Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Clínica San Carlo apoia o Outubro Rosa

Quarta, 14/10/2020 8:21.
Divulgação

Publicidade

Preocupada com a saúde das mulheres, a Clínica San Carlo vem conscientizar sobre a importância dos exames preventivos contra o câncer de mama. “Nosso objetivo é chamar a atenção das mulheres para o autocuidado, elas precisam se encontrar, se permitir, se conhecer”, enfatiza a Mastologista e responsável técnica Talita Siemann Santos Pereira.

Iniciada em Nova Iorque nos anos 90, as campanhas de conscientização deram início e seguimento no Brasil somente no ano de 2002. O câncer de mama vem atingido inúmeras mulheres, atualmente, somente no sul do Brasil, 45,24 de cada 100 mil mulheres são diagnosticadas com a doença.

Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer) à uma estimativa de 66.280 novos casos da doença entre os anos de 2020 e 2022, correspondendo 61,61 de cada 100 mil mulheres em todo o país.

Levando em consideração o tempo de Pandemia em que vivemos e o grande impacto social por conta do COVID 19, a população como um todo enfatizou este fenômeno, esquecendo-se das demais doenças que assolam o nosso país.

“Neste ano o Outubro Rosa possui um significado maior, visto que, devido a pandemia muitas mulheres deixaram de fazer os exames preventivos, por isso a campanha é uma maneira de chamar a atenção e lembra-las da importância da realização dos exames preventivos, afinal o câncer não espera”, fala a Mastologista.

Neste sentido a doutora nos esclarece algumas dúvidas frequentes, sobre a doença:

Quais as principais características que diferenciam tumores benignos de malignos?

Em relação às características de apresentação clínica, os tumores benignos costumam se apresentar em pacientes jovens, como nódulos móveis, geralmente associado a dor e com uma consistência elástica. Já os malignos, geralmente se apresentam como lesões duras, fixas a musculatura ou pele, indolor, podendo estar associado à retração de pele/mamilo, ou secreção papilar sanguinolenta.

É sempre possível notar a doença por meio do toque na mama?

Não. A princípio os nódulos podem ser perceptíveis com o toque da mão a partir de 1 cm. Em mulheres jovens, com mamas densas essa percepção pode acontecer somente a partir de lesões maiores. Por isso estimulamos e orientamos tanto a realização da mamografia. Nosso objetivo é realizar diagnóstico precoce. Não podemos considerar o “auto exame” um “exame” de rastreio como é a mamografia. Assim é importante estimular as mulheres de todas as idades a se “auto conhecerem”. O toque, a observação devem fazer parte do autocuidado da saúde feminina, mas não pode ser estimulada como “exame” de rastreio e prevenção do câncer de mama. Por isso que “se conhecer” é uma palavra que demos tanto destaque na nossa campanha, por ser o primeiro passo que deve acontecer na vida das mulheres, ainda no início da fase reprodutiva (após a primeira menstruação).

Próteses de silicone podem levar ao câncer?

Não. Aconteceu um aumento de um tipo específico de câncer relacionado a um tipo especifico de prótese. Mas isso não deve ser generalizado. Agora é importante que as mulheres que possuem próteses mantenham um acompanhamento regular visto que elas possuem um corpo estranho que pode gerar algumas alterações e reações ao longo da vida.

Pílula anticoncepcional aumenta o risco da doença?

Existe uma forte suspeita, mas ainda não se conseguiu comprovar essa relação cientificamente, por isso não é contra indicado o uso do anticoncepcional, a não ser para as pacientes que já tiveram câncer de mama.

Amamentar diminui ou aumenta o risco de câncer de mama? Porque?

Diminui. Porque o câncer de mama possui perfil hormônio-dependente. A lactação reduz a exposição das mulheres ao estímulo estrogênico (hormônio), além de alterar o tecido mamário.

Usar sutiã apertado aumenta o risco de ter a doença?

Não. Precisamos entender que o câncer é uma doença que acontece por uma alteração a nível celular. Por isso dizer que sutiã apertado, ou com arame ou roupas de determinadas cores aumentam o risco da doença, não é plausível já que não apresentam relação carcinogênica (processo de formação do câncer) para tal.

Quando a mamografia deve entrar na rotina da mulher?

Para a população em geral, que apresentam um risco habitual para o desenvolvimento do câncer, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) orienta a partir dos 40 anos. Algumas mulheres, que apresentam um alto risco genético/familiar ou pessoal, podem ser indicadas a iniciar a utilização deste recurso antes de tal idade. Quem poderá avaliar se esse risco maior existe é o mastologista de sua confiança, por isso a importância da consulta preventiva, onde o profissional orientará qual o melhor rastreio para cada mulher.

A radiação da mamografia aumenta as chances de ter câncer na mama?

Não. A dose de radiação durante a mamografia é extremamente baixa – menor do que 1% da dose recebida pela mama. Isto é equivalente a 30 minutos de exposição à radiação recebida a partir de fontes naturais (solo, rochas, materiais de construção, água potável...).

Existe algum exame melhor do que a mamografia para detectar a doença?

Não. Para aquelas mulheres que apresentam a indicação de realizar a mamografia como exame de rastreio, não existe substituição do mesmo, e sim a complementação com outros exames em alguns casos específicos.

O que pode ser feito para prevenir o câncer de mama?

Diminuir a exposição aos fatores de riscos que chamamos de modificáveis (obesidade, sedentarismo, uso de bebida alcoólica e utilização de reposição hormonal) e estimular os fatores de proteção como a amamentação e atividade física.

A reposição hormonal pode aumentar o risco de ter a doença?

Sim. O uso da Terapia Hormonal (TH) com estrogênio e progesterona altera a morfologia da mama devido ao aumento da replicação celular, gerando um tecido mais denso e complexo, o que pode ser responsável pela carcinogênese mamária associada ao uso de TH combinada. Por isso a reposição sempre deve ser feita com orientação e acompanhamento, avaliando os riscos e benefícios.


HÁBITOS SAUDÁVEIS QUE AUXILIAM NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA:

  • Alimente-se bem - escolha alimentos nutritivos e de qualidade, de valor para as refeições que você ingere.
  • Tente comer de três em três horas, em quantidades reduzidas - não fique muito tempo sem comer.
  • Evite alimentos gordurosos, industrializados e pouco nutritivos como: açúcar, refrigerante, macarrão, pão branco, sucos de caixinha, entre outros.
  • Prefira produtos integrais, ingerindo também proteínas de qualidade, frutas, legumes e verduras, fonte de vitaminas, minerais e fibras (estas ajudam a saciar e regulam o intestino).
  • Pratique atividades físicas, como caminhadas, pedaladas, corridas e afins.
  • Evite a obesidade, planeje seu dia alimentar e tente segui-lo.
  • Não consuma álcool, este mesmo que moderado pode se tornar um fator de risco para o câncer de mama.

CÂNCER DE MAMA – PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS

  • Nódulo único endurecido.
  • Inchaço de toda ou parte da mama (mesmo que não se sinta um nódulo), gerando um aspecto de “casca de laranja”.
  • Irritação ou abaulamento de uma parte da mama.
  • Eritema (Vermelhidão na Pele).
  • Espessamento ou retração da pele ou do mamilo.
  • Saída de secreção sanguinolenta ou transparente pelo mamilo.
  • Nódulos na região axilar, endurecido, que não melhora em 7 a 15 dias.

Texto: Caroline Maffi Paterno


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação

Clínica San Carlo apoia o Outubro Rosa

Publicidade

Quarta, 14/10/2020 8:21.

Preocupada com a saúde das mulheres, a Clínica San Carlo vem conscientizar sobre a importância dos exames preventivos contra o câncer de mama. “Nosso objetivo é chamar a atenção das mulheres para o autocuidado, elas precisam se encontrar, se permitir, se conhecer”, enfatiza a Mastologista e responsável técnica Talita Siemann Santos Pereira.

Iniciada em Nova Iorque nos anos 90, as campanhas de conscientização deram início e seguimento no Brasil somente no ano de 2002. O câncer de mama vem atingido inúmeras mulheres, atualmente, somente no sul do Brasil, 45,24 de cada 100 mil mulheres são diagnosticadas com a doença.

Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer) à uma estimativa de 66.280 novos casos da doença entre os anos de 2020 e 2022, correspondendo 61,61 de cada 100 mil mulheres em todo o país.

Levando em consideração o tempo de Pandemia em que vivemos e o grande impacto social por conta do COVID 19, a população como um todo enfatizou este fenômeno, esquecendo-se das demais doenças que assolam o nosso país.

“Neste ano o Outubro Rosa possui um significado maior, visto que, devido a pandemia muitas mulheres deixaram de fazer os exames preventivos, por isso a campanha é uma maneira de chamar a atenção e lembra-las da importância da realização dos exames preventivos, afinal o câncer não espera”, fala a Mastologista.

Neste sentido a doutora nos esclarece algumas dúvidas frequentes, sobre a doença:

Quais as principais características que diferenciam tumores benignos de malignos?

Em relação às características de apresentação clínica, os tumores benignos costumam se apresentar em pacientes jovens, como nódulos móveis, geralmente associado a dor e com uma consistência elástica. Já os malignos, geralmente se apresentam como lesões duras, fixas a musculatura ou pele, indolor, podendo estar associado à retração de pele/mamilo, ou secreção papilar sanguinolenta.

É sempre possível notar a doença por meio do toque na mama?

Não. A princípio os nódulos podem ser perceptíveis com o toque da mão a partir de 1 cm. Em mulheres jovens, com mamas densas essa percepção pode acontecer somente a partir de lesões maiores. Por isso estimulamos e orientamos tanto a realização da mamografia. Nosso objetivo é realizar diagnóstico precoce. Não podemos considerar o “auto exame” um “exame” de rastreio como é a mamografia. Assim é importante estimular as mulheres de todas as idades a se “auto conhecerem”. O toque, a observação devem fazer parte do autocuidado da saúde feminina, mas não pode ser estimulada como “exame” de rastreio e prevenção do câncer de mama. Por isso que “se conhecer” é uma palavra que demos tanto destaque na nossa campanha, por ser o primeiro passo que deve acontecer na vida das mulheres, ainda no início da fase reprodutiva (após a primeira menstruação).

Próteses de silicone podem levar ao câncer?

Não. Aconteceu um aumento de um tipo específico de câncer relacionado a um tipo especifico de prótese. Mas isso não deve ser generalizado. Agora é importante que as mulheres que possuem próteses mantenham um acompanhamento regular visto que elas possuem um corpo estranho que pode gerar algumas alterações e reações ao longo da vida.

Pílula anticoncepcional aumenta o risco da doença?

Existe uma forte suspeita, mas ainda não se conseguiu comprovar essa relação cientificamente, por isso não é contra indicado o uso do anticoncepcional, a não ser para as pacientes que já tiveram câncer de mama.

Amamentar diminui ou aumenta o risco de câncer de mama? Porque?

Diminui. Porque o câncer de mama possui perfil hormônio-dependente. A lactação reduz a exposição das mulheres ao estímulo estrogênico (hormônio), além de alterar o tecido mamário.

Usar sutiã apertado aumenta o risco de ter a doença?

Não. Precisamos entender que o câncer é uma doença que acontece por uma alteração a nível celular. Por isso dizer que sutiã apertado, ou com arame ou roupas de determinadas cores aumentam o risco da doença, não é plausível já que não apresentam relação carcinogênica (processo de formação do câncer) para tal.

Quando a mamografia deve entrar na rotina da mulher?

Para a população em geral, que apresentam um risco habitual para o desenvolvimento do câncer, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) orienta a partir dos 40 anos. Algumas mulheres, que apresentam um alto risco genético/familiar ou pessoal, podem ser indicadas a iniciar a utilização deste recurso antes de tal idade. Quem poderá avaliar se esse risco maior existe é o mastologista de sua confiança, por isso a importância da consulta preventiva, onde o profissional orientará qual o melhor rastreio para cada mulher.

A radiação da mamografia aumenta as chances de ter câncer na mama?

Não. A dose de radiação durante a mamografia é extremamente baixa – menor do que 1% da dose recebida pela mama. Isto é equivalente a 30 minutos de exposição à radiação recebida a partir de fontes naturais (solo, rochas, materiais de construção, água potável...).

Existe algum exame melhor do que a mamografia para detectar a doença?

Não. Para aquelas mulheres que apresentam a indicação de realizar a mamografia como exame de rastreio, não existe substituição do mesmo, e sim a complementação com outros exames em alguns casos específicos.

O que pode ser feito para prevenir o câncer de mama?

Diminuir a exposição aos fatores de riscos que chamamos de modificáveis (obesidade, sedentarismo, uso de bebida alcoólica e utilização de reposição hormonal) e estimular os fatores de proteção como a amamentação e atividade física.

A reposição hormonal pode aumentar o risco de ter a doença?

Sim. O uso da Terapia Hormonal (TH) com estrogênio e progesterona altera a morfologia da mama devido ao aumento da replicação celular, gerando um tecido mais denso e complexo, o que pode ser responsável pela carcinogênese mamária associada ao uso de TH combinada. Por isso a reposição sempre deve ser feita com orientação e acompanhamento, avaliando os riscos e benefícios.


HÁBITOS SAUDÁVEIS QUE AUXILIAM NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA:

  • Alimente-se bem - escolha alimentos nutritivos e de qualidade, de valor para as refeições que você ingere.
  • Tente comer de três em três horas, em quantidades reduzidas - não fique muito tempo sem comer.
  • Evite alimentos gordurosos, industrializados e pouco nutritivos como: açúcar, refrigerante, macarrão, pão branco, sucos de caixinha, entre outros.
  • Prefira produtos integrais, ingerindo também proteínas de qualidade, frutas, legumes e verduras, fonte de vitaminas, minerais e fibras (estas ajudam a saciar e regulam o intestino).
  • Pratique atividades físicas, como caminhadas, pedaladas, corridas e afins.
  • Evite a obesidade, planeje seu dia alimentar e tente segui-lo.
  • Não consuma álcool, este mesmo que moderado pode se tornar um fator de risco para o câncer de mama.

CÂNCER DE MAMA – PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS

  • Nódulo único endurecido.
  • Inchaço de toda ou parte da mama (mesmo que não se sinta um nódulo), gerando um aspecto de “casca de laranja”.
  • Irritação ou abaulamento de uma parte da mama.
  • Eritema (Vermelhidão na Pele).
  • Espessamento ou retração da pele ou do mamilo.
  • Saída de secreção sanguinolenta ou transparente pelo mamilo.
  • Nódulos na região axilar, endurecido, que não melhora em 7 a 15 dias.

Texto: Caroline Maffi Paterno


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade