Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Grupo da PUC-RJ e FGV calcula 90 mil mortes até o fim do mês

Margem de erro das previsões desses grupo tem sido de apenas 2%.

Terça, 14/7/2020 7:49.
Photo Premium/Folhapress.

Publicidade

Por Roberta Jansen

Até o fim de julho o Brasil deve registrar 2,5 milhões de casos de covid-19 e até 90 mil mortes provocadas pela doença. A previsão é do grupo Covid19Analytics, composto de economistas da PUC-RJ e da FGV, que vem tendo um dos melhores índices de acerto nas previsões de curto prazo sobre a epidemia, com margem de erro de apenas 2%.

De acordo com os especialistas, houve uma estabilização no número de mortes, mas em patamar ainda muito elevado, entre 900 e 1,1 mil registros por dia. E não há ainda sinais de queda: até o fim do mês a previsão é de que o gráfico seguirá estável.

"Não parou de morrer gente e isso vai continuar", diz o economista Marcelo Medeiros, um dos coordenadores do grupo. "Mas o fato é que vinha numa aceleração rápida, exponencial, e deu uma desacelerada."

Pelo último relatório do grupo, divulgado do dia 10, a epidemia está em franca interiorização e é extremamente heterogênea no País - mas quando são comparadas as situações de diferentes Estados, municípios e regiões de uma cidade, as realidades são diferentes.

"São várias ondas diferentes e misturadas", disse o economista. Ele adverte que os números não refletem ainda a recente flexibilização das medidas de isolamento social em vários Estados. Essa nova realidade só começa a aparecer dentro de pelo menos mais duas semanas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Photo Premium/Folhapress.

Grupo da PUC-RJ e FGV calcula 90 mil mortes até o fim do mês

Margem de erro das previsões desses grupo tem sido de apenas 2%.

Publicidade

Terça, 14/7/2020 7:49.

Por Roberta Jansen

Até o fim de julho o Brasil deve registrar 2,5 milhões de casos de covid-19 e até 90 mil mortes provocadas pela doença. A previsão é do grupo Covid19Analytics, composto de economistas da PUC-RJ e da FGV, que vem tendo um dos melhores índices de acerto nas previsões de curto prazo sobre a epidemia, com margem de erro de apenas 2%.

De acordo com os especialistas, houve uma estabilização no número de mortes, mas em patamar ainda muito elevado, entre 900 e 1,1 mil registros por dia. E não há ainda sinais de queda: até o fim do mês a previsão é de que o gráfico seguirá estável.

"Não parou de morrer gente e isso vai continuar", diz o economista Marcelo Medeiros, um dos coordenadores do grupo. "Mas o fato é que vinha numa aceleração rápida, exponencial, e deu uma desacelerada."

Pelo último relatório do grupo, divulgado do dia 10, a epidemia está em franca interiorização e é extremamente heterogênea no País - mas quando são comparadas as situações de diferentes Estados, municípios e regiões de uma cidade, as realidades são diferentes.

"São várias ondas diferentes e misturadas", disse o economista. Ele adverte que os números não refletem ainda a recente flexibilização das medidas de isolamento social em vários Estados. Essa nova realidade só começa a aparecer dentro de pelo menos mais duas semanas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade