Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
'Disso eu não falo', diz general Heleno sobre candidatos laranjas do PSL

Terça, 12/2/2019 16:09.
Antonio Cruz/ Agência Brasil
General Augusto Heleno, ministro chefe do GSI

Publicidade

(FOLHAPRESS)

O general Augusto Heleno, ministro chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo Bolsonaro, recusou-se nesta terça-feira (12) a falar sobre o caso dos candidatos laranjas do PSL. "Isso é outro problema, disso eu não falo. Bom dia", afirmou o ministro em São Paulo.

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo deste domingo (10) revelou que o grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, criou uma candidata laranja em Pernambuco que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

Maria de Lourdes Paixão, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país, mais do que o próprio presidente Jair Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milhão de votos.

O dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da eleição. Na época, o hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, era presidente interino da legenda e coordenador da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), com foco em discurso de ética e combate à corrupção.

Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo havia publicado que o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, patrocinou um esquema de candidaturas de fachada em Minas que também receberam recursos volumosos do fundo eleitoral do PSL nacional e que não tiveram nem 2.000 votos, juntas. Parte do gasto que elas declararam foram para empresas com ligação com o gabinete de Álvaro Antônio na Câmara.

Após essa revelação sobre o ministro do Turismo, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que esse caso deveria ser investigado.

Hospitalizado, o presidente Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre o tema. Ele tem feito declarações por meio de redes sociais, mas não comentou o assunto até o momento.

O ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justiça, afirmou, também sobre o colega de ministério, que o caso será apurado "se surgir a necessidade".

SÍNODO

Augusto Heleno, que representou o governo federal no velório do jornalista Ricardo Boechat, chamou de "completamente infundada" a informação de que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) iria monitorar membros da Igreja Católica.

O jornal O Estado de S. Paulo noticiou que o governo brasileiro monitora com preocupação a organização do Sínodo, em outubro, e que pediria ajuda à Itália para travar a exploração de temas da Igreja que considera ligados à esquerda.

"A preocupação com o sínodo é uma preocupação real porque o sínodo tem uma pauta que ele vai desenvolver e alguns assuntos dessa pauta são de interesse de segurança nacional. Então acaba preocupando, preocupando a Abin e o GSI. Mas em nenhum momento eu falei em espionar ninguém."

"Quem cuida da Amazônia brasileira é o Brasil. Não tem que ter palpite de ONG estrangeira, não tem que ter palpite de chefe de estado estrangeiro. Quem cuida da Amazônia brasileira é o Brasil."

"[O sínodo] Quer falar de terra indígena de terra indígena, quer falar de exploração, de plantação, quer falar de distribuição de terra. Isso são assuntos do Brasil. O Brasil não dá palpite no deserto do Saara, na floresta das Ardenas, no Alasca. Cada país cuida da sua soberania. Eu estou preocupado que o sínodo não entre em assuntos que são afetos à Amazônia brasileira."

"A gente fica engolindo umas coisas que não tem que engolir. Às vezes a gente esquece que é a nona economia do mundo, que é um país soberano, independente. Isso a gente precisa deixar claro. Nessas horas a gente precisa deixar claro."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Antonio Cruz/ Agência Brasil
General Augusto Heleno, ministro chefe do GSI
General Augusto Heleno, ministro chefe do GSI

'Disso eu não falo', diz general Heleno sobre candidatos laranjas do PSL

Publicidade

Terça, 12/2/2019 16:09.

(FOLHAPRESS)

O general Augusto Heleno, ministro chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo Bolsonaro, recusou-se nesta terça-feira (12) a falar sobre o caso dos candidatos laranjas do PSL. "Isso é outro problema, disso eu não falo. Bom dia", afirmou o ministro em São Paulo.

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo deste domingo (10) revelou que o grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, criou uma candidata laranja em Pernambuco que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

Maria de Lourdes Paixão, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país, mais do que o próprio presidente Jair Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milhão de votos.

O dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da eleição. Na época, o hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, era presidente interino da legenda e coordenador da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), com foco em discurso de ética e combate à corrupção.

Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo havia publicado que o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, patrocinou um esquema de candidaturas de fachada em Minas que também receberam recursos volumosos do fundo eleitoral do PSL nacional e que não tiveram nem 2.000 votos, juntas. Parte do gasto que elas declararam foram para empresas com ligação com o gabinete de Álvaro Antônio na Câmara.

Após essa revelação sobre o ministro do Turismo, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que esse caso deveria ser investigado.

Hospitalizado, o presidente Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre o tema. Ele tem feito declarações por meio de redes sociais, mas não comentou o assunto até o momento.

O ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justiça, afirmou, também sobre o colega de ministério, que o caso será apurado "se surgir a necessidade".

SÍNODO

Augusto Heleno, que representou o governo federal no velório do jornalista Ricardo Boechat, chamou de "completamente infundada" a informação de que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) iria monitorar membros da Igreja Católica.

O jornal O Estado de S. Paulo noticiou que o governo brasileiro monitora com preocupação a organização do Sínodo, em outubro, e que pediria ajuda à Itália para travar a exploração de temas da Igreja que considera ligados à esquerda.

"A preocupação com o sínodo é uma preocupação real porque o sínodo tem uma pauta que ele vai desenvolver e alguns assuntos dessa pauta são de interesse de segurança nacional. Então acaba preocupando, preocupando a Abin e o GSI. Mas em nenhum momento eu falei em espionar ninguém."

"Quem cuida da Amazônia brasileira é o Brasil. Não tem que ter palpite de ONG estrangeira, não tem que ter palpite de chefe de estado estrangeiro. Quem cuida da Amazônia brasileira é o Brasil."

"[O sínodo] Quer falar de terra indígena de terra indígena, quer falar de exploração, de plantação, quer falar de distribuição de terra. Isso são assuntos do Brasil. O Brasil não dá palpite no deserto do Saara, na floresta das Ardenas, no Alasca. Cada país cuida da sua soberania. Eu estou preocupado que o sínodo não entre em assuntos que são afetos à Amazônia brasileira."

"A gente fica engolindo umas coisas que não tem que engolir. Às vezes a gente esquece que é a nona economia do mundo, que é um país soberano, independente. Isso a gente precisa deixar claro. Nessas horas a gente precisa deixar claro."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade