Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Filmes comprovam que coletas do IMA são imprestáveis para avaliar balneabilidade

Governo do Estado prejudica Balneário Camboriú com trabalho mal executado

Quinta, 23/1/2020 18:31.
Página 3

Publicidade

Filmes obtidos pelo Jornal Página 3 mostram que as coletas de amostras de água do mar para as análises de balneabilidade, produzida pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA), não respeitam a legislação sobre o assunto, portanto os laudos não têm valor científico, são imprestáveis.

A Resolução 274 do Conselho Nacional do Meio Ambiente estabelece que as coletas devem ser feitas a um metro de profundidade, mais ou menos a altura da cintura de um brasileiro médio e os dois filmes publicados mais abaixo mostram que as coletas foram feitas em lâmina d´água provavelmente inferior a meio metro.

Quanto mais raso, mais perto da areia da praia, maior a probabilidade do resultado de exame de laboratório mostrar contaminação.

Os filmes mostram um Bombeiro executando a coleta de amostras, um trabalho que não faz parte das atribuições desses profissionais.

Nesse verão a prefeitura decidiu contratar um laboratório privado, conceituado entre os melhores do Estado, para fazer análises semanais e a diferença dos resultados levou à desconfiança que o IMA não usa a tecnologia correta.

Isso agora ficou comprovado pelos filmes obtidos pelo Página3.

A assessora de imprensa do IMA, Claudia Xavier, não quis detalhar o assunto, preferiu xingar o repórter do Página 3.

Na semana passada o editor do Página 3, Waldemar Cezar Neto, afirmou em texto publicado neste jornal que o Ministério Público deveria investigar o IMA, pois seus laudos causam enormes prejuízos às cidades litorâneas.

Agora está comprovado que é mesmo necessária essa investigação.

A PROVA DE QUE OS LAUDOS DO IMA SÃO IMPRESTÁVEIS


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Página 3

Filmes comprovam que coletas do IMA são imprestáveis para avaliar balneabilidade

Governo do Estado prejudica Balneário Camboriú com trabalho mal executado

Publicidade

Quinta, 23/1/2020 18:31.

Filmes obtidos pelo Jornal Página 3 mostram que as coletas de amostras de água do mar para as análises de balneabilidade, produzida pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA), não respeitam a legislação sobre o assunto, portanto os laudos não têm valor científico, são imprestáveis.

A Resolução 274 do Conselho Nacional do Meio Ambiente estabelece que as coletas devem ser feitas a um metro de profundidade, mais ou menos a altura da cintura de um brasileiro médio e os dois filmes publicados mais abaixo mostram que as coletas foram feitas em lâmina d´água provavelmente inferior a meio metro.

Quanto mais raso, mais perto da areia da praia, maior a probabilidade do resultado de exame de laboratório mostrar contaminação.

Os filmes mostram um Bombeiro executando a coleta de amostras, um trabalho que não faz parte das atribuições desses profissionais.

Nesse verão a prefeitura decidiu contratar um laboratório privado, conceituado entre os melhores do Estado, para fazer análises semanais e a diferença dos resultados levou à desconfiança que o IMA não usa a tecnologia correta.

Isso agora ficou comprovado pelos filmes obtidos pelo Página3.

A assessora de imprensa do IMA, Claudia Xavier, não quis detalhar o assunto, preferiu xingar o repórter do Página 3.

Na semana passada o editor do Página 3, Waldemar Cezar Neto, afirmou em texto publicado neste jornal que o Ministério Público deveria investigar o IMA, pois seus laudos causam enormes prejuízos às cidades litorâneas.

Agora está comprovado que é mesmo necessária essa investigação.

A PROVA DE QUE OS LAUDOS DO IMA SÃO IMPRESTÁVEIS


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade