Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Balneário Camboriú registrou sete suicídios este ano

Setembro Amarelo, mês da prevenção, inicia nesta terça

Terça, 1/9/2020 17:57.
Divulgação/PMBC

Publicidade

O Setembro Amarelo, mês da prevenção ao suicídio, inicia oficialmente nesta terça-feira (1º). O movimento tem cinco anos no Brasil, e é de extrema importância, considerando que, segundo dados do Centro de Valorização da Vida (CVV), acontece no mundo um suicídio a cada 40 segundos – somando mais de 1 milhão de mortes/ano. Balneário Camboriú que neste ano registrou sete suicídios, segundo dados da Secretaria da Inclusão Social, integra o Setembro Amarelo, com ações e eventos todos os anos. Por conta da pandemia de Covid-19 a programação será predominantemente digital, com a realização de lives.

Abraço à Vida: mais de 6,4 mil atendimentos em 2020

O programa municipal Abraço à Vida, que integra a Secretaria de Inclusão Social, completa dois anos nesta quarta-feira (2). Desde então foram realizados 18.051 atendimentos – cada pessoa é atendida em média 12 vezes pelo programa. Ou seja, mais de 1.530 moradores da cidade passaram pelo Abraço desde então, entre jovens, mulheres e idosos – há programas específicos para cada um desses ‘segmentos’.

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, salienta que em 2018 foram realizados 1.815 atendimentos, em 2019 9.786 e em 2020 6.449. Desde a criação do Abraço, o número de suicídios reduziu: em 2018 foram 12, em 2019 oito e em 2020 sete – o último foi na segunda-feira (31), um homem de 57 anos, morador da Barra Sul.

“Consideramos que em 2020 houve um acréscimo, porque ainda faltam quatro meses para acabar o ano. Porém, como a nossa cidade possui programa as pessoas sabem que podem ter ajuda”, diz.

Principais atendimentos: mulheres e jovens

Christina conta que mais mulheres procuram o Abraço à Vida – 75% dos atendimentos são realizados junto ao público feminino. A principal faixa etária dos pacientes assistidos pelo programa são entre os 18 e 39 anos (65%), seguido por pessoas de 40 a 59 (29,55%) e idosos (5,61%). Mas também já foi atendida uma criança de cinco anos.

“É muito assustador ver que uma criança dessa idade já pensava em tirar a própria vida. Com os adolescentes nos preocupamos muito com a questão da automutilação, que infelizmente é comum. Nesses casos, é imprescindível o trabalho junto das escolas”, acrescenta.

Solidão não tem idade

A área da cidade que mais procura o Abraço à Vida é o Centro (74%), seguido pelos bairros Nações e Vila Real. Por Balneário Camboriú ser uma cidade verticalizada, a secretária lembra que as pessoas tendem a se sentir mais sozinhas, ainda mais por nem sempre terem seu núcleo familiar presente, já que é comum as pessoas terem aqui a segunda residência ou se mudarem para o município por conta da faculdade ou trabalho, por exemplo.

“A solidão é algo comum em todas as faixas etárias e classes sociais. Não é sobre morar sozinho, você pode estar no meio de uma multidão e se sentir só. Os problemas mentais e emocionais também podem piorar a situação, por isso o Abraço é focado no acompanhamento biopsicossocial: psicólogo, psiquiatra, grupos terapêuticos e o apoio da família, que também é essencial”, afirma.

Programação afetada

Além da pandemia de Covid-19, o Abraço à Vida também ‘esbarrou’ com a questão da legislação eleitoral. Por conta das eleições municipais, nenhuma atividade pode se realizada na Secretaria de Inclusão Social, além ainda da proibição de aglomeração. Por isto, os profissionais do Abraço farão lives através das redes sociais, focadas em cada faixa etária. Por exemplo, a psicóloga do Abraço Jovem fará um vídeo focado na juventude, dos 15 aos 29 anos, assim como haverá live para os idosos e público geral.

“Iremos destacar a importância da escuta qualificada e da necessidade de falar. O suicídio é uma questão definitiva para um problema temporário, só a morte não tem solução. Queremos que as famílias comecem a ter uma percepção maior sobre essa situação, que infelizmente ainda é um tabu para muitos. Se o jovem está trancado no quarto, no verão usa roupa comprida... ele pode estar escondendo uma automutilação. É preciso desmistificar também que quem é sempre alegre não está depressivo. Isso é mito, às vezes quem faz todo mundo rir na verdade está extremamente depressivo”, pontua.

A Secretaria de Inclusão Social também está organizando um ‘pedágio’ de conscientização. Haverá ação em pontos diversos da cidade lembrando o Setembro Amarelo.

“Estamos fazendo o que é possível dentro da pandemia, considerando tudo o que está acontecendo, falar e pensar sobre esse tema se mostra ainda mais importante. O Setembro Amarelo é um período em que a população e o poder público devem refletir sobre isto, debatendo a saúde, a vida, e que há saída”, diz.

Christina lembra que moradores de Balneário Camboriú que precisem de apoio emocional podem procurar o Abraço à Vida, que é gratuito e atende ao público 24h. Mais informações: (47) 9982-2322.

“Precisamos acabar com a crença distorcida de que não podemos falar sobre esse tema. Há quem pensa que ‘quem fala, não faz’, mas faz, sim. A pessoa pode estar te pedindo ajuda”, completa.


Leia também:


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/PMBC

Balneário Camboriú registrou sete suicídios este ano

Setembro Amarelo, mês da prevenção, inicia nesta terça

Publicidade

Terça, 1/9/2020 17:57.

O Setembro Amarelo, mês da prevenção ao suicídio, inicia oficialmente nesta terça-feira (1º). O movimento tem cinco anos no Brasil, e é de extrema importância, considerando que, segundo dados do Centro de Valorização da Vida (CVV), acontece no mundo um suicídio a cada 40 segundos – somando mais de 1 milhão de mortes/ano. Balneário Camboriú que neste ano registrou sete suicídios, segundo dados da Secretaria da Inclusão Social, integra o Setembro Amarelo, com ações e eventos todos os anos. Por conta da pandemia de Covid-19 a programação será predominantemente digital, com a realização de lives.

Abraço à Vida: mais de 6,4 mil atendimentos em 2020

O programa municipal Abraço à Vida, que integra a Secretaria de Inclusão Social, completa dois anos nesta quarta-feira (2). Desde então foram realizados 18.051 atendimentos – cada pessoa é atendida em média 12 vezes pelo programa. Ou seja, mais de 1.530 moradores da cidade passaram pelo Abraço desde então, entre jovens, mulheres e idosos – há programas específicos para cada um desses ‘segmentos’.

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, salienta que em 2018 foram realizados 1.815 atendimentos, em 2019 9.786 e em 2020 6.449. Desde a criação do Abraço, o número de suicídios reduziu: em 2018 foram 12, em 2019 oito e em 2020 sete – o último foi na segunda-feira (31), um homem de 57 anos, morador da Barra Sul.

“Consideramos que em 2020 houve um acréscimo, porque ainda faltam quatro meses para acabar o ano. Porém, como a nossa cidade possui programa as pessoas sabem que podem ter ajuda”, diz.

Principais atendimentos: mulheres e jovens

Christina conta que mais mulheres procuram o Abraço à Vida – 75% dos atendimentos são realizados junto ao público feminino. A principal faixa etária dos pacientes assistidos pelo programa são entre os 18 e 39 anos (65%), seguido por pessoas de 40 a 59 (29,55%) e idosos (5,61%). Mas também já foi atendida uma criança de cinco anos.

“É muito assustador ver que uma criança dessa idade já pensava em tirar a própria vida. Com os adolescentes nos preocupamos muito com a questão da automutilação, que infelizmente é comum. Nesses casos, é imprescindível o trabalho junto das escolas”, acrescenta.

Solidão não tem idade

A área da cidade que mais procura o Abraço à Vida é o Centro (74%), seguido pelos bairros Nações e Vila Real. Por Balneário Camboriú ser uma cidade verticalizada, a secretária lembra que as pessoas tendem a se sentir mais sozinhas, ainda mais por nem sempre terem seu núcleo familiar presente, já que é comum as pessoas terem aqui a segunda residência ou se mudarem para o município por conta da faculdade ou trabalho, por exemplo.

“A solidão é algo comum em todas as faixas etárias e classes sociais. Não é sobre morar sozinho, você pode estar no meio de uma multidão e se sentir só. Os problemas mentais e emocionais também podem piorar a situação, por isso o Abraço é focado no acompanhamento biopsicossocial: psicólogo, psiquiatra, grupos terapêuticos e o apoio da família, que também é essencial”, afirma.

Programação afetada

Além da pandemia de Covid-19, o Abraço à Vida também ‘esbarrou’ com a questão da legislação eleitoral. Por conta das eleições municipais, nenhuma atividade pode se realizada na Secretaria de Inclusão Social, além ainda da proibição de aglomeração. Por isto, os profissionais do Abraço farão lives através das redes sociais, focadas em cada faixa etária. Por exemplo, a psicóloga do Abraço Jovem fará um vídeo focado na juventude, dos 15 aos 29 anos, assim como haverá live para os idosos e público geral.

“Iremos destacar a importância da escuta qualificada e da necessidade de falar. O suicídio é uma questão definitiva para um problema temporário, só a morte não tem solução. Queremos que as famílias comecem a ter uma percepção maior sobre essa situação, que infelizmente ainda é um tabu para muitos. Se o jovem está trancado no quarto, no verão usa roupa comprida... ele pode estar escondendo uma automutilação. É preciso desmistificar também que quem é sempre alegre não está depressivo. Isso é mito, às vezes quem faz todo mundo rir na verdade está extremamente depressivo”, pontua.

A Secretaria de Inclusão Social também está organizando um ‘pedágio’ de conscientização. Haverá ação em pontos diversos da cidade lembrando o Setembro Amarelo.

“Estamos fazendo o que é possível dentro da pandemia, considerando tudo o que está acontecendo, falar e pensar sobre esse tema se mostra ainda mais importante. O Setembro Amarelo é um período em que a população e o poder público devem refletir sobre isto, debatendo a saúde, a vida, e que há saída”, diz.

Christina lembra que moradores de Balneário Camboriú que precisem de apoio emocional podem procurar o Abraço à Vida, que é gratuito e atende ao público 24h. Mais informações: (47) 9982-2322.

“Precisamos acabar com a crença distorcida de que não podemos falar sobre esse tema. Há quem pensa que ‘quem fala, não faz’, mas faz, sim. A pessoa pode estar te pedindo ajuda”, completa.


Leia também:


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade