Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Tecnologia
Instituto privado de apoio à pesquisa lança 1º edital de seleção de projetos

Quarta, 19/7/2017 7:44.

Publicidade

FERNANDO TADEU MORAES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com o objetivo de incentivar os cientistas brasileiros a buscar resposta às grandes perguntas de seus campos, o Instituto Serrapilheira, entidade nacional privada de fomento à ciência, lançará nesta quarta (19) seu primeiro edital para seleção de projetos.

O anúncio oficial deve ser feito às 13h durante a reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que ocorre em Belo Horizonte.
"Uma coisa que percebi é que os pesquisadores brasileiros têm certa resistência a fazer grandes perguntas, se arriscar mais", diz o geneticista francês Hugo Aguilaniu, diretor do Serrapilheira.

Para tentar modificar essa característica, o instituto propõe algumas novidades. A principal delas é a seleção de sete grandes temas -energia, espaço, forma, identidade, informação, matéria e tempo- nos quais os pesquisadores terão de enquadrar suas propostas de pesquisa.

A ideia, explica Aguilaniu, tem dupla função: a primeira é fazer com que os cientistas reflitam sobre como suas perguntas se relacionam com as questões gerais da ciência.

Suponhamos, diz o diretor do Serrapilheira, que alguém trabalhe com uma proteína da mitocôndria celular. "Ele precisa pensar por que isso interessa. Ele então percebe que a proteína tem impacto sobre a forma da mitocôndria, o que influencia o metabolismo, que está ligado ao que a pessoa come, ou seja, à nutrição, que, por fim, se relaciona com o tema energia."

Além disso, o instituto considera que essa é uma maneira eficaz de fazer divulgação científica. "São conceitos que todos entendem e que aproximam as pessoas da ciência", afirma Aguilaniu.

O foco são os jovens pesquisadores, mas a seleção será feita segundo a "idade científica". Serão aceitas propostas de quem tenha recebido o título de doutor a partir de 2007. Mulheres com filhos terão flexibilidade: um ano a mais para cada filho, até dois.

Para João Moreira Salles, idealizador do Serrapilheira junto com sua mulher, a linguista Branca Vianna Moreira Salles, uma das virtudes da chamada é o estímulo dado aos jovens cientistas para serem ambiciosos desde o início de suas carreiras.

"Quem proceder com excesso de cautela na hora de escolher o seu problema provavelmente não será selecionado. Queremos ser parceiros do esforço dos gestores da nossa ciência para que a pesquisa brasileira, que cresceu muito em quantidade nas últimas décadas, aumente também o seu impacto."

PROVAR O CONCEITO

Inicialmente, serão selecionados 70 projetos (veja ao lado). Os escolhidos receberão até R$ 100 mil e terão um ano para "provar o conceito" proposto, diz Edgar Zanotto, presidente do Conselho Científico do Serrapilheira e professor da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos).

Depois desse período, de 10 a 20 projetos serão contemplados com até R$ 1 milhão.

As propostas terão de ser redigidas em inglês. A seleção inicial será feita de forma anônima por um grupo amplo de pesquisadores brasileiros.

Os projetos que ultrapassarem essa etapa serão reanalisados por revisores de universidade estrangeiras e pelos 12 membros do Conselho Científico.

"Metade dos membros são vinculados a universidades do exterior, para reduzir a possibilidade de conflitos de interesse. Ao mesmo tempo são brasileiros, conhecem a realidade do país", diz Zanotto.

Uma dessas pessoas é a geocientista Cristina P. de Campos, pesquisadora na Universidade de Munique, na Alemanha, onde trabalha há mais de dez anos. Para ela, um ponto importante é o incentivo à liberdade e à criatividade.

"A escolha dos temas do pesquisador no Brasil passou a ser influenciada pelas diretrizes das agências de fomento, deixando muito menos liberdade ao pesquisador", diz.

Para ela, guardadas as proporções, o edital aproxima um pouco o Brasil da realidade de financiamento da ciência na Alemanha, onde "perseguir grandes questões de interesse nacional, planetário, ou humanitário são diretrizes dos órgãos de fomento".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Instituto privado de apoio à pesquisa lança 1º edital de seleção de projetos

Publicidade

Quarta, 19/7/2017 7:44.

FERNANDO TADEU MORAES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com o objetivo de incentivar os cientistas brasileiros a buscar resposta às grandes perguntas de seus campos, o Instituto Serrapilheira, entidade nacional privada de fomento à ciência, lançará nesta quarta (19) seu primeiro edital para seleção de projetos.

O anúncio oficial deve ser feito às 13h durante a reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que ocorre em Belo Horizonte.
"Uma coisa que percebi é que os pesquisadores brasileiros têm certa resistência a fazer grandes perguntas, se arriscar mais", diz o geneticista francês Hugo Aguilaniu, diretor do Serrapilheira.

Para tentar modificar essa característica, o instituto propõe algumas novidades. A principal delas é a seleção de sete grandes temas -energia, espaço, forma, identidade, informação, matéria e tempo- nos quais os pesquisadores terão de enquadrar suas propostas de pesquisa.

A ideia, explica Aguilaniu, tem dupla função: a primeira é fazer com que os cientistas reflitam sobre como suas perguntas se relacionam com as questões gerais da ciência.

Suponhamos, diz o diretor do Serrapilheira, que alguém trabalhe com uma proteína da mitocôndria celular. "Ele precisa pensar por que isso interessa. Ele então percebe que a proteína tem impacto sobre a forma da mitocôndria, o que influencia o metabolismo, que está ligado ao que a pessoa come, ou seja, à nutrição, que, por fim, se relaciona com o tema energia."

Além disso, o instituto considera que essa é uma maneira eficaz de fazer divulgação científica. "São conceitos que todos entendem e que aproximam as pessoas da ciência", afirma Aguilaniu.

O foco são os jovens pesquisadores, mas a seleção será feita segundo a "idade científica". Serão aceitas propostas de quem tenha recebido o título de doutor a partir de 2007. Mulheres com filhos terão flexibilidade: um ano a mais para cada filho, até dois.

Para João Moreira Salles, idealizador do Serrapilheira junto com sua mulher, a linguista Branca Vianna Moreira Salles, uma das virtudes da chamada é o estímulo dado aos jovens cientistas para serem ambiciosos desde o início de suas carreiras.

"Quem proceder com excesso de cautela na hora de escolher o seu problema provavelmente não será selecionado. Queremos ser parceiros do esforço dos gestores da nossa ciência para que a pesquisa brasileira, que cresceu muito em quantidade nas últimas décadas, aumente também o seu impacto."

PROVAR O CONCEITO

Inicialmente, serão selecionados 70 projetos (veja ao lado). Os escolhidos receberão até R$ 100 mil e terão um ano para "provar o conceito" proposto, diz Edgar Zanotto, presidente do Conselho Científico do Serrapilheira e professor da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos).

Depois desse período, de 10 a 20 projetos serão contemplados com até R$ 1 milhão.

As propostas terão de ser redigidas em inglês. A seleção inicial será feita de forma anônima por um grupo amplo de pesquisadores brasileiros.

Os projetos que ultrapassarem essa etapa serão reanalisados por revisores de universidade estrangeiras e pelos 12 membros do Conselho Científico.

"Metade dos membros são vinculados a universidades do exterior, para reduzir a possibilidade de conflitos de interesse. Ao mesmo tempo são brasileiros, conhecem a realidade do país", diz Zanotto.

Uma dessas pessoas é a geocientista Cristina P. de Campos, pesquisadora na Universidade de Munique, na Alemanha, onde trabalha há mais de dez anos. Para ela, um ponto importante é o incentivo à liberdade e à criatividade.

"A escolha dos temas do pesquisador no Brasil passou a ser influenciada pelas diretrizes das agências de fomento, deixando muito menos liberdade ao pesquisador", diz.

Para ela, guardadas as proporções, o edital aproxima um pouco o Brasil da realidade de financiamento da ciência na Alemanha, onde "perseguir grandes questões de interesse nacional, planetário, ou humanitário são diretrizes dos órgãos de fomento".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade