Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Damares diz que frase que viralizou na web foi apenas uma metáfora

Sexta, 4/1/2019 8:19.

(FOLHAPRESS) - A pastora evangélica Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, afirmou que fez "uma metáfora" com a frase "menino veste azul e menina veste rosa". E negou arrependimento com a expressão, que viralizou nas redes sociais nesta quinta (3).

"De jeito nenhum, foi uma metáfora. Temos o outubro rosa, o novembro azul. Vamos respeitar a identidade biológica das crianças. E digo mais, podemos chamar menina de princesa e menino de príncipe no Brasil que não há nenhuma confusão nisso", afirmou, em entrevista à GloboNews.

Damares disse ainda que há "teólogos de gênero" que defendem que a criança nasce neutra e depois escolhe o que ela quer, e pede que esse debate fique restrito ao setor acadêmico.

"Não queremos impor nada. Vamos deixar as crianças em paz. Querem discutir isso [chamada por ela de "ideologia de gênero"]? Que seja feito nas academias, não nas escolas, para crianças na tenra idade".

Questionada se a política defendida por ela não seria a troca de uma ideologia por outra, de cunho religioso, Damares desconversou. Mas comentou sobre outra frase polêmica, dita na cerimônia de transmissão de cargo, na quarta-feira (2), quando se disse "terrivelmente cristã" -apesar de o Estado ser laico.

"Estão com medo de uma pastora ministra de Direitos Humanos. A partir do momento que entro no ministério, não posso arrancar de mim a minha fé. Foi isso o que quis dizer, não estou querendo impor nenhuma religião. Ninguém vai ser preterido por causa de sua fé".

Ao ser questionada sobre configurações de família que considera, Damares afirmou que o governo Bolsonaro não vai acabar com direitos adquiridos -como o de casais homossexuais poderem adotar filhos.

"O recado foi bem dado na posse. O momento é de união Nenhum direito adquirido vai ser violado pelo governo Bolsonaro", disse a ministra.
Também disse ser a favor das cotas sociais e raciais. "Esse governo vai fazer uma discussão, mas nada será mexido até o momento".

Damares se queixou ainda da cobertura que vem recebendo dos meios de comunicação.

"Minhas falas como ministra começaram ontem (quarta, dia 2). A imprensa tem pinçado falas minhas de quando sou veemente quando falo com meu segmento [como pregações em igrejas e palestras]".

Sobre a Funai (Fundação Nacional do Índio), que agora está subordinada à pasta de Direitos Humanos e perdeu a função de demarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura, Damares afirmou que a palavra final sobre o assunto caberá a um conselho interministerial, do qual ela própria será parte -além dos ministros da Justiça, Agricultura e Casa Civil. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

 São cerca de 150 pontos em apenas 6,5 Km de praia 


Geral

Foi sugerida a possibilidade de uma comissão ou o próprio município realizar a gestão provisoriamente


Cidade

 Edifício Itajaí, na rua Max Doose


Cidade


Publicidade


Geral

Será nesta sexta-feira, dia 22, em Balneário Camboriú


Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cultura

Evento será realizado a partir das 20h, com entrada e distribuição gratuita


Policia

Parte dos R$ 9,8 milhões foi recuperada. As buscas continuam em Balneário Camboriú e Itajaí


Publicidade


Política

Objetivo do vereador era tumultuar o processo


Geral

Evento é organizado pelo BC Convention e os ingressos estão à venda


Cidade

Ainda acontecerão mais quatro escalas


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Damares diz que frase que viralizou na web foi apenas uma metáfora

Sexta, 4/1/2019 8:19.

(FOLHAPRESS) - A pastora evangélica Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, afirmou que fez "uma metáfora" com a frase "menino veste azul e menina veste rosa". E negou arrependimento com a expressão, que viralizou nas redes sociais nesta quinta (3).

"De jeito nenhum, foi uma metáfora. Temos o outubro rosa, o novembro azul. Vamos respeitar a identidade biológica das crianças. E digo mais, podemos chamar menina de princesa e menino de príncipe no Brasil que não há nenhuma confusão nisso", afirmou, em entrevista à GloboNews.

Damares disse ainda que há "teólogos de gênero" que defendem que a criança nasce neutra e depois escolhe o que ela quer, e pede que esse debate fique restrito ao setor acadêmico.

"Não queremos impor nada. Vamos deixar as crianças em paz. Querem discutir isso [chamada por ela de "ideologia de gênero"]? Que seja feito nas academias, não nas escolas, para crianças na tenra idade".

Questionada se a política defendida por ela não seria a troca de uma ideologia por outra, de cunho religioso, Damares desconversou. Mas comentou sobre outra frase polêmica, dita na cerimônia de transmissão de cargo, na quarta-feira (2), quando se disse "terrivelmente cristã" -apesar de o Estado ser laico.

"Estão com medo de uma pastora ministra de Direitos Humanos. A partir do momento que entro no ministério, não posso arrancar de mim a minha fé. Foi isso o que quis dizer, não estou querendo impor nenhuma religião. Ninguém vai ser preterido por causa de sua fé".

Ao ser questionada sobre configurações de família que considera, Damares afirmou que o governo Bolsonaro não vai acabar com direitos adquiridos -como o de casais homossexuais poderem adotar filhos.

"O recado foi bem dado na posse. O momento é de união Nenhum direito adquirido vai ser violado pelo governo Bolsonaro", disse a ministra.
Também disse ser a favor das cotas sociais e raciais. "Esse governo vai fazer uma discussão, mas nada será mexido até o momento".

Damares se queixou ainda da cobertura que vem recebendo dos meios de comunicação.

"Minhas falas como ministra começaram ontem (quarta, dia 2). A imprensa tem pinçado falas minhas de quando sou veemente quando falo com meu segmento [como pregações em igrejas e palestras]".

Sobre a Funai (Fundação Nacional do Índio), que agora está subordinada à pasta de Direitos Humanos e perdeu a função de demarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura, Damares afirmou que a palavra final sobre o assunto caberá a um conselho interministerial, do qual ela própria será parte -além dos ministros da Justiça, Agricultura e Casa Civil. 

Publicidade

Publicidade