Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Vereador propõe ler a Constituição em vez da Bíblia antes das sessões legislativas

Sexta, 9/11/2018 9:36.
Reprodução/Facebook

Publicidade

O vereador de Balneário Camboriú Lucas Gotardo (PSB)acaba de colocar no ar uma enquete para saber a opinião do público sobre a leitura obrigatória da Bíblia antes de iniciar a sessão ordinária na Câmara.

A obrigatoriedade está expressa no Regimento Interno da casa legislativa. A inclusão da leitura da Bíblia, é no entanto relativamente nova no Regimento, foi incluída em 2015.

“O que me entristeceu foram os julgamentos sem que as pessoas refletissem sobre a ideia. Não se trata de forma alguma da discussão sobre a importância da Bíblia ou da religiosidade para Balneário Camboriú e para o Brasil. A Bíblia contempla mensagens magníficas e as igrejas têm feitos fantásticos, sendo mais eficientes que muitas secretarias de assistência social espalhadas pelo Brasil. A questão não é essa. O ponto é fundamentalmente a liberdade religiosa e a liberdade de consciência. Uma enormidade de pessoas, ainda que não representem a maioria, não acreditam na mesma divindade ou não têm religiosidade e essas pessoas não podem ser simplesmente ignoradas. Democracia não é ditadura da maioria. Essa discussão serve unicamente para exercitar um dos princípios mais caros do regime democrático, a liberdade. Por fim, importante dizer que o projeto fala apenas do início das sessões, onde há a obrigatoriedade da leitura. Os parlamentares poderão continuar lendo o que quiserem, inclusive a Bíblia, no momento de sua fala (tema livre). E mais do que ler a Bíblia, seria importante por em prática de seus ensinamentos, em especial aqueles deixados por Jesus", declarou o vereador.

A enquete

A enquete pergunta se o internauta é a favor ou contra a troca da leitura de um trecho da Bíblia por um trecho da constituição?

Depois de encerrado o prazo de votação do público, e dependendo do resultado, o vereador vai discutir com a sua equipe se leva a proposta à Câmara ou não.

Até o fechamento desta matéria, a maioria era a favor da mudança. Clique aqui para acessar e votar.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução/Facebook

Vereador propõe ler a Constituição em vez da Bíblia antes das sessões legislativas

Publicidade

Sexta, 9/11/2018 9:36.

O vereador de Balneário Camboriú Lucas Gotardo (PSB)acaba de colocar no ar uma enquete para saber a opinião do público sobre a leitura obrigatória da Bíblia antes de iniciar a sessão ordinária na Câmara.

A obrigatoriedade está expressa no Regimento Interno da casa legislativa. A inclusão da leitura da Bíblia, é no entanto relativamente nova no Regimento, foi incluída em 2015.

“O que me entristeceu foram os julgamentos sem que as pessoas refletissem sobre a ideia. Não se trata de forma alguma da discussão sobre a importância da Bíblia ou da religiosidade para Balneário Camboriú e para o Brasil. A Bíblia contempla mensagens magníficas e as igrejas têm feitos fantásticos, sendo mais eficientes que muitas secretarias de assistência social espalhadas pelo Brasil. A questão não é essa. O ponto é fundamentalmente a liberdade religiosa e a liberdade de consciência. Uma enormidade de pessoas, ainda que não representem a maioria, não acreditam na mesma divindade ou não têm religiosidade e essas pessoas não podem ser simplesmente ignoradas. Democracia não é ditadura da maioria. Essa discussão serve unicamente para exercitar um dos princípios mais caros do regime democrático, a liberdade. Por fim, importante dizer que o projeto fala apenas do início das sessões, onde há a obrigatoriedade da leitura. Os parlamentares poderão continuar lendo o que quiserem, inclusive a Bíblia, no momento de sua fala (tema livre). E mais do que ler a Bíblia, seria importante por em prática de seus ensinamentos, em especial aqueles deixados por Jesus", declarou o vereador.

A enquete

A enquete pergunta se o internauta é a favor ou contra a troca da leitura de um trecho da Bíblia por um trecho da constituição?

Depois de encerrado o prazo de votação do público, e dependendo do resultado, o vereador vai discutir com a sua equipe se leva a proposta à Câmara ou não.

Até o fechamento desta matéria, a maioria era a favor da mudança. Clique aqui para acessar e votar.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade