Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Moro defende 'recuperar controle' de penitenciárias

Quinta, 3/1/2019 6:04.

CAMILA MATTOSO E RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O novo ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou em cerimônia nesta quarta-feira (2) que o Brasil não será "porto seguro para criminosos" e anunciou primeiras medidas da pasta.

Após assinar o termo de posse, o ex-juiz falou de seus planos e disse que os órgãos de controle e inteligência devem ter liberdade para atuar.

"O Brasil não será porto seguro para criminosos. Jamais novamente negará cooperação, para quem solicitar, por motivos exclusivamente político-partidários", disse o ex-magistrado sobre a ajuda entre países para investigar suspeitos, que é de responsabilidade do DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional).

Ele não deu exemplos de pressão política que o órgão sofreu nos últimos anos.

Em seu primeiro discurso à frente da Justiça, Moro destacou a necessidade de mudar leis para ampliar o rigor do combate à corrupção e ao crime organizado. Ele afirmou que seus atos estão em elaboração. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Moro defende 'recuperar controle' de penitenciárias

Publicidade

Quinta, 3/1/2019 6:04.

CAMILA MATTOSO E RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O novo ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou em cerimônia nesta quarta-feira (2) que o Brasil não será "porto seguro para criminosos" e anunciou primeiras medidas da pasta.

Após assinar o termo de posse, o ex-juiz falou de seus planos e disse que os órgãos de controle e inteligência devem ter liberdade para atuar.

"O Brasil não será porto seguro para criminosos. Jamais novamente negará cooperação, para quem solicitar, por motivos exclusivamente político-partidários", disse o ex-magistrado sobre a ajuda entre países para investigar suspeitos, que é de responsabilidade do DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional).

Ele não deu exemplos de pressão política que o órgão sofreu nos últimos anos.

Em seu primeiro discurso à frente da Justiça, Moro destacou a necessidade de mudar leis para ampliar o rigor do combate à corrupção e ao crime organizado. Ele afirmou que seus atos estão em elaboração. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade