Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Vereadores pressionarão prefeito para extinguir lei que é boa contra poluição

Síndicos lotaram o plenário da Câmara para pedir o fim da Lei 4260

Terça, 20/8/2019 9:02.
Júlia Peixoto.
Síndicos lotaram a Câmara

Publicidade

Mais de uma centena de síndicos compareceram ontem à Câmara de Vereadores para pedir a revogação da lei que obriga os edifícios a apresentarem Declaração de Regularidade Sanitária.

Essa lei, de fevereiro deste ano, prevê uma multa pequena (R$ 304,00) para os que não apresentarem a declaração no prazo de 180 dias.

A Lei 4260 é mais uma das armas que a administração municipal usa para tentar reverter a poluição das águas, em especial do rio Marambaia, pois se todos os prédios revisarem seus sistemas de esgoto a tendência é reduzir as ligações clandestinas.

Os síndicos alegam que não podem se responsabilizar por todos os moradores do prédio e ficariam expostos a pedidos de indenização se o condomínio for multado por esgoto irregular.

A multa para poluição por esgoto chega a R$ 3.040,00 por apartamento e já houve casos de edifícios serem autuados em mais de R$ 150 mil.

Vários vereadores, pressionados pela plateia de síndicos, disseram que votarão para revogar a lei.

O vereador Lucas Gotardo, que intermediou a reunião a pedido dos síndicos, propôs a construção de um projeto em conjunto com os colegas pedindo a revogação da legislação - proposta aprovada pelo público presente. Ele reconhece a necessidade de fiscalização sanitária, em prol do meio ambiente, mas defende que a aplicação da política pública seja reavaliada.

Cabe esperar para ver se o prefeito Fabrício Oliveira sustentará suas próprias ideias já que se trata de uma lei positiva para a proteção do ambiente natural.

Para os síndicos evitarem a responsabilização bastaria vistoriar a rede de esgoto do edifício e proibir obras de hidráulica sem a devida supervisão.

Charels Camargo 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Política

Decisão vai impactar a região, mas Estado ainda não se manifestou


Opinião

"Com estes valores, nenhuma unidade de saúde consegue se manter como PORTA ABERTA"


Geral


Cidade

Prefeitura é dona de terreno, próximo ao local, que poderia receber o Mercado


Política

O vereador aproveitou que estava em Brasília pra falar sobre o saneamento básico de Camboriú


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Vereadores pressionarão prefeito para extinguir lei que é boa contra poluição

Júlia Peixoto.
Síndicos lotaram a Câmara
Síndicos lotaram a Câmara

Publicidade

Terça, 20/8/2019 9:02.

Mais de uma centena de síndicos compareceram ontem à Câmara de Vereadores para pedir a revogação da lei que obriga os edifícios a apresentarem Declaração de Regularidade Sanitária.

Essa lei, de fevereiro deste ano, prevê uma multa pequena (R$ 304,00) para os que não apresentarem a declaração no prazo de 180 dias.

A Lei 4260 é mais uma das armas que a administração municipal usa para tentar reverter a poluição das águas, em especial do rio Marambaia, pois se todos os prédios revisarem seus sistemas de esgoto a tendência é reduzir as ligações clandestinas.

Os síndicos alegam que não podem se responsabilizar por todos os moradores do prédio e ficariam expostos a pedidos de indenização se o condomínio for multado por esgoto irregular.

A multa para poluição por esgoto chega a R$ 3.040,00 por apartamento e já houve casos de edifícios serem autuados em mais de R$ 150 mil.

Vários vereadores, pressionados pela plateia de síndicos, disseram que votarão para revogar a lei.

O vereador Lucas Gotardo, que intermediou a reunião a pedido dos síndicos, propôs a construção de um projeto em conjunto com os colegas pedindo a revogação da legislação - proposta aprovada pelo público presente. Ele reconhece a necessidade de fiscalização sanitária, em prol do meio ambiente, mas defende que a aplicação da política pública seja reavaliada.

Cabe esperar para ver se o prefeito Fabrício Oliveira sustentará suas próprias ideias já que se trata de uma lei positiva para a proteção do ambiente natural.

Para os síndicos evitarem a responsabilização bastaria vistoriar a rede de esgoto do edifício e proibir obras de hidráulica sem a devida supervisão.

Charels Camargo 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade