Jornal Página 3

Fórum Regional vai buscar soluções para problemas financeiros da saúde

Sexta, 22/9/2017 11:14.

A direção da ParlaAmfri marcou para o dia 27 de outubro o Fórum Regional da Saúde, para discutir as principais demandas dos três hospitais da região. O foco principal será o de pressionar os governos estadual e federal por mais verbas para os hospitais Ruth Cardoso, Marieta Konder Bornhausen e Pequeno Anjo.

O Fórum foi decidido em reunião realizada nesta quinta (21), na Câmara Municipal de Itajaí, com a participação de representantes das Câmaras de Vereadores da região de Balneário Camboriú, Camboriú, Bombinhas, Navegantes e Itajaí.

A decisão veio com base em um diagnóstico feito em agosto sobre as demandas dos três hospitais. Ele traduziu as necessidades financeiras de cada instituição.

A reunião presidida pelo vereador Omar Tomalih (PSB), de Balneário Camboriú, priorizou a discussão sobre a má distribuição dos recursos estaduais da saúde.

“Se não nos unirmos vamos passar os próximos anos com os mesmos problemas. Nós recebemos diariamente as reclamações do povo em relação a saúde e precisamos debater juntos os problemas, principalmente no que diz respeito aos hospitais”, afirmou Omar Tomalih.

O vereador e presidente da Comissão de Saúde do Legislativo de Itajaí, Otto Quintino Junior exemplificou o problema da distribuição de recursos.

“O hospital de Chapecó tem 280 leitos e recebe mensalmente do Estado R$ 1,8 milhões enquanto o Marieta tem 391 leitos e recebia R$ 600 mil até o mês passado e agora foi autorizado recentemente a receber R$ 1 milhão, o que proporcionalmente é incoerente já que o número de leitos do Marieta é muito maior”, disse.

O vereador Calinho Mecânico falou sobre a necessidade de uma Hemosc regional com ampliação de atendimento.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade