Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Bolsonaro elogia decisão de Toffoli

Quinta, 20/12/2018 4:39.

(FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), elogiou a decisão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, que suspendeu a liminar do também ministro Marco Aurélio Mello que havia mandado soltar presos que estivessem cumprindo pena provisoriamente, antes de esgotados todos os recursos na Justiça.

"Parabéns ao presidente do Supremo Tribunal Federal por derrubar a liminar que poderia beneficiar dezenas de milhares de presos em segunda instância no Brasil e colocar em risco o bem estar de nossa sociedade, que já sofre diariamente com o caos da violência generalizada!", disse o capitão reformado por meio de sua conta no Twitter.

O ex-presidente Lula, preso em Curitiba desde abril, poderia ser um dos beneficiados pela medida.

Pela decisão de Toffoli, a liminar de Marco Aurélio precisará ser apreciada pelo plenário, composto pelos 11 ministros, o que não tem data para ocorrer. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bolsonaro elogia decisão de Toffoli

Publicidade

Quinta, 20/12/2018 4:39.

(FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), elogiou a decisão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, que suspendeu a liminar do também ministro Marco Aurélio Mello que havia mandado soltar presos que estivessem cumprindo pena provisoriamente, antes de esgotados todos os recursos na Justiça.

"Parabéns ao presidente do Supremo Tribunal Federal por derrubar a liminar que poderia beneficiar dezenas de milhares de presos em segunda instância no Brasil e colocar em risco o bem estar de nossa sociedade, que já sofre diariamente com o caos da violência generalizada!", disse o capitão reformado por meio de sua conta no Twitter.

O ex-presidente Lula, preso em Curitiba desde abril, poderia ser um dos beneficiados pela medida.

Pela decisão de Toffoli, a liminar de Marco Aurélio precisará ser apreciada pelo plenário, composto pelos 11 ministros, o que não tem data para ocorrer. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade