Jornal Página 3

Maior taxação de bebidas açucaradas seria medida 'saudável', diz ministro
Reprodução.

Quarta, 30/8/2017 7:27.

NATÁLIA CANCIAN
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, defendeu nesta terça-feira (29) um aumento na tributação de bebidas açucaradas, como refrigerantes e sucos de caixinha. Para ele, a medida, já defendida por algumas entidades como ferramenta para controle da obesidade, seria uma iniciativa "saudável".

"Defendemos que, sobre bebidas açucaradas, temos que aumentar muito a tributação. Infelizmente no Brasil isso [baixo preço de refrigerantes] é incentivado, por consequência da zona franca de Manaus", disse, referindo-se ao local escolhido por algumas empresas para a fabricação desses produtos.

"É um tema que temos que enfrentar também e avançar para oferecer mais saúde à população", completou Barros, após comentar sobre um possível aumento no preço de outro produto: o cigarro.

É a primeira vez que o ministro se posiciona publicamente favorável ao aumento na tributação de refrigerantes. Nos últimos meses, a proposta chegou a entrar em discussão entre membros de alguns ministérios, mas teve pouco avanço.

A situação mudou após o Inca (Instituto Nacional de Câncer) publicar um posicionamento favorável a medidas de controle da obesidade, como a restrição da oferta dos chamados alimentos "ultraprocessados" em escolas e aumento na taxação de bebidas açucaradas.

Desde o ano passado, a proposta é recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Para a organização, um imposto que aumente o preço em até 20% reduzirá proporcionalmente o consumo.

Segundo o ministro, a medida pode ajudar o governo a alcançar a meta firmada neste ano de redução de até 30% no consumo de refrigerantes até 2019.

"Nos comprometemos a reduzir até 30% no consumo de bebidas açucaradas até 2019. Isso com um pouco de auxílio da indústria, que percebe o interesse do consumidor em não consumir tanto açúcar e tem oferecido produtos alternativos. Mas também por uma ação que faremos, e dentro essas questões está a rotulagem e eventualmente um aumento na tributação de bebidas açucaradas, o que seria muito saudável", afirmou.

A indústria, porém, é contra o aumento e afirma que a proposta é inconstitucional.

"Estão querendo sobretaxar o açúcar como se fizesse mal. Nem ele nem o refrigerante fazem mal, o que faz mal é o excesso", afirmou à Folha de S.Paulo neste mês Alexandre Jobim, presidente da Abir (Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes).

REFIL

Além do aumento da taxação de refrigerantes, recentemente, Barros também defendeu o veto à oferta de refil desses produtos em redes de fast-food. Segundo ele, a medida já está em negociação com associações da área.

"A França legislou sobre isso, e minha tese é que devemos caminhar nessa direção. Não havendo acordo, [devemos] fazer a proibição por lei aprovada no Congresso Nacional", afirmou. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade