Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Com apoio do Rotary, Balneário Camboriú terá posto de coleta de leite materno

Segunda, 20/1/2020 16:47.
Divulgação
Banco de Leite do Marieta para toda região

Publicidade

Ainda em 2012 a Rede Cegonha sugeriu que Balneário Camboriú implementasse um banco de leite materno para atender a microrregião Sul, porém para que isso se realizasse era preciso repasse de verba federal ou estadual, o que nunca aconteceu. Até o momento, o único banco que atende os 11 municípios da região é o do Hospital Marieta Konder Bornhausen. Ainda neste ano Balneário Camboriú terá um ponto de coleta de leite materno, que será instalado no Núcleo de Atenção à Mulher (NAM), com apoio do Rotary Club de Balneário Camboriú Praia do Atlântico.

A enfermeira obstetra e funcionária pública de Balneário Camboriú, Priscila Pimentel Costa, que também é coordenadora técnica da Rede Cegonha da Macrorregião da AMFRI, explica que por conta da necessidade do repasse federal ou estadual que nunca aconteceu a criação do banco de leite acabou nunca saindo do papel, mas que houve evolução através da criação da UTI Neonatal do Hospital Municipal Ruth Cardoso.

Porém, uma boa novidade deve acontecer ainda neste primeiro semestre. Em dezembro foi fechada uma parceria com o Rotary Club de Balneário Camboriú Praia do Atlântico e a entidade irá reformar (através de verba do Rotary Nacional) uma área do NAM, onde funcionará um posto de coleta de leite materno.

“Conseguiremos captar o leite e mandamos pasteurizar no Marieta, distribuindo então para as mães de Balneário e na UTI Neonatal, assim paramos de usar a fórmula sintética e passamos a usar leite materno”, diz.

A previsão é que o Rotary Nacional encaminhe a verba da reforma até 20 de fevereiro para o Rotary de Balneário, e então as obras iniciam, com a expectativa da captação de leite iniciar no segundo semestre.

“Será um grande avanço para a região. Há demanda, por isso não descartamos a futura criação de um banco de leite, mas para isso é necessário recurso humano e estrutural. Seria preciso praticamente a construção de uma nova unidade, e isso acaba encarecendo muito. Sem apoio estadual ou federal não temos como fazer isso, além da necessidade do apoio de custeio”, completa.

Várias tentativas em BC

Em Balneário Camboriú já houveram tentativas de instalar um Banco de Leite, mas não avançaram. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional é um órgão consultivo. Pode recomendar, sugerir e acompanhar projetos. No ano passado durante a Conferência Municipal, uma das propostas que fazem parte do relatório, é a criação de um Banco de Leite Humano em Balneário Camboriú. A sugestão foi encaminhada para a secretária da Saúde.

Polônia Maciel, voluntária e parceira da Pastoral da Criança, é outra incentivadora para criar um Banco de Leite na cidade. Ela trabalha com gestantes e lactentes.

“Levo informações às gestantes e famílias com as ações sociais das Paróquias. Fui atender uma lactente que estava voltando ao trabalho. Sugeri armazenar o leite para não interromper a amamentação. Como a mãe não estava em condições de adquirir a bombinha para tirar o leite, fui buscar ajuda junto às unidades de saúde. Ninguém pôde auxiliar pois os postos não têm esse equipamento. Sempre fui incentivadora para a instalação do Banco de Leite. O assunto sempre despertou interesse, mas nunca saiu das gavetas”, disse Polônia.

Banco de Leite do Marieta atende toda a região

A maternidade do Hospital Marieta Konder Bornhausen é referência em toda a região e possui um Banco de Leite Humano que funciona 24 horas e que conta com uma equipe treinada para ajudar as mães com todo o processo de amamentação. Esse leite doado é distribuído para todos os bebês internados, com exceção daqueles que têm alguma restrição alimentar e que recebem fórmula infantil.

No ano passado foram mais de oito mil atendimentos, incluindo orientações e visitas domiciliares. O mês de março bateu recorde com 1025 atendimentos e 140 litros de leite coletado.

No momento, o Banco conta com um estoque satisfatório, porém continua recebendo doações, uma vez que todo leite doado ajuda a salvar vidas.

Como doar?

Para ser uma doadora é muito simples, precisa ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. As mães podem ir até o Hospital para fazer a doação ou ainda entrar em contato com a equipe que vai até a casa da doadora. A coleta é feita todas as quartas, quintas e sextas-feiras em Itajaí, Navegantes, Balneário Camboriú e Camboriú.

Depois de realizada a coleta, o leite passa por um processo rigoroso de qualidade, é identificado, congelado, pasteurizado, e somente após esta liberação, o leite é preparado e fica disponível para o consumo dos bebês da Unidade Neonatal.

Para as mães que querem mais informações para fazer a doação, basta entrar em contato com o setor do Banco de Leite Humano no telefone 3249-9400, ramal 2404.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Banco de Leite do Marieta para toda região
Banco de Leite do Marieta para toda região

Com apoio do Rotary, Balneário Camboriú terá posto de coleta de leite materno

Publicidade

Segunda, 20/1/2020 16:47.

Ainda em 2012 a Rede Cegonha sugeriu que Balneário Camboriú implementasse um banco de leite materno para atender a microrregião Sul, porém para que isso se realizasse era preciso repasse de verba federal ou estadual, o que nunca aconteceu. Até o momento, o único banco que atende os 11 municípios da região é o do Hospital Marieta Konder Bornhausen. Ainda neste ano Balneário Camboriú terá um ponto de coleta de leite materno, que será instalado no Núcleo de Atenção à Mulher (NAM), com apoio do Rotary Club de Balneário Camboriú Praia do Atlântico.

A enfermeira obstetra e funcionária pública de Balneário Camboriú, Priscila Pimentel Costa, que também é coordenadora técnica da Rede Cegonha da Macrorregião da AMFRI, explica que por conta da necessidade do repasse federal ou estadual que nunca aconteceu a criação do banco de leite acabou nunca saindo do papel, mas que houve evolução através da criação da UTI Neonatal do Hospital Municipal Ruth Cardoso.

Porém, uma boa novidade deve acontecer ainda neste primeiro semestre. Em dezembro foi fechada uma parceria com o Rotary Club de Balneário Camboriú Praia do Atlântico e a entidade irá reformar (através de verba do Rotary Nacional) uma área do NAM, onde funcionará um posto de coleta de leite materno.

“Conseguiremos captar o leite e mandamos pasteurizar no Marieta, distribuindo então para as mães de Balneário e na UTI Neonatal, assim paramos de usar a fórmula sintética e passamos a usar leite materno”, diz.

A previsão é que o Rotary Nacional encaminhe a verba da reforma até 20 de fevereiro para o Rotary de Balneário, e então as obras iniciam, com a expectativa da captação de leite iniciar no segundo semestre.

“Será um grande avanço para a região. Há demanda, por isso não descartamos a futura criação de um banco de leite, mas para isso é necessário recurso humano e estrutural. Seria preciso praticamente a construção de uma nova unidade, e isso acaba encarecendo muito. Sem apoio estadual ou federal não temos como fazer isso, além da necessidade do apoio de custeio”, completa.

Várias tentativas em BC

Em Balneário Camboriú já houveram tentativas de instalar um Banco de Leite, mas não avançaram. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional é um órgão consultivo. Pode recomendar, sugerir e acompanhar projetos. No ano passado durante a Conferência Municipal, uma das propostas que fazem parte do relatório, é a criação de um Banco de Leite Humano em Balneário Camboriú. A sugestão foi encaminhada para a secretária da Saúde.

Polônia Maciel, voluntária e parceira da Pastoral da Criança, é outra incentivadora para criar um Banco de Leite na cidade. Ela trabalha com gestantes e lactentes.

“Levo informações às gestantes e famílias com as ações sociais das Paróquias. Fui atender uma lactente que estava voltando ao trabalho. Sugeri armazenar o leite para não interromper a amamentação. Como a mãe não estava em condições de adquirir a bombinha para tirar o leite, fui buscar ajuda junto às unidades de saúde. Ninguém pôde auxiliar pois os postos não têm esse equipamento. Sempre fui incentivadora para a instalação do Banco de Leite. O assunto sempre despertou interesse, mas nunca saiu das gavetas”, disse Polônia.

Banco de Leite do Marieta atende toda a região

A maternidade do Hospital Marieta Konder Bornhausen é referência em toda a região e possui um Banco de Leite Humano que funciona 24 horas e que conta com uma equipe treinada para ajudar as mães com todo o processo de amamentação. Esse leite doado é distribuído para todos os bebês internados, com exceção daqueles que têm alguma restrição alimentar e que recebem fórmula infantil.

No ano passado foram mais de oito mil atendimentos, incluindo orientações e visitas domiciliares. O mês de março bateu recorde com 1025 atendimentos e 140 litros de leite coletado.

No momento, o Banco conta com um estoque satisfatório, porém continua recebendo doações, uma vez que todo leite doado ajuda a salvar vidas.

Como doar?

Para ser uma doadora é muito simples, precisa ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. As mães podem ir até o Hospital para fazer a doação ou ainda entrar em contato com a equipe que vai até a casa da doadora. A coleta é feita todas as quartas, quintas e sextas-feiras em Itajaí, Navegantes, Balneário Camboriú e Camboriú.

Depois de realizada a coleta, o leite passa por um processo rigoroso de qualidade, é identificado, congelado, pasteurizado, e somente após esta liberação, o leite é preparado e fica disponível para o consumo dos bebês da Unidade Neonatal.

Para as mães que querem mais informações para fazer a doação, basta entrar em contato com o setor do Banco de Leite Humano no telefone 3249-9400, ramal 2404.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade