Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
General Santos Cruz diz que governo Bolsonaro se afastou do combate à corrupção

Ele é ex-ministro da Secretaria de Governo, de Bolsonaro

Segunda, 6/1/2020 13:18.
EBC.

Publicidade

Gabriel Caldeira
Em entrevista concedida à BBC Brasil, o general de reserva do Exército e ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, avaliou o primeiro ano do governo Bolsonaro e concentrou críticas à atuação no combate à corrupção, bandeira eleitoral do presidente Jair Bolsonaro em 2018 e que, segundo Santos Cruz, foi ponto de "desilusão para muita gente".

Para ele, as mudanças no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) - órgão que foi rebatizado de Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e repassado ao Banco Central - e as pressões sobre o diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, contribuíram para o enfraquecimento do combate à corrupção.

Em constantes viagens desde que deixou o governo, Santos Cruz também foi crítico à política externa do governo, a qual classificou como "completamente ideológica" e responsável por afetar negativamente a percepção de nações estrangeiras sobre o Brasil.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
EBC.

General Santos Cruz diz que governo Bolsonaro se afastou do combate à corrupção

Ele é ex-ministro da Secretaria de Governo, de Bolsonaro

Publicidade

Segunda, 6/1/2020 13:18.

Gabriel Caldeira
Em entrevista concedida à BBC Brasil, o general de reserva do Exército e ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, avaliou o primeiro ano do governo Bolsonaro e concentrou críticas à atuação no combate à corrupção, bandeira eleitoral do presidente Jair Bolsonaro em 2018 e que, segundo Santos Cruz, foi ponto de "desilusão para muita gente".

Para ele, as mudanças no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) - órgão que foi rebatizado de Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e repassado ao Banco Central - e as pressões sobre o diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, contribuíram para o enfraquecimento do combate à corrupção.

Em constantes viagens desde que deixou o governo, Santos Cruz também foi crítico à política externa do governo, a qual classificou como "completamente ideológica" e responsável por afetar negativamente a percepção de nações estrangeiras sobre o Brasil.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade