Jornal Página 3

Governo brasileiro culpa Maduro por mortes em protestos na Venezuela
Reprodução.
O ditador venezuelano caracterizado como nazista.
O ditador venezuelano caracterizado como nazista.

(FOLHAPRESS) - O Ministério das Relações Exteriores atribuiu nesta quinta-feira (19) ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, a "responsabilidade primária" pelas três mortes nas manifestações da oposição ao chavista na quarta (18).

"A responsabilidade primária pela violência cabe ao governo venezuelano, por tratar a liberdade de expressão e de opinião como ameaça e por incentivar a ação armada contra manifestações", diz o comunicado.

O Itamaraty condenou a repressão aos protestos, que considera ter como objetivo a "defesa da restauração das liberdades democráticas", lamentou as mortes e prestou condolências aos familiares das vítimas.

"O Brasil reitera a exortação ao governo venezuelano para que atue com moderação, de forma a criar as condições para a pacificação e para o diálogo".

O governo de Michel Temer também voltou a defender a convocação imediata das eleições regionais, previstas para dezembro, o reconhecimento da independência dos poderes e a libertação dos opositores presos.

As proposições e a aceitação de ajuda humanitária são os pontos do diálogo entre Maduro e seus adversários para resolver a crise política, mediado no ano passado pelo Vaticano e por ex-dirigentes de três países.

As medidas passaram a ser pedidas por governos de países das Américas e pela União Europeia. As conversas, no entanto, foram interrompidas em dezembro e ambos os lados não mostram disposição a voltar às negociações.

A oposição também encampou as exigências do diálogo. Já o presidente considera que seus rivais se aliaram aos Estados Unidos e países da região que se opõem a seu governo para dar um golpe de Estado.

PROTESTOS

Os protestos desta quarta foram os maiores e mais abrangentes desde o início da onda de manifestações, iniciada há três semanas depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) tentou tirar os poderes da Assembleia Nacional.

Desde o início da mobilização dos opositores, nove pessoas morreram: cinco manifestantes, um guarda nacional e outras três pessoas sem relação com os protestos. Mais de 500 pessoas ficaram feridas.

A oposição voltou às ruas de Caracas nesta quinta e novamente foi impedida de prosseguir pelas forças de segurança. O número de manifestantes, porém, foi menor, assim como os locais onde eles se mobilizaram. 


Sexta, 21/4/2017 6:07.
Publicidade


Seu Dinheiro

Opção para quem deve é parcelar em até 48 meses  


Negócios

Fatma deverá analisar estudo ambiental apresentado ontem 


Esportes

Nesta quarta Associação será homenageada na Câmara de Vereadores


Entrevista

Mulheres que passaram por tratamento de câncer podem engravidar  


Cultura

Diversos títulos à venda e apresentações para os pequenos


Cultura

Concerto tem entrada franca


Cidade


Empregos

Com terceirização os 157 contratados poderão ser mantidos no emprego. Veja as vagas disponíveis.


Cidade

Navio já chegou com passageiros de 14 nacionalidades e 1.283 tripulantes 


Publicidade

Projetos têm nomes de árvores nativas e podem ser adequados ao gosto dos clientes


Publicidade