Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Acabou a doutrinação de crianças e adolescentes, diz Damares em posse
EBC.

Quinta, 3/1/2019 5:36.

DANIEL CARVALHO E RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em um auditório lotado por ativistas que gritavam "aleluia" e "glória a Deus", a pastora evangélica Damares Alves tomou posse nesta quarta-feira (2) como ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Fez um discurso emocionado em que disse que não haverá mais "doutrinação ideológica" de crianças e adolescentes, que "menina será princesa e menino será príncipe" e criticou setores da imprensa, sem especificá-los.

"Um dos desafios é acabar com o abuso da doutrinação ideológica. Acabou a doutrinação ideológica de crianças e adolescentes no Brasil", afirmou ao falar da defesa de jovens.

Em quase uma hora de fala, Damares exaltou mais de uma vez sua fé. "O Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã e, por ser cristã, acredito nos designos de Deus", afirmou a nova titular da pasta que chamou de "mais extraordinário e lindo ministério".

Damares afirmou que os programas de governo não vão acabar em quatro anos porque o presidente Jair Bolsonaro "não precisa jogar para a galera", já que não pretende disputar a reeleição.

Ela disse que, no governo Bolsonaro, todas as políticas públicas serão construídas com base na família e que seu ministério dará assessoramento a outras pastas.

"Muitas pessoas no Brasil estão perguntando: precisava no Brasil de um Ministério da Família? Sim, gente. O governo Bolsonaro vem com uma outra perspectiva. Todas as políticas públicas neste país terão que ser construídas com base na família. [...] Não dá mais para pensar em políticas públicas sem pensar no fortalecimento da família."

Damares citou que programas como o Enem acabam separando as famílias, já que um jovem pode ser aprovado em faculdade em outro estado. Questionada sobre o exame na saída, ela não respondeu. Sua secretária da Mulher, Angela Gandra Martins, disse que não há previsão de mudanças na prova.

Damares disse que "sangue inocente não será mais derramado neste país" e que nenhuma denúncia de violência contra mulher será ignorada.

"As mulheres terão prioridade neste ministério. Lutaremos para que não sejam tratadas como massa de manobra. As brasileiras terão voz e serão escutadas por este governo. Somos o quinto país no mundo em feminicídio. Que vergonha. Chega de violência contra a mulher nesta nação."

Disse que seu ministério seria "da família", "seja qual for a sua configuração". "Eu e minha filha somos família. Nada vai tirar de nós este vínculo. Todas a configurações familiares neste Brasil serão respeitadas", afirmou.

A ministra negou que a população LGBT tenha ficado de fora das diretrizes do ministério e garantiu que os direitos estão garantidos.

"Vamos lutar contra todos os tipos de violência e preconceito nesta nação, inclusive LGBTI [...] Nenhum direito conquistado pela comunidade LGBTI será violado".

No entanto, a ministra reforçou a diferença de gênero. "Neste governo, menina será princesa e menino será príncipe. Ninguém vai nos impedir de chamar nossas meninas de princesa e nossos meninos de príncipe", declarou.

Ao comentar o abuso que sofreu na infância e a passagem em que diz ter visto Jesus ao subir numa goiabeira, criticou a imprensa. Reclamou de "alguns jornalistas" várias vezes ao longo do discurso. "Houve alguns ruídos. Na verdade tudo que essa ministra fala vira ruído no Brasil e até o que é escrito sobre a ministra também vira ruído".

"Minha história não foi respeitada por muitos meios de comunicação", afirmou. "Minha crença virou chacota e também motivo de risadas. Tive minha história compartilhada com escárnio." E completou, sendo aplaudida de pé: "Tenho meu consolador e, queiram vocês ou não, ele sobe em pé de goiaba".

A ministra disse que todos os servidores de sua pasta aprenderão a linguagem brasileira de sinais nos seis primeiros meses.

Por mais de uma vez, Damares falou que ela e sua filha foram ameaçadas de morte e que, por isso, a jovem não compareceu. Na semana passada, um grupo investigado pela Polícia Federal por suposta ligação com uma bomba caseira encontrada no entorno de Brasília disse ao site Metrópoles, do DF, que a ministra poderia ser alvo de ataques.

Damares recebeu os cumprimentos em cima do palco e saiu cercada por assessores e ao menos um segurança. O cerimonial informou aos que aguardavam a volta da ministra que, por questões de segurança, ela não retornaria ao auditório.

A ministra também apresentou os titulares das oito secretarias que integrarão a pasta: Criança e Adolescente, Juventude, Mulher, Família, Idoso, Pessoa com Deficiência, Proteção Global e Igualdade Racial. Embora a Funai seja ligada ao ministério, seu titular não foi anunciado. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

 São cerca de 150 pontos em apenas 6,5 Km de praia 


Geral

Foi sugerida a possibilidade de uma comissão ou o próprio município realizar a gestão provisoriamente


Cidade

 Edifício Itajaí, na rua Max Doose


Cidade


Publicidade


Geral

Será nesta sexta-feira, dia 22, em Balneário Camboriú


Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cultura

Evento será realizado a partir das 20h, com entrada e distribuição gratuita


Policia

Parte dos R$ 9,8 milhões foi recuperada. As buscas continuam em Balneário Camboriú e Itajaí


Publicidade


Política

Objetivo do vereador era tumultuar o processo


Geral

Evento é organizado pelo BC Convention e os ingressos estão à venda


Cidade

Ainda acontecerão mais quatro escalas


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Acabou a doutrinação de crianças e adolescentes, diz Damares em posse

EBC.
Quinta, 3/1/2019 5:36.

DANIEL CARVALHO E RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em um auditório lotado por ativistas que gritavam "aleluia" e "glória a Deus", a pastora evangélica Damares Alves tomou posse nesta quarta-feira (2) como ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Fez um discurso emocionado em que disse que não haverá mais "doutrinação ideológica" de crianças e adolescentes, que "menina será princesa e menino será príncipe" e criticou setores da imprensa, sem especificá-los.

"Um dos desafios é acabar com o abuso da doutrinação ideológica. Acabou a doutrinação ideológica de crianças e adolescentes no Brasil", afirmou ao falar da defesa de jovens.

Em quase uma hora de fala, Damares exaltou mais de uma vez sua fé. "O Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã e, por ser cristã, acredito nos designos de Deus", afirmou a nova titular da pasta que chamou de "mais extraordinário e lindo ministério".

Damares afirmou que os programas de governo não vão acabar em quatro anos porque o presidente Jair Bolsonaro "não precisa jogar para a galera", já que não pretende disputar a reeleição.

Ela disse que, no governo Bolsonaro, todas as políticas públicas serão construídas com base na família e que seu ministério dará assessoramento a outras pastas.

"Muitas pessoas no Brasil estão perguntando: precisava no Brasil de um Ministério da Família? Sim, gente. O governo Bolsonaro vem com uma outra perspectiva. Todas as políticas públicas neste país terão que ser construídas com base na família. [...] Não dá mais para pensar em políticas públicas sem pensar no fortalecimento da família."

Damares citou que programas como o Enem acabam separando as famílias, já que um jovem pode ser aprovado em faculdade em outro estado. Questionada sobre o exame na saída, ela não respondeu. Sua secretária da Mulher, Angela Gandra Martins, disse que não há previsão de mudanças na prova.

Damares disse que "sangue inocente não será mais derramado neste país" e que nenhuma denúncia de violência contra mulher será ignorada.

"As mulheres terão prioridade neste ministério. Lutaremos para que não sejam tratadas como massa de manobra. As brasileiras terão voz e serão escutadas por este governo. Somos o quinto país no mundo em feminicídio. Que vergonha. Chega de violência contra a mulher nesta nação."

Disse que seu ministério seria "da família", "seja qual for a sua configuração". "Eu e minha filha somos família. Nada vai tirar de nós este vínculo. Todas a configurações familiares neste Brasil serão respeitadas", afirmou.

A ministra negou que a população LGBT tenha ficado de fora das diretrizes do ministério e garantiu que os direitos estão garantidos.

"Vamos lutar contra todos os tipos de violência e preconceito nesta nação, inclusive LGBTI [...] Nenhum direito conquistado pela comunidade LGBTI será violado".

No entanto, a ministra reforçou a diferença de gênero. "Neste governo, menina será princesa e menino será príncipe. Ninguém vai nos impedir de chamar nossas meninas de princesa e nossos meninos de príncipe", declarou.

Ao comentar o abuso que sofreu na infância e a passagem em que diz ter visto Jesus ao subir numa goiabeira, criticou a imprensa. Reclamou de "alguns jornalistas" várias vezes ao longo do discurso. "Houve alguns ruídos. Na verdade tudo que essa ministra fala vira ruído no Brasil e até o que é escrito sobre a ministra também vira ruído".

"Minha história não foi respeitada por muitos meios de comunicação", afirmou. "Minha crença virou chacota e também motivo de risadas. Tive minha história compartilhada com escárnio." E completou, sendo aplaudida de pé: "Tenho meu consolador e, queiram vocês ou não, ele sobe em pé de goiaba".

A ministra disse que todos os servidores de sua pasta aprenderão a linguagem brasileira de sinais nos seis primeiros meses.

Por mais de uma vez, Damares falou que ela e sua filha foram ameaçadas de morte e que, por isso, a jovem não compareceu. Na semana passada, um grupo investigado pela Polícia Federal por suposta ligação com uma bomba caseira encontrada no entorno de Brasília disse ao site Metrópoles, do DF, que a ministra poderia ser alvo de ataques.

Damares recebeu os cumprimentos em cima do palco e saiu cercada por assessores e ao menos um segurança. O cerimonial informou aos que aguardavam a volta da ministra que, por questões de segurança, ela não retornaria ao auditório.

A ministra também apresentou os titulares das oito secretarias que integrarão a pasta: Criança e Adolescente, Juventude, Mulher, Família, Idoso, Pessoa com Deficiência, Proteção Global e Igualdade Racial. Embora a Funai seja ligada ao ministério, seu titular não foi anunciado. 

Publicidade

Publicidade