Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Poluído há mais de 40 anos Canal do Marambaia virou arma política

Também existem interesses econômicos envolvidos

Terça, 26/2/2019 7:36.
Ivan Rupp.
Poluído há décadas pela população, o Marambaia é alvo de outros interesses que não o ambiental.

Publicidade

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - O Canal do Marambaia, que nasce na Rua 2450 e deságua na Barra Norte, cortando quase todo o Centro da cidade, é poluído há mais de 40 anos, mas nos últimos meses se tornou bandeira de movimentos legítimos de cidadania e outros que visam vantagens econômicas e políticas.

Desde que as primeiras casas começaram a surgir em Balneário Camboriú, parte do esgoto foi direcionado para o Canal.

O primeiro registro confiável de poluição no pontal norte foi feito pela Fatma no verão de 1997 -quando já existia rede de esgoto no Centro- e apontou quantidade de coliformes fecais igual à verificada neste verão, ou seja, há 22 anos a poluição tem a mesma intensidade e é altíssima.

Em 2017 a Emasa contratou um consultor que indicou a construção de uma estação de tratamento de esgoto para o Canal do Marambaia.

O projeto não foi adiante, mas um grupo se organizou e passou a exigir estridentemente a obra.

No verão, integrantes desse grupo desfilaram pela praia central dizendo que estava poluída e que as pessoas não deveriam se banhar no mar.

Dentre os que seguravam cartazes, estava um hoteleiro que dias antes tivera seu estabelecimento multado por jogar esgoto no canal.

Ao longo do ano passado o programa se Liga na Rede identificou que um terço dos imóveis na região do Canal do Marambaia tem algum tipo de irregularidade no esgoto.

Dias atrás surgiu um novo movimento, liderado por André Guimarães Rodrigues, adversário da administração municipal porque deseja construir um porto para grandes navios na Barra Sul e o prefeito atual não concorda.

André criou um grupo de Whatsapp sobre o Canal do Marambaia do qual exigiu que se retirassem participantes que simpatizam ou tenham afinidade com o governo do município.

Parece bizarro alguém que deseja construir algo com enorme potencial de impacto ambiental, um porto numa região como a Barra Sul, defendendo bandeiras ambientais na outra ponta da mesma praia.

É previsível que com a proximidade do ano eleitoral os discursos em defesa do meio ambiente aumentem e a dificuldade para o cidadão que deseja ver as águas mais limpas e menos fedorentas é distinguir o oportunismo da intenção real.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Ivan Rupp.
Poluído há décadas pela população, o Marambaia é alvo de outros interesses que não o ambiental.
Poluído há décadas pela população, o Marambaia é alvo de outros interesses que não o ambiental.

Poluído há mais de 40 anos Canal do Marambaia virou arma política

Também existem interesses econômicos envolvidos

Publicidade

Terça, 26/2/2019 7:36.

(WALDEMAR CEZAR NETO/JP3) - O Canal do Marambaia, que nasce na Rua 2450 e deságua na Barra Norte, cortando quase todo o Centro da cidade, é poluído há mais de 40 anos, mas nos últimos meses se tornou bandeira de movimentos legítimos de cidadania e outros que visam vantagens econômicas e políticas.

Desde que as primeiras casas começaram a surgir em Balneário Camboriú, parte do esgoto foi direcionado para o Canal.

O primeiro registro confiável de poluição no pontal norte foi feito pela Fatma no verão de 1997 -quando já existia rede de esgoto no Centro- e apontou quantidade de coliformes fecais igual à verificada neste verão, ou seja, há 22 anos a poluição tem a mesma intensidade e é altíssima.

Em 2017 a Emasa contratou um consultor que indicou a construção de uma estação de tratamento de esgoto para o Canal do Marambaia.

O projeto não foi adiante, mas um grupo se organizou e passou a exigir estridentemente a obra.

No verão, integrantes desse grupo desfilaram pela praia central dizendo que estava poluída e que as pessoas não deveriam se banhar no mar.

Dentre os que seguravam cartazes, estava um hoteleiro que dias antes tivera seu estabelecimento multado por jogar esgoto no canal.

Ao longo do ano passado o programa se Liga na Rede identificou que um terço dos imóveis na região do Canal do Marambaia tem algum tipo de irregularidade no esgoto.

Dias atrás surgiu um novo movimento, liderado por André Guimarães Rodrigues, adversário da administração municipal porque deseja construir um porto para grandes navios na Barra Sul e o prefeito atual não concorda.

André criou um grupo de Whatsapp sobre o Canal do Marambaia do qual exigiu que se retirassem participantes que simpatizam ou tenham afinidade com o governo do município.

Parece bizarro alguém que deseja construir algo com enorme potencial de impacto ambiental, um porto numa região como a Barra Sul, defendendo bandeiras ambientais na outra ponta da mesma praia.

É previsível que com a proximidade do ano eleitoral os discursos em defesa do meio ambiente aumentem e a dificuldade para o cidadão que deseja ver as águas mais limpas e menos fedorentas é distinguir o oportunismo da intenção real.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade