Jornal Página 3

Gastos com o Hospital Ruth Cardoso comprometem o orçamento da cidade
Aldemar Bola Pereira.
Ambulância do Samu, na tarde deste domingo, trazendo pacientes para o Ruth Cardoso.
Ambulância do Samu, na tarde deste domingo, trazendo pacientes para o Ruth Cardoso.

Domingo, 18/6/2017 17:05.

O Hospital Municipal Ruth Cardoso, sozinho, deverá consumir nos próximos 12 meses cerca de 10% do orçamento da cidade, valor que poderia ser sensivelmente reduzido se a sua forma de gestão fosse alterada.

Após a terceirização no governo Piriquito, em setembro de 2012, com o escândalo de desvios de verbas por parte de dirigentes da Cruz Vermelha, o Ruth Cardoso se transformou numa “empresa” pública que usa mão de obra privada.

Seus funcionários não são concursados, mantém contratos temporários, uma situação à margem da lei que o Ministério Público quer solucionada até agosto próximo.

Todos os médicos são contratados e por isto custam pelo menos 30% mais caro do que se fossem, por exemplo, associados a uma organização social. Só aí a diferença no custo pode ultrapassar R$ 600 mil por mês.

O material de consumo também custa mais caro, inclusive medicamentos. Os hospitais privados, livres das amarras da Lei das Licitações, pressionam seus fornecedores ao máximo e com isto compram mais barato do que os públicos.

Essa distorção é bem conhecida entre administradores hospitalares que trocam informações entre si. Os hospitais públicos sempre pagam mais caro (até 50%) que os geridos por particulares ou cooperativas.

O Ruth Cardoso chegou ao limite do que a cidade pode sustentar.

A quantidade de atendimentos cresce constantemente e as despesas também. O volume de partos aumentou 15% em relação ao ano passado; o pronto socorro está atendendo mil pacientes a mais por mês do que em 2016.

A luz amarela acendeu nos gabinetes da prefeitura dias atrás quando a estimativa de gastar R$ 4 milhões por mês foi suplantada, o orçamento revisto para o segundo semestre deste ano é R$ 5 milhões, um valor insustentável dentro de realidade atual.

Esses números carregam também uma injustiça: tudo é pago pela população de Balneário Camboriú e mais da metade dos pacientes é de outras cidades.

Apesar dos apelos e promessas os prefeitos vizinhos se recusam a ajudar no pagamento da conta.

A foto abaixo, feita pelo vereador Aldemar Bola Pereira, mostra o pronto socorro do hospital, atolado de trabalho, na tarde deste domingo (18).


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade