Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Em encontro com secretário dos EUA, Bolsonaro discute crise na Venezuela
EBC.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.

Quarta, 2/1/2019 13:58.

TALITA FERNANDES E GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em encontro no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, discutiram nesta quarta-feira (2) medidas de cooperação para tentar solucionar a crise na Venezuela.

O país vizinho enfrenta um cenário de instabilidade política e econômica com a gestão do ditador Nicolás Maduro. Como consequência, o número de imigrantes venezuelanos por países da América Latina e EUA aumentou.

No Brasil, há um fluxo constante de entrada dos estrangeiros pela fronteira com Roraima, o que sobrecarregou os serviços públicos como educação, saúde e segurança no Estado.

Bolsonaro tem posicionamento crítico à gestão de Maduro e já afirmou que não pretende manter relações com o país vizinho. Quando questionado sobre a situação migratória, já deu declarações contraditórias e ainda não deixou claro qual política seu governo adotará em relação aos venezuelanos que chegam no país.

Bolsonaro teve a manhã do primeiro dia de trabalho como presidente dedicado à agenda internacional. Além de Pompeo, ele recebeu representantes de outros três países: Portugal, Hungria e China.

A agenda no Palácio do Planalto começou com as transmissões de cargos dos ministros palacianos: Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral), Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Na sequência, Bolsonaro recebeu Pompeo ao lado do chanceler Ernesto Araújo. Estiveram no encontro os ministros Fernando Azevedo (Defesa) e Heleno. O secretário-geral do Itamaraty, Otávio Brandelli, também participou.

Pelos americanos, estiveram Mark Green, administrador da Agência para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), William Popp, encarregado de negócios da Embaixada dos EUA em Brasília, Julia Chung, subsecretária geral adjunta para assuntos do Hemisfério Ocidental, e Mauricio Claver-Carone, assessor especial do diretor do Conselho Nacional de Segurança.

Após encontro com Araújo, antes de ir ao Planalto, Pompeo disse que os EUA pretendem "aprofundar a cooperação [com o Brasil] em questões de segurança e trabalhar conjuntamente contra regimes autoritários no mundo".

O secretário americano veio ao Brasil para a posse de Bolsonaro, e já embarcou de volta a seu país após os encontros desta quarta-feira.

Desde o período eleitoral, o presidente elogia Trump e defende uma aproximação entre os dois países. Em novembro, o assessor de segurança da Casa Branca, John Bolton, esteve no Brasil e reuniu-se com Bolsonaro no Rio de Janeiro.

No mesmo mês, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente, também foi a Washington e a Nova York, onde se reuniu com empresários e políticos locais.

Bolsonaro também recebeu nesta quarta o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, que reforçou a importância de um acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

"A posição portuguesa é a seguinte: independente das posições de política externa de cada país, o pragmatismo obriga que é útil que além das relações bilaterais também instrumentos de acordos multilaterais, que, mesmo sem conteúdo ideológico, mesmo sem debate doutrinário, possam facilitar as exportações, o comércio, a circulação econômica e financeira. E neste ponto o pragmatismo é importante nas relações entre países", disse.

Ele afirmou ter tratado também de questões migratórias envolvendo os dois países.

Bolsonaro recebeu ainda o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, e o Vice-Presidente do Parlamento Chinês, Ji Bingxuan.

Em rede social, ele agradeceu o apoio do presidente do Chile, Sebastián Piñera, que compareceu à posse, e do argentino Mauricio Macri.

"Obrigado por suas palavras, presidente. Sem dúvida, Brasil e Argentina vão caminhar juntos em direções diferentes às dos últimos governos. Um grande abraço!", escreveu em espanhol. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Seria um negócio imobiliário bastante vantajoso. Cidade continuará recebendo navios de cruzeiro.


Cidade

“Tem que ver se não é um problema de gestão deles”, dispara referindo-se aos hoteleiros  


Opinião


Opinião

"Não tente enrolar um brasileiro divulgando uma coisa e entregando outra" 


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Em encontro com secretário dos EUA, Bolsonaro discute crise na Venezuela

EBC.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.
Quarta, 2/1/2019 13:58.

TALITA FERNANDES E GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em encontro no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, discutiram nesta quarta-feira (2) medidas de cooperação para tentar solucionar a crise na Venezuela.

O país vizinho enfrenta um cenário de instabilidade política e econômica com a gestão do ditador Nicolás Maduro. Como consequência, o número de imigrantes venezuelanos por países da América Latina e EUA aumentou.

No Brasil, há um fluxo constante de entrada dos estrangeiros pela fronteira com Roraima, o que sobrecarregou os serviços públicos como educação, saúde e segurança no Estado.

Bolsonaro tem posicionamento crítico à gestão de Maduro e já afirmou que não pretende manter relações com o país vizinho. Quando questionado sobre a situação migratória, já deu declarações contraditórias e ainda não deixou claro qual política seu governo adotará em relação aos venezuelanos que chegam no país.

Bolsonaro teve a manhã do primeiro dia de trabalho como presidente dedicado à agenda internacional. Além de Pompeo, ele recebeu representantes de outros três países: Portugal, Hungria e China.

A agenda no Palácio do Planalto começou com as transmissões de cargos dos ministros palacianos: Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral), Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Na sequência, Bolsonaro recebeu Pompeo ao lado do chanceler Ernesto Araújo. Estiveram no encontro os ministros Fernando Azevedo (Defesa) e Heleno. O secretário-geral do Itamaraty, Otávio Brandelli, também participou.

Pelos americanos, estiveram Mark Green, administrador da Agência para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), William Popp, encarregado de negócios da Embaixada dos EUA em Brasília, Julia Chung, subsecretária geral adjunta para assuntos do Hemisfério Ocidental, e Mauricio Claver-Carone, assessor especial do diretor do Conselho Nacional de Segurança.

Após encontro com Araújo, antes de ir ao Planalto, Pompeo disse que os EUA pretendem "aprofundar a cooperação [com o Brasil] em questões de segurança e trabalhar conjuntamente contra regimes autoritários no mundo".

O secretário americano veio ao Brasil para a posse de Bolsonaro, e já embarcou de volta a seu país após os encontros desta quarta-feira.

Desde o período eleitoral, o presidente elogia Trump e defende uma aproximação entre os dois países. Em novembro, o assessor de segurança da Casa Branca, John Bolton, esteve no Brasil e reuniu-se com Bolsonaro no Rio de Janeiro.

No mesmo mês, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente, também foi a Washington e a Nova York, onde se reuniu com empresários e políticos locais.

Bolsonaro também recebeu nesta quarta o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, que reforçou a importância de um acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

"A posição portuguesa é a seguinte: independente das posições de política externa de cada país, o pragmatismo obriga que é útil que além das relações bilaterais também instrumentos de acordos multilaterais, que, mesmo sem conteúdo ideológico, mesmo sem debate doutrinário, possam facilitar as exportações, o comércio, a circulação econômica e financeira. E neste ponto o pragmatismo é importante nas relações entre países", disse.

Ele afirmou ter tratado também de questões migratórias envolvendo os dois países.

Bolsonaro recebeu ainda o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, e o Vice-Presidente do Parlamento Chinês, Ji Bingxuan.

Em rede social, ele agradeceu o apoio do presidente do Chile, Sebastián Piñera, que compareceu à posse, e do argentino Mauricio Macri.

"Obrigado por suas palavras, presidente. Sem dúvida, Brasil e Argentina vão caminhar juntos em direções diferentes às dos últimos governos. Um grande abraço!", escreveu em espanhol. 

Publicidade

Publicidade