Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Falta de bolsas de sangue faz estudante criar 'Tinder da doação' em SC
Agência Brasil

Segunda, 22/7/2019 14:40.

VANESSA DA ROCHA (FOLHAPRESS) - A insuficiência no estoque dos bancos de sangue do interior de Santa Catarina despertou no estudante de marketing Brayon Pieske, 25, a ideia de buscar alternativas para tentar salvar vidas na região. A solução dele foi a criação de um aplicativo para celular.

"Eu tive a ideia quando ouvi em um programa de rádio que é muito chato você precisar de ajuda e ter que ficar desesperado atrás de divulgação para conseguir doadores", afirma ele, que mora em Rodeio, a 200 km de Florianópolis.

A inspiração, diz, veio do Tinder, aplicativo de paquera. O aplicativo PiuPiu Life pretende ajudar a encontrar doadores próximo ao local de quem precisa.

"Decidi fazer algo bem simples e rápido para achar os doadores de imediato. Se a pessoa está numa emergência no hospital, ela abre o aplicativo, seleciona o tipo sanguíneo e encontra o doador", diz. Para usar o aplicativo, é necessário se cadastrar com email e senha.

Segundo o Ministério da Saúde, apenas 1,6% dos brasileiros são doadores de sangue. Três em cada dez doações são de reposição, ou seja, a pessoa doa especificamente para atender um chamado de um familiar, amigo ou conhecido.

Na primeira semana em que o aplicativo foi disponibilizado na Google Play Store, no começo deste mês, mais de 400 pessoas realizaram o cadastro após baixarem o programa, segundo os cálculos de Pieske.

O próximo passo é ver uma forma de conectar quem precisa de doação com a localização de hospitais e pontos de coleta. O serviço também será disponibilizado, de forma gratuita, para os celulares que utilizam o sistema iOS.

Sem patrocínio, Pieske criou uma campanha de financiamento coletivo e conseguiu arrecadar mais de R$ 2.600 até agora.

"Eu quero que ele esteja disponível em diversos países porque a internet não tem fronteiras. Se tu está viajando para um lugar desconhecido, não tem conhecidos. Com o aplicativo, vai conseguir achar doadores que estão perto de ti."

Essa é a terceira criação do jovem, que não é programador. Ele aprendeu a desenvolver aplicativos e criação de programas digitais de forma autodidata.

Aos 17, Pieske criou na escola com colegas um sistema sonoro para servir de alarme em casos de enchente. O projeto foi premiado pelo

governo catarinense, que cogitou aplicar investir no sistema e oferecer para outros estados.

Anos depois, criou um aplicativo de troca de mensagens chamado PiuPiu, mas não se encorajou em buscar patrocínio para a ideia por entender que já existia muita concorrência no setor.

O terceiro aplicativo, para doação de sangue, juntou elementos das experiências anteriores ao unir a preocupação com a comunidade e a comunicação entre pessoas, por isso recebeu o nome de PiuPiu Life.

Se a campanha de financiamento coletivo viabilizar a ampliação do aplicativo, Pieske pretende realizar parceria com o poder público para estimular a doação em áreas mais necessitadas.

"Vamos supor que uma região do país esteja precisando muito de doação. Eu enviaria uma notificação para quem está a um raio de 100 quilômetros daquela região e todas as pessoas que estão por perto recebem no celular um alerta informando a sua região precisa de sangue com o endereço do hemocentro próximo. Isso melhoraria muito as doações." 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Falta de bolsas de sangue faz estudante criar 'Tinder da doação' em SC

Agência Brasil

Publicidade

Segunda, 22/7/2019 14:40.

VANESSA DA ROCHA (FOLHAPRESS) - A insuficiência no estoque dos bancos de sangue do interior de Santa Catarina despertou no estudante de marketing Brayon Pieske, 25, a ideia de buscar alternativas para tentar salvar vidas na região. A solução dele foi a criação de um aplicativo para celular.

"Eu tive a ideia quando ouvi em um programa de rádio que é muito chato você precisar de ajuda e ter que ficar desesperado atrás de divulgação para conseguir doadores", afirma ele, que mora em Rodeio, a 200 km de Florianópolis.

A inspiração, diz, veio do Tinder, aplicativo de paquera. O aplicativo PiuPiu Life pretende ajudar a encontrar doadores próximo ao local de quem precisa.

"Decidi fazer algo bem simples e rápido para achar os doadores de imediato. Se a pessoa está numa emergência no hospital, ela abre o aplicativo, seleciona o tipo sanguíneo e encontra o doador", diz. Para usar o aplicativo, é necessário se cadastrar com email e senha.

Segundo o Ministério da Saúde, apenas 1,6% dos brasileiros são doadores de sangue. Três em cada dez doações são de reposição, ou seja, a pessoa doa especificamente para atender um chamado de um familiar, amigo ou conhecido.

Na primeira semana em que o aplicativo foi disponibilizado na Google Play Store, no começo deste mês, mais de 400 pessoas realizaram o cadastro após baixarem o programa, segundo os cálculos de Pieske.

O próximo passo é ver uma forma de conectar quem precisa de doação com a localização de hospitais e pontos de coleta. O serviço também será disponibilizado, de forma gratuita, para os celulares que utilizam o sistema iOS.

Sem patrocínio, Pieske criou uma campanha de financiamento coletivo e conseguiu arrecadar mais de R$ 2.600 até agora.

"Eu quero que ele esteja disponível em diversos países porque a internet não tem fronteiras. Se tu está viajando para um lugar desconhecido, não tem conhecidos. Com o aplicativo, vai conseguir achar doadores que estão perto de ti."

Essa é a terceira criação do jovem, que não é programador. Ele aprendeu a desenvolver aplicativos e criação de programas digitais de forma autodidata.

Aos 17, Pieske criou na escola com colegas um sistema sonoro para servir de alarme em casos de enchente. O projeto foi premiado pelo

governo catarinense, que cogitou aplicar investir no sistema e oferecer para outros estados.

Anos depois, criou um aplicativo de troca de mensagens chamado PiuPiu, mas não se encorajou em buscar patrocínio para a ideia por entender que já existia muita concorrência no setor.

O terceiro aplicativo, para doação de sangue, juntou elementos das experiências anteriores ao unir a preocupação com a comunidade e a comunicação entre pessoas, por isso recebeu o nome de PiuPiu Life.

Se a campanha de financiamento coletivo viabilizar a ampliação do aplicativo, Pieske pretende realizar parceria com o poder público para estimular a doação em áreas mais necessitadas.

"Vamos supor que uma região do país esteja precisando muito de doação. Eu enviaria uma notificação para quem está a um raio de 100 quilômetros daquela região e todas as pessoas que estão por perto recebem no celular um alerta informando a sua região precisa de sangue com o endereço do hemocentro próximo. Isso melhoraria muito as doações." 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade