Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
UTI Neonatal do Ruth Cardoso segue fechada por falta de leitos

Segunda, 13/1/2020 18:04.
Divulgação/HMRC

Publicidade

A UTI Neonatal do Hospital Municipal Ruth Cardoso segue fechada desde sexta-feira (10), por falta de leitos para os recém-nascidos. Dos seis disponíveis, o local está atendendo sete crianças e há três gestantes de alto risco que a qualquer momento podem parir. A direção do hospital aguarda a autorização do Estado e liberação de vagas em outros hospitais para transferir alguns dos pacientes.

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Andressa Hadad, explica que desde a última semana a situação está crítica, mas que às 17h de sexta-feira o local não possuía mais condição de receber pacientes. Ela salienta que quando a gestante está com o pré-natal em dia, o Ruth Cardoso atende normalmente. Quem não está sendo atendida é a gestante de alto risco.

“Porque a criança precisará ir para a UTI e não temos vagas. Até o início da manhã de hoje (13) estávamos com 10 pacientes – seis é o nosso limite. Fizemos transferências e agora há sete, mas há três gestantes de alto risco que a qualquer momento teremos que interromper as gestações”, diz.

A UTI Neonatal do Ruth Cardoso não pode atender mais pacientes por conta da falta de estrutura, desde equipamentos como também oxigênio para os recém-nascidos. “Pretendemos regularizar a situação o quanto antes, mas para isso precisamos da autorização do Estado e não sabemos quando vão surgir essas vagas. Pedimos para hospitais de Florianópolis, Joinville e até Lages, mas precisamos de liberação e aceite do Estado, não podemos fazer as transferências por conta, e ainda não há um prazo para isso acontecer”, salienta.

Segundo Andressa, a maioria dos nascimentos têm sido de famílias de fora. Uma das gestantes de alto risco é paraguaia, por exemplo.

“O nosso pedido é para as cidades da microrregião, que não encaminhem pacientes para o Ruth. A outra opção na região é o Hospital Marieta Konder Bornhausen, de Itajaí, mas normalmente quando o Ruth está cheio, lá também está”, comenta.

Entre os dias 1º e 8 nasceram 77 crianças no Ruth Cardoso, sendo apenas 29 de Balneário Camboriú; cinco eram turistas e as outras 43 de cidades vizinhas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação/HMRC

UTI Neonatal do Ruth Cardoso segue fechada por falta de leitos

Publicidade

Segunda, 13/1/2020 18:04.

A UTI Neonatal do Hospital Municipal Ruth Cardoso segue fechada desde sexta-feira (10), por falta de leitos para os recém-nascidos. Dos seis disponíveis, o local está atendendo sete crianças e há três gestantes de alto risco que a qualquer momento podem parir. A direção do hospital aguarda a autorização do Estado e liberação de vagas em outros hospitais para transferir alguns dos pacientes.

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Andressa Hadad, explica que desde a última semana a situação está crítica, mas que às 17h de sexta-feira o local não possuía mais condição de receber pacientes. Ela salienta que quando a gestante está com o pré-natal em dia, o Ruth Cardoso atende normalmente. Quem não está sendo atendida é a gestante de alto risco.

“Porque a criança precisará ir para a UTI e não temos vagas. Até o início da manhã de hoje (13) estávamos com 10 pacientes – seis é o nosso limite. Fizemos transferências e agora há sete, mas há três gestantes de alto risco que a qualquer momento teremos que interromper as gestações”, diz.

A UTI Neonatal do Ruth Cardoso não pode atender mais pacientes por conta da falta de estrutura, desde equipamentos como também oxigênio para os recém-nascidos. “Pretendemos regularizar a situação o quanto antes, mas para isso precisamos da autorização do Estado e não sabemos quando vão surgir essas vagas. Pedimos para hospitais de Florianópolis, Joinville e até Lages, mas precisamos de liberação e aceite do Estado, não podemos fazer as transferências por conta, e ainda não há um prazo para isso acontecer”, salienta.

Segundo Andressa, a maioria dos nascimentos têm sido de famílias de fora. Uma das gestantes de alto risco é paraguaia, por exemplo.

“O nosso pedido é para as cidades da microrregião, que não encaminhem pacientes para o Ruth. A outra opção na região é o Hospital Marieta Konder Bornhausen, de Itajaí, mas normalmente quando o Ruth está cheio, lá também está”, comenta.

Entre os dias 1º e 8 nasceram 77 crianças no Ruth Cardoso, sendo apenas 29 de Balneário Camboriú; cinco eram turistas e as outras 43 de cidades vizinhas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade