Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Entenda o que é medida provisória, usada por Bolsonaro na reforma ministerial
EBC.

Sábado, 5/1/2019 5:01.

DIANA LOTT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em seu primeiro dia de governo, o presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória 870, que alterou as atribuições e a estrutura dos ministérios e dos órgãos ligados à Presidência.

A transferência da demarcação de terras indígenas da Funai (Fundação Nacional do Índio) ao Ministério da Agricultura é uma das mudanças que teve maior repercussão.

Entenda por que o presidente pode fazer essas mudanças com uma simples assinatura.

O QUE É MEDIDA PROVISÓRIA?

Criado pela Constituição de 1988, esse instrumento legislativo permite que o presidente crie normas com força de lei que passam a valer imediatamente. No caso da reforma ministerial do presidente Bolsonaro, a vigência das regras se iniciou no próprio dia 1º.

Enquanto vigentes, as MPs equivalem a leis ordinárias -ou seja, podem acrescentar, alterar ou revogar normas.

O PRESIDENTE PODE EDITAR MP SOBRE QUALQUER ASSUNTO?

Não. A Constituição proíbe MPs sobre nacionalidade, cidadania, direitos políticos e direito penal, entre outros.

Outra limitação é que as medidas só podem ser criadas caso haja "relevância e urgência" -conceitos não definidos pela legislação.

A jurisprudência do STF admite que, excepcionalmente, a Corte pode analisar se esses requisitos estão presentes. Para isso, é necessário que seja ajuizada uma ação que conteste a medida. O STF nunca pode realizar esse tipo de análise espontaneamente.

No caso da MP 870, por exemplo, um partido político poderia, em tese, levar a questão da Funai ao STF e argumentar que não há urgência na transferência da atribuição.

UMA MEDIDA PROVISÓRIA VALE POR QUANTO TEMPO?

Sua vigência é de 60 dias, e pode ser prorrogada por outros 60. Assim que editada, a MP tem que ser encaminhada ao Congresso, que terá 45 dias para apreciá-la -como se fosse um projeto de lei.

Se, ao fim desse prazo, o Parlamento não aprovar ou rejeitar a conversão da medida em lei, ela tranca parcialmente a pauta da casa onde estiver tramitando.

A MP 808, de 2017, completou 120 dias e perdeu a vigência no fim de abril de 2018. Ela regulamentava trechos da reforma trabalhista, como o trabalho de grávidas em ambiente insalubre e o período de quarentena entre a demissão de um funcionário e sua recontratação como intermitente.

E SE O CONGRESSO NÃO APRECIAR A MEDIDA AO FIM DOS 120 DIAS?

Nesse caso, pode ser editado um decreto legislativo com regras para disciplinar as consequências jurídicas criadas pela MP enquanto ela esteve vigente.

O decreto legislativo pode ser proposto por qualquer parlamentar ou pelas comissões, e tem tramitação similar a de um projeto de lei. Ele deve ser aprovado nas duas casas e não se submete a sanção presidencial.

Na prática, isso quer dizer que, ao fim dos 120 dias, o Congresso poderia atribuir a demarcação de terras a um outro órgão, por exemplo.

Decorrido os 120 dias e não havendo aprovação, o presidente fica impedido de editar nova MP que verse sobre o mesmo tema até o fim da sessão legislativa -que se inicia em fevereiro e vai até dezembro, com recesso em julho.

O mesmo vale caso o Parlamento rejeite a MP. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Seria um negócio imobiliário bastante vantajoso. Cidade continuará recebendo navios de cruzeiro.


Cidade

“Tem que ver se não é um problema de gestão deles”, dispara referindo-se aos hoteleiros  


Opinião


Opinião

"Não tente enrolar um brasileiro divulgando uma coisa e entregando outra" 


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Entenda o que é medida provisória, usada por Bolsonaro na reforma ministerial

EBC.
Sábado, 5/1/2019 5:01.

DIANA LOTT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em seu primeiro dia de governo, o presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória 870, que alterou as atribuições e a estrutura dos ministérios e dos órgãos ligados à Presidência.

A transferência da demarcação de terras indígenas da Funai (Fundação Nacional do Índio) ao Ministério da Agricultura é uma das mudanças que teve maior repercussão.

Entenda por que o presidente pode fazer essas mudanças com uma simples assinatura.

O QUE É MEDIDA PROVISÓRIA?

Criado pela Constituição de 1988, esse instrumento legislativo permite que o presidente crie normas com força de lei que passam a valer imediatamente. No caso da reforma ministerial do presidente Bolsonaro, a vigência das regras se iniciou no próprio dia 1º.

Enquanto vigentes, as MPs equivalem a leis ordinárias -ou seja, podem acrescentar, alterar ou revogar normas.

O PRESIDENTE PODE EDITAR MP SOBRE QUALQUER ASSUNTO?

Não. A Constituição proíbe MPs sobre nacionalidade, cidadania, direitos políticos e direito penal, entre outros.

Outra limitação é que as medidas só podem ser criadas caso haja "relevância e urgência" -conceitos não definidos pela legislação.

A jurisprudência do STF admite que, excepcionalmente, a Corte pode analisar se esses requisitos estão presentes. Para isso, é necessário que seja ajuizada uma ação que conteste a medida. O STF nunca pode realizar esse tipo de análise espontaneamente.

No caso da MP 870, por exemplo, um partido político poderia, em tese, levar a questão da Funai ao STF e argumentar que não há urgência na transferência da atribuição.

UMA MEDIDA PROVISÓRIA VALE POR QUANTO TEMPO?

Sua vigência é de 60 dias, e pode ser prorrogada por outros 60. Assim que editada, a MP tem que ser encaminhada ao Congresso, que terá 45 dias para apreciá-la -como se fosse um projeto de lei.

Se, ao fim desse prazo, o Parlamento não aprovar ou rejeitar a conversão da medida em lei, ela tranca parcialmente a pauta da casa onde estiver tramitando.

A MP 808, de 2017, completou 120 dias e perdeu a vigência no fim de abril de 2018. Ela regulamentava trechos da reforma trabalhista, como o trabalho de grávidas em ambiente insalubre e o período de quarentena entre a demissão de um funcionário e sua recontratação como intermitente.

E SE O CONGRESSO NÃO APRECIAR A MEDIDA AO FIM DOS 120 DIAS?

Nesse caso, pode ser editado um decreto legislativo com regras para disciplinar as consequências jurídicas criadas pela MP enquanto ela esteve vigente.

O decreto legislativo pode ser proposto por qualquer parlamentar ou pelas comissões, e tem tramitação similar a de um projeto de lei. Ele deve ser aprovado nas duas casas e não se submete a sanção presidencial.

Na prática, isso quer dizer que, ao fim dos 120 dias, o Congresso poderia atribuir a demarcação de terras a um outro órgão, por exemplo.

Decorrido os 120 dias e não havendo aprovação, o presidente fica impedido de editar nova MP que verse sobre o mesmo tema até o fim da sessão legislativa -que se inicia em fevereiro e vai até dezembro, com recesso em julho.

O mesmo vale caso o Parlamento rejeite a MP. 

Publicidade

Publicidade