Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, diz futuro chanceler

Ditador não é bem vindo no Brasil

Domingo, 16/12/2018 11:33.
EBC.
Ditador Nicolás Maduro.

Publicidade

(FOLHAPRESS) - O futuro ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, disse que o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, não foi convidado para a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, marcada para 1º de janeiro.

"Em respeito ao povo venezuelano, não convidamos Nicolás Maduro para a posse do PR Bolsonaro. Não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira. Todos os países do mundo devem deixar de apoiá-lo e unir-se para libertar a Venezuela", publicou no Twitter.

A Venezuela enfrenta uma grave crise econômica. A cada dia, 5.000 pessoas deixam o país. A expectativa é que a inflação atinja mais de 1.000.000% em 2018.

Em outubro, o governo venezuelano enviou felicitações ao Brasil pela realização da eleição presidencial e pediu a Bolsonaro para "retomar o caminho das relações diplomáticas de respeito, harmonia, progresso e integração regional".

Em 10 de janeiro, Maduro iniciará um novo mandato, previsto para durar até 2025. Ele foi reeleito em maio deste ano, numa eleição cuja legitimidade foi contestada dentro e fora do país. O ditador está no poder desde 2013 e assumiu após a morte do presidente Hugo Chávez, de quem era vice.

Maduro esteve na posse de Dilma Rousseff em 2015. Na posse do segundo mandato da ex-presidente, vieram também os presidentes José Mujica (Uruguai), Michelle Bachelet (Chile), Evo Morales (Bolívia) e Horácio Cartes (Paraguai), além dos vice-presidentes Joe Biden (EUA) e Li Yuanchao (China).

Na celebração do início do primeiro mandato de Dilma, em 2011, Chávez esteve presente. O evento teve ainda nomes como Hillary Clinton, então secretária de Estado dos EUA. e do príncipe Filipe de Bourbon, atual rei da Espanha.

Em 2003, na posse do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Chávez também veio a Brasília, assim como o ditador cubano Fidel Castro (1926-2016). A festa teve representantes de 117 países, incluindo os primeiros-ministros da Suécia e da Guiné-Bissau.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.
Ditador Nicolás Maduro.
Ditador Nicolás Maduro.

Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, diz futuro chanceler

Ditador não é bem vindo no Brasil

Publicidade

Domingo, 16/12/2018 11:33.

(FOLHAPRESS) - O futuro ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, disse que o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, não foi convidado para a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, marcada para 1º de janeiro.

"Em respeito ao povo venezuelano, não convidamos Nicolás Maduro para a posse do PR Bolsonaro. Não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira. Todos os países do mundo devem deixar de apoiá-lo e unir-se para libertar a Venezuela", publicou no Twitter.

A Venezuela enfrenta uma grave crise econômica. A cada dia, 5.000 pessoas deixam o país. A expectativa é que a inflação atinja mais de 1.000.000% em 2018.

Em outubro, o governo venezuelano enviou felicitações ao Brasil pela realização da eleição presidencial e pediu a Bolsonaro para "retomar o caminho das relações diplomáticas de respeito, harmonia, progresso e integração regional".

Em 10 de janeiro, Maduro iniciará um novo mandato, previsto para durar até 2025. Ele foi reeleito em maio deste ano, numa eleição cuja legitimidade foi contestada dentro e fora do país. O ditador está no poder desde 2013 e assumiu após a morte do presidente Hugo Chávez, de quem era vice.

Maduro esteve na posse de Dilma Rousseff em 2015. Na posse do segundo mandato da ex-presidente, vieram também os presidentes José Mujica (Uruguai), Michelle Bachelet (Chile), Evo Morales (Bolívia) e Horácio Cartes (Paraguai), além dos vice-presidentes Joe Biden (EUA) e Li Yuanchao (China).

Na celebração do início do primeiro mandato de Dilma, em 2011, Chávez esteve presente. O evento teve ainda nomes como Hillary Clinton, então secretária de Estado dos EUA. e do príncipe Filipe de Bourbon, atual rei da Espanha.

Em 2003, na posse do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Chávez também veio a Brasília, assim como o ditador cubano Fidel Castro (1926-2016). A festa teve representantes de 117 países, incluindo os primeiros-ministros da Suécia e da Guiné-Bissau.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade