Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Balneário Camboriú teve 19 casos de Influenza este ano, com duas mortes

Quinta, 29/8/2019 7:58.

Publicidade

As vítimas da doença em 2019 foram idosos, um de 62 e outro de 83 anos. Nenhum deles era vacinado.

A secretaria de Saúde conseguiu imunizar 93,14% do público alvo e no momento não há mais doses da vacina, já que a campanha encerrou no dia 31 de maio.

Estima-se que no Estado houve até o momento 38 mortes por H1N1. Segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC) a situação está dentro da normalidade e o aumento pode ser atribuído a dois fatores: a vacinação contra a gripe ficou abaixo de 95%, o estabelecido pelo Ministério da Saúde. A média de Santa Catarina chegou a 87%. E junto disso há a característica desse inverno, com picos de calor e frio, o que abala a imunidade da população.

A diretora da Vigilância Epidemiológica de Balneário Camboriú, Adriana Diogo, confirma essa situação e salienta que ‘a doença está aí’.

“A prevenção é a vacinação, mas não temos mais vacina, e a higiene. É recomendável ficar em ambientes arejados, evitando portas e janelas fechadas, e manter uma boa dieta de frutas e verduras e manter-se hidratado”, diz.

A população que recebe a dose do medicamento são crianças de seis meses a menores de seis anos, idosos, gestantes, professores e policiais.

“Focamos nos grupos mais vulneráveis. Com os idosos atingimos a meta, já as crianças não chegamos a 100%, mesmo indo até as escolas. As que não foram vacinadas foi por conta de que os pais ou responsáveis não autorizaram”, conta.

Atualmente, segundo Adriana, Balneário Camboriú não conta com nenhum caso, mas isso pode mudar de uma hora para outra, já que pode chegar algum caso com suspeita de problemas respiratórios – o primeiro sintoma.

“Começa com insuficiência respiratória, fazemos a coleta da secreção nasal, confirmamos se é Influenza e depois vemos se é H1N1 ou outro tipo. Há muitos casos de outras cidades. Recebemos em 2019, 80 notificações sob investigação de possíveis casos de influenza, desses 80 casos, 48 investigações/notificações são de moradores de Balneário Camboriú. Dessas 48 notificações, 19 eram Influenza”, acrescenta.

Seguindo orientação do Ministério da Saúde, hoje a Secretaria de Saúde têm separadas as segundas doses das crianças, que receberiam a vacinação pela primeira vez e das gestantes. “Não temos mais doses de vacinas contra influenza disponíveis, pois a campanha se encerrou em 31 de maio, conforme orientação do Ministério da Saúde”, finaliza.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinião

"Com estes valores, nenhuma unidade de saúde consegue se manter como PORTA ABERTA"


Cidade

Prefeitura é dona de terreno, próximo ao local, que poderia receber o Mercado


Brasil


Política

O vereador aproveitou que estava em Brasília pra falar sobre o saneamento básico de Camboriú


Cidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário Camboriú teve 19 casos de Influenza este ano, com duas mortes

Publicidade

Quinta, 29/8/2019 7:58.

As vítimas da doença em 2019 foram idosos, um de 62 e outro de 83 anos. Nenhum deles era vacinado.

A secretaria de Saúde conseguiu imunizar 93,14% do público alvo e no momento não há mais doses da vacina, já que a campanha encerrou no dia 31 de maio.

Estima-se que no Estado houve até o momento 38 mortes por H1N1. Segundo dados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC) a situação está dentro da normalidade e o aumento pode ser atribuído a dois fatores: a vacinação contra a gripe ficou abaixo de 95%, o estabelecido pelo Ministério da Saúde. A média de Santa Catarina chegou a 87%. E junto disso há a característica desse inverno, com picos de calor e frio, o que abala a imunidade da população.

A diretora da Vigilância Epidemiológica de Balneário Camboriú, Adriana Diogo, confirma essa situação e salienta que ‘a doença está aí’.

“A prevenção é a vacinação, mas não temos mais vacina, e a higiene. É recomendável ficar em ambientes arejados, evitando portas e janelas fechadas, e manter uma boa dieta de frutas e verduras e manter-se hidratado”, diz.

A população que recebe a dose do medicamento são crianças de seis meses a menores de seis anos, idosos, gestantes, professores e policiais.

“Focamos nos grupos mais vulneráveis. Com os idosos atingimos a meta, já as crianças não chegamos a 100%, mesmo indo até as escolas. As que não foram vacinadas foi por conta de que os pais ou responsáveis não autorizaram”, conta.

Atualmente, segundo Adriana, Balneário Camboriú não conta com nenhum caso, mas isso pode mudar de uma hora para outra, já que pode chegar algum caso com suspeita de problemas respiratórios – o primeiro sintoma.

“Começa com insuficiência respiratória, fazemos a coleta da secreção nasal, confirmamos se é Influenza e depois vemos se é H1N1 ou outro tipo. Há muitos casos de outras cidades. Recebemos em 2019, 80 notificações sob investigação de possíveis casos de influenza, desses 80 casos, 48 investigações/notificações são de moradores de Balneário Camboriú. Dessas 48 notificações, 19 eram Influenza”, acrescenta.

Seguindo orientação do Ministério da Saúde, hoje a Secretaria de Saúde têm separadas as segundas doses das crianças, que receberiam a vacinação pela primeira vez e das gestantes. “Não temos mais doses de vacinas contra influenza disponíveis, pois a campanha se encerrou em 31 de maio, conforme orientação do Ministério da Saúde”, finaliza.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade