Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Vereadores Gotardo e Achutti criticam arquivamento da Reforma Administrativa

Quinta, 23/7/2020 16:48.
Divulgação

Publicidade

Há quase um ano, a prefeitura de Balneário Camboriú fez um grande alarde na mídia ao enviar para a Câmara de Vereadores o projeto da Reforma Administrativa. No último dia 10 de julho, o projeto foi arquivado, a pedido do governo, sem que nenhuma explicação fosse dada. Durante a sessão legislativa desta terça-feira (21), os vereadores Lucas Gotardo (NOVO) e Marcelo Achutti (MDB) criticaram a postura da administração municipal.

Cobrança não é de agora

Antes de o projeto ser arquivado, Gotardo já vinha alertando e cobrando que o projeto da Reforma estava há cerca de nove meses estagnado na Comissão de Justiça (formada em sua maioria por membros do governo).

“Em 2016, quando eu subia no palanque com o prefeito Fabrício, ele criticava a gestão anterior, dizia que o prefeito passado não sabia administrar, que tinha muito cargo, tinha que reduzir custos porque era uma vergonha e que ele ia criar a reforma administrativa nos 100 primeiros dias. Ou seja, ele criou um inimigo, e quando assumiu o poder, o negócio não aconteceu, porque ele não quis”, declarou.

Gotardo lamentou ainda que a atual administração esteja tomando posturas totalmente diferentes daquelas defendidas em campanha, como a reativação da subprefeitura da Barra. “Não foi esse projeto que eu apoiei”, enfatizou.

O vereador lembrou também que segundo anunciado pelo governo, em 2019, a Reforma traria uma economia de R$ 10 milhões ao ano, recurso que faria diferença agora, em um momento de crise.

“Talvez se tivéssemos aprovado esse projeto há meses atrás ou nos 100 primeiros dias e tivéssemos economizado tanto quanto se imaginava, a gente poderia ter muito mais recurso para enfrentar uma situação de epidemia como a que vivemos agora”, lamentou.

Falta de respeito

Achutti disse que o prefeito perdeu a oportunidade de cumprir uma promessa de campanha, o que ele considera uma falta de respeito com quem votou e acreditou nas Novas Ideias.

“Ele prometeu fazer nos 100 primeiros dias de governo. Esperou 3,5 anos, protocolou em 2019. Ficou 11 meses parado na Comissão de Justiça e agora ele retirou”, destacou o vereador na tribuna livre.

Ele também se referiu à economia que o prefeito deixou de fazer.

“Ele mesmo dizia que a Reforma Administraria renderia mais de R$ 10 milhões de economia. Calculei o período que ele ficou, então poderíamos ter economizado mais de R$ 36 milhões”, concluiu.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação

Vereadores Gotardo e Achutti criticam arquivamento da Reforma Administrativa

Publicidade

Quinta, 23/7/2020 16:48.

Há quase um ano, a prefeitura de Balneário Camboriú fez um grande alarde na mídia ao enviar para a Câmara de Vereadores o projeto da Reforma Administrativa. No último dia 10 de julho, o projeto foi arquivado, a pedido do governo, sem que nenhuma explicação fosse dada. Durante a sessão legislativa desta terça-feira (21), os vereadores Lucas Gotardo (NOVO) e Marcelo Achutti (MDB) criticaram a postura da administração municipal.

Cobrança não é de agora

Antes de o projeto ser arquivado, Gotardo já vinha alertando e cobrando que o projeto da Reforma estava há cerca de nove meses estagnado na Comissão de Justiça (formada em sua maioria por membros do governo).

“Em 2016, quando eu subia no palanque com o prefeito Fabrício, ele criticava a gestão anterior, dizia que o prefeito passado não sabia administrar, que tinha muito cargo, tinha que reduzir custos porque era uma vergonha e que ele ia criar a reforma administrativa nos 100 primeiros dias. Ou seja, ele criou um inimigo, e quando assumiu o poder, o negócio não aconteceu, porque ele não quis”, declarou.

Gotardo lamentou ainda que a atual administração esteja tomando posturas totalmente diferentes daquelas defendidas em campanha, como a reativação da subprefeitura da Barra. “Não foi esse projeto que eu apoiei”, enfatizou.

O vereador lembrou também que segundo anunciado pelo governo, em 2019, a Reforma traria uma economia de R$ 10 milhões ao ano, recurso que faria diferença agora, em um momento de crise.

“Talvez se tivéssemos aprovado esse projeto há meses atrás ou nos 100 primeiros dias e tivéssemos economizado tanto quanto se imaginava, a gente poderia ter muito mais recurso para enfrentar uma situação de epidemia como a que vivemos agora”, lamentou.

Falta de respeito

Achutti disse que o prefeito perdeu a oportunidade de cumprir uma promessa de campanha, o que ele considera uma falta de respeito com quem votou e acreditou nas Novas Ideias.

“Ele prometeu fazer nos 100 primeiros dias de governo. Esperou 3,5 anos, protocolou em 2019. Ficou 11 meses parado na Comissão de Justiça e agora ele retirou”, destacou o vereador na tribuna livre.

Ele também se referiu à economia que o prefeito deixou de fazer.

“Ele mesmo dizia que a Reforma Administraria renderia mais de R$ 10 milhões de economia. Calculei o período que ele ficou, então poderíamos ter economizado mais de R$ 36 milhões”, concluiu.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade