Jornal Página 3

Controlar todo o conteúdo é impossível, diz fundador do Instagram
Divulgação.
Mike Krieger.
Mike Krieger.

FILIPE OLIVEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Para Mike Krieger, brasileiro cofundador do Instagram, o controle de conteúdos ofensivos publicados na rede social depende de inteligência artificial, controle feito por profissionais e denúncias de usuários.

A combinação é necessária porque é impossível que todo o conteúdo da rede, atualmente com 600 milhões de usuários, seja avaliado por profissionais da empresa, de um lado, a inteligência artificial ainda não é capaz de analisar corretamente todo o contextos de cada publicação, de outro, diz.

"A empresa não pode ignorar o conteúdo que está sendo distribuído em sua plataforma. Mas controlar cada coisa que aparece é simplesmente impossível", disse Krieger, durante conversa com grupo de jornalistas em visita sua ao Brasil, país que deixou em 2004 para estudar na Universidade Stanford, na Califórnia (EUA).

A discussão sobre a responsabilidade das redes sociais sobre o conteúdo disseminado em suas plataformas vem ganhando relevância desde o ano passado, quando atribuiu-se parte do sucesso da campanha eleitoral do republicano Donald Trump à disseminação de notícias falsas que o favoreciam.

Mais recentemente, as redes começaram a ser usadas para a prática de um suposto jogo chamado "Baleia Azul", que incentiva seus participantes a cometerem suicídio.

Krieger foi questionado sobre qual sua opinião a respeito da decisão do Instagram de censurar foto da atriz Maria Alice Vergueiro, em que ela aparecia com os seios a mostra, capa da revista Serafina e publicada no perfil da Folha de S.Paulo na rede social em novembro.

Segundo ele, a rede possui políticas para definir conteúdos que são permitidos ali que não dependem apenas da vontade da empresa. Suas regras também levam em conta o que é aceito em plataformas onde o aplicativo é distribuído (como lojas de apps da Apple e do Google) e das leis de países onde funciona.

Ele diz que é possível que hajam erros nas regras de publicação da empresa e que elas estão sempre sendo revisadas.

Segundo Krieger, o objetivo da empresa é criar mecanismos para que cada usuário da rede possa definir com mais liberdade o que considera ofensivo e o que tolera ver.

Em 2016, a empresa passou a permitir que usuários impedissem o uso de palavras que considerassem agressivas nos comentários feitos em suas fotos. 


Quinta, 20/4/2017 6:27.
Publicidade


Seu Dinheiro

Opção para quem deve é parcelar em até 48 meses  


Negócios

Fatma deverá analisar estudo ambiental apresentado ontem 


Esportes

Nesta quarta Associação será homenageada na Câmara de Vereadores


Entrevista

Mulheres que passaram por tratamento de câncer podem engravidar  


Cultura

Diversos títulos à venda e apresentações para os pequenos


Cultura

Concerto tem entrada franca


Cidade


Empregos

Com terceirização os 157 contratados poderão ser mantidos no emprego. Veja as vagas disponíveis.


Cidade

Navio já chegou com passageiros de 14 nacionalidades e 1.283 tripulantes 


Publicidade

Projetos têm nomes de árvores nativas e podem ser adequados ao gosto dos clientes


Publicidade