Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
AMA Litoral tem quase 100 crianças esperando vaga

Quinta, 11/7/2019 17:07.
Divulgação/AMA Litoral
Cátia (na primeira fila à esquerda) com a equipe de profissionais

Publicidade

Com 62 crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista em atendimento e 98 na fila de espera, a AMA Litoral, está passando por uma situação de grande preocupação social e econômica. Na realidade, são quase 300 pessoas em atendimento, se somar o trabalho psicossocial que atende pai, mãe, irmãos e avós destas crianças.

Para cuidar destas 62 crianças/adolescentes com os 21 profissionais, o custo alcança média de R$ 45 mil/mês. Cada paciente custa em média R$ 1,2 mil por mês.

Uma das fundadoras em 2007, hoje coordenadora administrativa da AMA Litoral de Balneário Camboriú, Cátia Franzoi, atual presidente da Associação Catarinense de Autismo (ASCA), explicou que a instituição tem uma parceria com o município, que paga parte dos profissionais.

O restante é pago com recursos próprios da instituição, obtidos através de doações, campanhas como pedágio, rifas, troco solidário e jantares.

“Precisamos de recursos, estamos buscando parceiros que possam colaborar para ajudar a manter a instituição”, disse Cátia.

Além da preocupação financeira, tem outra maior, a demanda reprimida que nunca esteve tão alta. Em junho a AMA Litoral comemorou um ano de atendimento em Itapema, onde atende 48 pacientes e já tem demanda reprimida também.

Um dos motivos que elevou o número de procura é devido não ter uma causa definida, bem como está havendo uma maior divulgação do que seria a questão do autismo, sendo que quanto antes mais precoce iniciar o atendimento, mais eficaz pode ser o tratamento a fim de trabalhar com base nas dificuldades apresentadas, buscando assim auxiliar no processo de habilitação e reabilitação, qualidade de vida e bem estar.

“Estamos buscando junto a administração pública e aos conselhos do município soluções para poder oferecer um serviço para essas crianças que estão na fila de espera. Porque sabemos o resultado que é uma criança recebendo atendimento, quanto mais cedo, vários comportamentos vão sendo eliminados e que fazem toda diferença na vida destas pessoas”, acrescentou.

As soluções são alternativas junto com o município de Balneário Camboriú, a fim de ampliar o número de atendidos, em local adequado/espaço físico com capacidade para atender tal demanda, com equipe de profissionais para dar conta da demanda reprimida e assim fazer a diferença na vida dessas pessoas que aguarda atendimento/tratamento.

A AMA Litoral oferece atendimento clínico com profissionais da psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, educação física, musicoterapia, fonoaudiologia, além da equipe psicossocial (assistente social e psicólogos) para atender e acompanhar as famílias.

Sede própria

Uma das soluções seria a construção da sede própria, mas esse sonho parece distante, até pela situação em que o país se encontra atualmente.

“As pessoas enfrentam dificuldades, então nem começamos nada relacionado à obra, porque quando iniciar queremos terminar. Temos um contrato de comodato com o município do terreno (junto ao parque ecológico no Bairro dos Municipios), está faltando só um dos projetos que é o estrutural. Ele estava quase pronto e quem executava para nós, um engenheiro voluntário, infelizmente faleceu. Agora estamos em busca de um engenheiro que possa executar esse projeto para nós”, disse Cátia.

O projeto tem em torno de 960m2. A construção está estimada em aproximadamente R$ 1,5 milhão.

“O espaço está lá, porém faltam recursos, estamos tentando conseguir ajuda do governo federal, para poder dar seguimento ao projeto da sede própria, que é nosso maior sonho para poder aumentar nossos atendimentos, sem gastar com aluguel e ser um local de referência na questão do autismo, a qual seguimos na luta por este ideal.

Informações: AMA Litoral / Rua 2080 N° 51 / Telefone: 47 3264-0244

Dia 5 de julho festa julina reuniu a equipe e pacientes de Balneário e alguns de Itapema.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação/AMA Litoral
Cátia (na primeira fila à esquerda) com a equipe de profissionais
Cátia (na primeira fila à esquerda) com a equipe de profissionais

AMA Litoral tem quase 100 crianças esperando vaga

Publicidade

Quinta, 11/7/2019 17:07.

Com 62 crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista em atendimento e 98 na fila de espera, a AMA Litoral, está passando por uma situação de grande preocupação social e econômica. Na realidade, são quase 300 pessoas em atendimento, se somar o trabalho psicossocial que atende pai, mãe, irmãos e avós destas crianças.

Para cuidar destas 62 crianças/adolescentes com os 21 profissionais, o custo alcança média de R$ 45 mil/mês. Cada paciente custa em média R$ 1,2 mil por mês.

Uma das fundadoras em 2007, hoje coordenadora administrativa da AMA Litoral de Balneário Camboriú, Cátia Franzoi, atual presidente da Associação Catarinense de Autismo (ASCA), explicou que a instituição tem uma parceria com o município, que paga parte dos profissionais.

O restante é pago com recursos próprios da instituição, obtidos através de doações, campanhas como pedágio, rifas, troco solidário e jantares.

“Precisamos de recursos, estamos buscando parceiros que possam colaborar para ajudar a manter a instituição”, disse Cátia.

Além da preocupação financeira, tem outra maior, a demanda reprimida que nunca esteve tão alta. Em junho a AMA Litoral comemorou um ano de atendimento em Itapema, onde atende 48 pacientes e já tem demanda reprimida também.

Um dos motivos que elevou o número de procura é devido não ter uma causa definida, bem como está havendo uma maior divulgação do que seria a questão do autismo, sendo que quanto antes mais precoce iniciar o atendimento, mais eficaz pode ser o tratamento a fim de trabalhar com base nas dificuldades apresentadas, buscando assim auxiliar no processo de habilitação e reabilitação, qualidade de vida e bem estar.

“Estamos buscando junto a administração pública e aos conselhos do município soluções para poder oferecer um serviço para essas crianças que estão na fila de espera. Porque sabemos o resultado que é uma criança recebendo atendimento, quanto mais cedo, vários comportamentos vão sendo eliminados e que fazem toda diferença na vida destas pessoas”, acrescentou.

As soluções são alternativas junto com o município de Balneário Camboriú, a fim de ampliar o número de atendidos, em local adequado/espaço físico com capacidade para atender tal demanda, com equipe de profissionais para dar conta da demanda reprimida e assim fazer a diferença na vida dessas pessoas que aguarda atendimento/tratamento.

A AMA Litoral oferece atendimento clínico com profissionais da psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, educação física, musicoterapia, fonoaudiologia, além da equipe psicossocial (assistente social e psicólogos) para atender e acompanhar as famílias.

Sede própria

Uma das soluções seria a construção da sede própria, mas esse sonho parece distante, até pela situação em que o país se encontra atualmente.

“As pessoas enfrentam dificuldades, então nem começamos nada relacionado à obra, porque quando iniciar queremos terminar. Temos um contrato de comodato com o município do terreno (junto ao parque ecológico no Bairro dos Municipios), está faltando só um dos projetos que é o estrutural. Ele estava quase pronto e quem executava para nós, um engenheiro voluntário, infelizmente faleceu. Agora estamos em busca de um engenheiro que possa executar esse projeto para nós”, disse Cátia.

O projeto tem em torno de 960m2. A construção está estimada em aproximadamente R$ 1,5 milhão.

“O espaço está lá, porém faltam recursos, estamos tentando conseguir ajuda do governo federal, para poder dar seguimento ao projeto da sede própria, que é nosso maior sonho para poder aumentar nossos atendimentos, sem gastar com aluguel e ser um local de referência na questão do autismo, a qual seguimos na luta por este ideal.

Informações: AMA Litoral / Rua 2080 N° 51 / Telefone: 47 3264-0244

Dia 5 de julho festa julina reuniu a equipe e pacientes de Balneário e alguns de Itapema.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade