Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Tecnologia
Brasileiros criam robô humanoide para atender em restaurantes e hotéis

Quarta, 17/10/2018 17:20.
Divulgação
Realbotix

Publicidade

PAULA SOPRANA(FOLHAPRESS)

Annye (de any, qualquer, em inglês) é o primeiro humanoide -robô com aspecto humano- a ser vendido para fins de atendimento no Brasil.

A boneca inteligente custa cerca de US$ 60 mil (R$ 222 mil) e pode servir para qualquer função de atendimento, por isso o nome.

Em hotéis, pode realizar checkin, checkout, fazer reservas de jantares e responder sobre o cronograma das atividades. Em hospitais, sua utilidade é acompanhar pacientes internados, para que "não se sintam sozinhos".

Exposta pela empresa Realbotix no Futurecom, evento de tecnologia que acontece em São Paulo de 15 a 18 de outubro, o robô de silicone é programado para realizar conversas simples com humanos.

"Vendemos cem cabeças que serão entregues para o setor hospitalar e hoteleiro até o fim de 2019", diz Gustavo Hernandes, diretor da Realbotix, uma joint venture de três anos formada pelas empresas americanas Abyscreation, da Califórnia, Taxtron, do Texas, e NextOS, de Curitiba (PR).

A diferença de Annye para Sophia, uma humanoide popular na comunidade tecnológica por ter recebido status de cidadã na Arábia Saudita, é que a boneca brasileira está à venda.

Sophia é um projeto acadêmico e gerou controvérsias por ser anunciada cidadã pelo governo saudita, jogada de marketing polêmica para um país em que as mulheres adquiriram há poucos meses o direito de dirigir.

O investimento no robô foi de US$ 5 milhões (R$ 18 milhões). O sistema usa aprendizado de máquina, um subcampo da inteligência artificial, e chega a sete estágios de conversa. Annye se difere de um chatbot, robô virtual usado para atendimento em sites, porque é física.

"Depois da sétima interação, ela começa a se confundir", explica Hernandes.
Nenhuma venda foi feita no Brasil, mas a expectativa dos criadores é que o boneco interesse a atendimento no varejo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Realbotix
Realbotix

Brasileiros criam robô humanoide para atender em restaurantes e hotéis

Publicidade

Quarta, 17/10/2018 17:20.

PAULA SOPRANA(FOLHAPRESS)

Annye (de any, qualquer, em inglês) é o primeiro humanoide -robô com aspecto humano- a ser vendido para fins de atendimento no Brasil.

A boneca inteligente custa cerca de US$ 60 mil (R$ 222 mil) e pode servir para qualquer função de atendimento, por isso o nome.

Em hotéis, pode realizar checkin, checkout, fazer reservas de jantares e responder sobre o cronograma das atividades. Em hospitais, sua utilidade é acompanhar pacientes internados, para que "não se sintam sozinhos".

Exposta pela empresa Realbotix no Futurecom, evento de tecnologia que acontece em São Paulo de 15 a 18 de outubro, o robô de silicone é programado para realizar conversas simples com humanos.

"Vendemos cem cabeças que serão entregues para o setor hospitalar e hoteleiro até o fim de 2019", diz Gustavo Hernandes, diretor da Realbotix, uma joint venture de três anos formada pelas empresas americanas Abyscreation, da Califórnia, Taxtron, do Texas, e NextOS, de Curitiba (PR).

A diferença de Annye para Sophia, uma humanoide popular na comunidade tecnológica por ter recebido status de cidadã na Arábia Saudita, é que a boneca brasileira está à venda.

Sophia é um projeto acadêmico e gerou controvérsias por ser anunciada cidadã pelo governo saudita, jogada de marketing polêmica para um país em que as mulheres adquiriram há poucos meses o direito de dirigir.

O investimento no robô foi de US$ 5 milhões (R$ 18 milhões). O sistema usa aprendizado de máquina, um subcampo da inteligência artificial, e chega a sete estágios de conversa. Annye se difere de um chatbot, robô virtual usado para atendimento em sites, porque é física.

"Depois da sétima interação, ela começa a se confundir", explica Hernandes.
Nenhuma venda foi feita no Brasil, mas a expectativa dos criadores é que o boneco interesse a atendimento no varejo.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade