquer preceito estabelecido nesta Lei, será considerado como infração, sujeitando o infrator as seguintes penalidades:
I – advertência;
II – apreensão da bicicleta, skate, triciclo, patinete, patins ou similar;
III – multa.
§ 1º A aplicação das penalidades previstas nesta Lei não exonera o infrator das sanções civis e penais cabíveis.
§ 2º A advertência será aplicada verbalmente pela autoridade competente quando em face das circunstâncias entender involuntária e sem gravidade a infração.
Art. 6º Fica a Administração Pública Municipal de Varginha autorizada a fazer as apreensões, no caso de transgressão à presente Lei, recolhendo as bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares para local próprio que definirá, ficando a mesma responsável por sua guarda e liberação.
Parágrafo único. As bicicletas, skates, triciclos, patinetes, patins e similares apreendidos serão identificados e relacionados em guia própria, cuja cópia será fornecida ao infrator.
Art. 7º A liberação dos objetos apreendidos far-se-á mediante o pagamento de multa de R$ 38,00 (trinta e oito reais), dobrada no caso de reincidências.
§ 1º O valor arrecadado com as multas pagas pelos infratores do disposto nesta Lei será destinado à Autarquia Municipal “Guarda Municipal de Varginha”.
§ 2º O infrator terá prazo de 30 (trinta) dias para pagamento da multa, a ser efetuada na agência bancária indicada pelo órgão arrecadador, sob pena de perdimento do objeto apreendido.
§ 3º O valor da multa base deverá ser corrido anualmente pelo índice oficial de correção adotado pela Administração Municipal.
Art. 8º A fiscalização e a aplicação das penalidades previstas nesta Lei serão de competência dos integrantes da Guarda Municipal de Varginha.
Art. 9º Fica o Chefe do Poder Executivo Municipal autorizado, caso necessário, a celebrar convênio de mútua colaboração com as Polícias Civil e Militar do Estado de Minas Gerais para o fiel cumprimento desta Lei.
Art. 10. As despesas oriundas da execução desta Lei correrão à conta de dotações orçamentárias próprias, consignadas nos orçamentos anuais do Município.
Art. 11. As matérias não disciplinadas nesta Lei serão objetos de regulamentação, através de Decreto do Chefe do Executivo Municipal.
Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, especialmente a Lei Municipal nº 4.028/2004.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução desta Lei pertencer, que a cumpram e a façam cumprir, tão inteiramente como nela se contém.
Prefeitura do Município de Varginha, 17 de outubro de 2007; 125º da Emancipação Político-Administrativa do Município.

MAURO TADEU TEIXEIRA
PREFEITO MUNICIPAL

PAULA ANDRÉA DIRENE RIBEIRO
SECRETÁRIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO


 

Projeto do vereador Probst

Dispõe sobre o trânsito e usos de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares, e dá outras providencias.

Art. 1°. O trânsito e o uso de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares nas vias públicas do Município de Balneário Camboriú, abertas a circulação, reger-se-ão por esta lei.

Parágrafo único: Entende-se por vias públicas, as ruas, avenidas, estradas, praças, caminhos ou passagens de domínio público.

Art. 2°. Fica expressamente proibida a circulação de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares sobre calçadas, praças, passeios, canteiros e áreas ajardinadas, excetuando-se os equipamentos de uso de pessoas portadoras de necessidades especiais.

Parágrafo único: Fica permitido, em caráter de exceção, o uso de bicicletas de pequeno porte nas praças e áreas ajardinadas com o objetivo de desenvolver a recreação infantil, assim como a não aplicabilidade da proibição estipulada no “caput” deste artigo quando se tratar de usuário que seja criança que não coloque em risco a integridade física dos usuários dos referidos espaços, nem esteja causando prejuízo ao patrimônio público.

Art. 3°. O trânsito de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares nas vias públicas, obedecerá as seguintes regras:

I – o condutor de qualquer dos equipamentos constantes do artigo 1° desta lei, deverá conduzir o mesmo em área destinada ao seu trânsito, ou seja, em ciclovias;

II – o condutor deverá conduzir seu equipamento com a atenção e os cuidados indispensáveis a segurança do trânsito, e conduzi-lo, quando não houver ciclovia, pela direita da pista junto a guia da calçada ou acostamento, mantendo-se em fila única, quando em grupo, mesmo que haja faixa especial a elas destinadas.

III – diante de escolas, logradouros estreitos, local onde haja grande movimentação de pedestres, deverá o condutor transitar em velocidade compatível com a segurança.

IV – obedecer a sinalização;

V – guardar distância de segurança do veículo que seguir imediatamente a frente.

Parágrafo único: O condutor desmontado, com bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares, equipara-se a pedestre em direitos e deveres.

Art. 4°. É proibido a todo condutor destes equipamentos acima descritos:

I – desobedecer ao sinal fechado ou parada obrigatória;

II – transitar pela contra-mão de direção;

III – transitar fora da ciclovia quando houver trecho com esta finalidade;

IV – forçar passagem entre veículos que, transitando em sentidos opostos estejam na iminencia de passar um pelo outro;

V – transitar em sentido oposto ao estabelecido para a via, desde que devidamente sinalizada;

VI – transitar fazendo manobras nas vias públicas.

Art. 5°. A inobservância de qualquer preceito estabelecido nesta Lei será considerado como infração, sujeitando o infrator as seguintes penalidades:

I – advertencia;

II – apreensão da bicicleta, skate, triciclo, patinete motorizado, patins e similares;

III – multa.

$ 1°. A aplicação das penalidades previstas nesta Lei não exonera o infrator das sanções civis e penais cabíveis.

$ 2°. A advertencia será aplicada verbalmente pela autoridade competente quando em face das circunstâncias entender involuntária e sem gravidade a infração.

Parágrafo único: O valor da multa será definido pelo Poder Executivo Municipal.

Art. 6°. Fica a Administração Pública Municipal autorizada a fazer as apreensões caso haja transgressão a presente Lei, recolhendo as bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares para o local próprio que definirá, ficando a mesma responsável por sua guarda e liberação.

Parágrafo único: As bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados, patins e similares apreendidos serão identificados e relacionados em guia própria, cuja cópia será fornecida ao infrator.

Art. 7°. A liberação dos objetos apreendidos far-se-ão mediante o pagamento de multa no valor a ser definido pelo Poder Executivo Municipal.

Parágrafo único: em caso de reincidencia, o valor da multa para liberação do objeto será o dobro do valor original.

Art. 8°. O infrator terá o prazo de 30 (trinta) dias para o pagamento da multa, a ser efetuada em agencia bancária indicada pelo órgão arrecadador, sob de perdimento do objeto apreendido.

Art. 9°. O valor arrecadado com as multas pagas pelos infratores será destinado a Secretaria de Gestão em Segurança e Incolumidade Pública Municipal, cujo valor deverá ser revertido para a compra de equipamentos e outros investimentos para os Agentes de Trânsito e Guardas Municipais.

Art. 10. A fiscalização e a aplicação das penalidades previstas nesta Lei serão de competencia dos Agentes de Trânsito bem como da Guarda Municipal de Balneário Camboriú.

Parágrafo único: Fica o chefe do Poder Executivo Municipal autorizado a celebrar convenio de mútua colaboração com as Polícias Civil e Militar do Estado de Santa Catarina para o fiel cumprimento desta Lei.

Art. 11. As matérias não disciplinadas nesta Lei serão objetos de regulamentação, através de Decreto do Chefe do Executivo Municipal.

Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

VEREADOR NILSON FREDERICO PROBST
BANCADA PMDB
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade