Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Indústria de alimentos terá desafio em 2019

Quarta, 9/1/2019 17:50.

Recentemente, os representantes das indústrias de alimentos assinaram um termo de compromisso com o governo, que tem como objetivo diminuir a quantidade de açúcar em doces, biscoitos, massas, refrigerantes, entre outros. A ideia é reduzir o consumo em 144 mil toneladas até 2022, o que representa 62,4% do açúcar presente nos produtos atualmente.

Para Rommel Barion, presidente do Sincabima - Sindicato das Indústrias de Cacau e Balas, Massas Alimentícias e Biscoitos, de Doces e Conservas Alimentícias do Paraná -, as indústrias terão que se adaptar as novas regras colocadas no termo de compromisso e estudar novas fórmulas para seus produtos.

“Será necessário pesquisar maneiras viáveis de substituir o insumo nos produtos. Não é um processo rápido, mas não podemos negar que o consumo de alimentos com menor teor de açúcar é uma tendência mundial e precisamos estar atentos à essa demanda”, explica.

Ainda de acordo com Barion, a redução, mesmo que pautada em uma porcentagem relativamente modesta, é um passo importante no combate a doenças ligadas ao consumo exagerado do insumo.

“O termo não é uma garantia de reeducação alimentar por parte da população como um todo, mas é uma medida importante. Mesmo que o acordo tenha estabelecido valores módicos e isso não afete algumas empresas, visto que a taxa mínima proposta é superior ao praticado por elas, esta é uma ação muito importante para o setor. Devemos acompanhar de perto as medidas que serão tomadas para, então, pensarmos em novas soluções para a indústria”, diz.

“No entanto, é importante salientar que todos devem fazer a sua parte no que tange o assunto: além das empresas, os consumidores também devem se conscientizar a respeito do uso abusivo do açúcar. Atualmente, a maior porcentagem de consumo de açúcar é oriunda da adição voluntária por parte do consumidor, e não daquele que integra os produtos industrializados”, finaliza

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Indústria de alimentos terá desafio em 2019

Publicidade

Quarta, 9/1/2019 17:50.

Recentemente, os representantes das indústrias de alimentos assinaram um termo de compromisso com o governo, que tem como objetivo diminuir a quantidade de açúcar em doces, biscoitos, massas, refrigerantes, entre outros. A ideia é reduzir o consumo em 144 mil toneladas até 2022, o que representa 62,4% do açúcar presente nos produtos atualmente.

Para Rommel Barion, presidente do Sincabima - Sindicato das Indústrias de Cacau e Balas, Massas Alimentícias e Biscoitos, de Doces e Conservas Alimentícias do Paraná -, as indústrias terão que se adaptar as novas regras colocadas no termo de compromisso e estudar novas fórmulas para seus produtos.

“Será necessário pesquisar maneiras viáveis de substituir o insumo nos produtos. Não é um processo rápido, mas não podemos negar que o consumo de alimentos com menor teor de açúcar é uma tendência mundial e precisamos estar atentos à essa demanda”, explica.

Ainda de acordo com Barion, a redução, mesmo que pautada em uma porcentagem relativamente modesta, é um passo importante no combate a doenças ligadas ao consumo exagerado do insumo.

“O termo não é uma garantia de reeducação alimentar por parte da população como um todo, mas é uma medida importante. Mesmo que o acordo tenha estabelecido valores módicos e isso não afete algumas empresas, visto que a taxa mínima proposta é superior ao praticado por elas, esta é uma ação muito importante para o setor. Devemos acompanhar de perto as medidas que serão tomadas para, então, pensarmos em novas soluções para a indústria”, diz.

“No entanto, é importante salientar que todos devem fazer a sua parte no que tange o assunto: além das empresas, os consumidores também devem se conscientizar a respeito do uso abusivo do açúcar. Atualmente, a maior porcentagem de consumo de açúcar é oriunda da adição voluntária por parte do consumidor, e não daquele que integra os produtos industrializados”, finaliza

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade