Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Alguma coisa vai ser mexida para aprovar reforma, diz Bolsonaro

Quarta, 13/3/2019 16:03.
Agência Brasil
Equipe da previdência

Publicidade

LEANDRO COLON (FOLHAPRESS)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (13) que aposta na aprovação da reforma da Previdência ainda no primeiro semestre, mesmo que seja com alterações à proposta inicial do governo.

"O objetivo é cortar privilégios. Alguma coisa vai ser mexida para aprovar. A boa reforma é a aprovada", afirmou.

Desta vez, o presidente, no entanto, preferiu não entrar em detalhes sobre possíveis mudanças. Recentemente, ele sugeriu mudar de 62 para 60 anos a idade mínima para aposentadoria de mulheres. A declaração causou mal-estar na equipe econômica, que resiste em ceder nas negociações no curto prazo.

Na opinião do presidente, a reforma sugerida pelo Planalto não pode sofrer a alterações profundidas como as feitas na Argentina, por exemplo. "Não pode ser a reforma desidratada da Argentina. Senão, o Brasil terá um colapso em dois, três anos, assim como ficaram Grécia e Portugal", disse.

O presidente afirmou ainda estar conversando pessoalmente com os parlamentares, e cobrou a aprovação da reforma na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara até o fim de março. A comissão deve ser instalada nesta quarta.

Nas palavras do presidente, o Congresso precisa estar "juntinho" do governo ao menos por um ano. "Vamos ver se está jogando juntinho daqui um mês na votação da admissibilidade na CCJ", disse.

Bolsonaro afirmou também acreditar que a reforma será aprovada nas duas Casas, Câmara e Senado, no primeiro semestre deste ano. Na avaliação dele, o cenário entre os senadores tende a ser mais favorável para as mudanças avançarem.

As declarações de Bolsonaro foram dadas em um café da manhã com jornalistas.F

Participaram do encontro Leandro Colon (Folha de S.Paulo), Renata Lo Prete (TV Globo), Fernando Mitre (TV Bandeirantes), Mariana Godoy (Rede TV), Carlos Nascimento (SBT), Thiago Contreira (TV Record), Fernando Rodrigues (Poder 360), Carlos di Franco (O Estado de S. Paulo), Leonardo Cavalcanti (Correio Brasiliense), Rufolgo Lago (Istoé), Paulo Enéias (Crítica Nacional) e Rui Fabiano.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Agência Brasil
Equipe da previdência
Equipe da previdência

Alguma coisa vai ser mexida para aprovar reforma, diz Bolsonaro

Publicidade

Quarta, 13/3/2019 16:03.

LEANDRO COLON (FOLHAPRESS)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (13) que aposta na aprovação da reforma da Previdência ainda no primeiro semestre, mesmo que seja com alterações à proposta inicial do governo.

"O objetivo é cortar privilégios. Alguma coisa vai ser mexida para aprovar. A boa reforma é a aprovada", afirmou.

Desta vez, o presidente, no entanto, preferiu não entrar em detalhes sobre possíveis mudanças. Recentemente, ele sugeriu mudar de 62 para 60 anos a idade mínima para aposentadoria de mulheres. A declaração causou mal-estar na equipe econômica, que resiste em ceder nas negociações no curto prazo.

Na opinião do presidente, a reforma sugerida pelo Planalto não pode sofrer a alterações profundidas como as feitas na Argentina, por exemplo. "Não pode ser a reforma desidratada da Argentina. Senão, o Brasil terá um colapso em dois, três anos, assim como ficaram Grécia e Portugal", disse.

O presidente afirmou ainda estar conversando pessoalmente com os parlamentares, e cobrou a aprovação da reforma na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara até o fim de março. A comissão deve ser instalada nesta quarta.

Nas palavras do presidente, o Congresso precisa estar "juntinho" do governo ao menos por um ano. "Vamos ver se está jogando juntinho daqui um mês na votação da admissibilidade na CCJ", disse.

Bolsonaro afirmou também acreditar que a reforma será aprovada nas duas Casas, Câmara e Senado, no primeiro semestre deste ano. Na avaliação dele, o cenário entre os senadores tende a ser mais favorável para as mudanças avançarem.

As declarações de Bolsonaro foram dadas em um café da manhã com jornalistas.F

Participaram do encontro Leandro Colon (Folha de S.Paulo), Renata Lo Prete (TV Globo), Fernando Mitre (TV Bandeirantes), Mariana Godoy (Rede TV), Carlos Nascimento (SBT), Thiago Contreira (TV Record), Fernando Rodrigues (Poder 360), Carlos di Franco (O Estado de S. Paulo), Leonardo Cavalcanti (Correio Brasiliense), Rufolgo Lago (Istoé), Paulo Enéias (Crítica Nacional) e Rui Fabiano.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade